Jogadores de Pokémon GO são mais felizes e amigáveis, revela estudo

Tudo bem que Pokémon GO já deixou de ser aquela febre absurda da época de seu lançamento, quando pessoas fizeram petição para que o game fosse lançado por aqui e ele até mesmo quebrou recordes de download. Mesmo assim, a respeitável base de usuários de 65 milhões de jogadores ativos (segundo a desenvolvedora) costuma ser compostas por pessoas bastante satisfeitas.

A nova prova disso é a pesquisa publicada pela Universidade de Wisconsin-Madison, dos Estados Unidos. Segundo o estudo, quem joga o game da Niantic costuma ser mais feliz, amigável e fisicamente ativo, contrariando aquela ideia preconceituosa e antiga de que jogar videogames e usar o celular podem afastar você de experiências sociais efetivas.

Ao longo da pesquisa, a estudante de graduação Irene Sarmiento e a professora de artes da comunicação Marie-Louise Mares lideraram um grupo que entrevistou cerca de 400 pessoas ao longo das três primeiras semanas após o lançamento do jogo.

Aproveitando o boom de procura pelo game no início de sua jornada, eles questionaram os entrevistados sobre como eram as suas vidas nos aspectos social, emocional e físico antes de Pokémon GO.

Algo até certo ponto esperado, 40% dos respondentes afirmaram terem se tornado mais fisicamente ativos graças ao game da Niantic — vale lembrar que a tarefa em Pokémon GO é andar pelas ruas da cidade em busca de Pikachus, Squirtles e outras criaturas.

Além disso, estas mesmas pessoas também garantiram estar mais propensas a emoções positivas, também graças ao jogo.

Diferentes relações com o bem-estar

Algo que ficou evidente durante a pesquisa é justamente as diferentes formas com que as pessoas reagiam positivamente à interação com o jogo e com o contexto exigido por ele para a jogatina.

“As pessoas nos contaram uma variedade de experiências com diferentes relações com o bem-estar”, comentou o aluno de graduação James Alex Bonus, que também participou do grupo que desenvolveu a pesquisa.

“Mas, em maior parte, os jogadores de Pokémon GO falaram sobre as coisas positivas que os faziam sentir suas vidas mais significativas, satisfatórias e alegres”, acrescentou.

A ideia de que ser adepto de jogos eletrônicos torna alguém isolado do restante do mundo é uma lenda que passa bem distante de Pokémon GO. E isso também ficou claro segundo a pesquisa da UW-Madinson.

“Quanto mais as pessoas jogavam, mais elas estavam envolvidas em comportamentos que se refletiam em novas conexões — fazendo amigos no Facebook, apresentando-se a uma nova pessoa, trocando números de telefone com alguém ou passando mais tempo com algum amigo antigo e descobrindo coisas novas sobre eles”, revela Bonus.

O estudo cita ainda outro dado curioso: mesmo pessoas que demonstravam um grau maior de ansiedade relacionada ao convívio com pessoas desconhecidas estavam propensas ao jogo, mesmo sabendo de seu aspecto social.

// ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …