Missões para Marte: por que 3 países chegarão ao planeta vermelho quase ao mesmo tempo

Kevin M. Gill / Flickr

O Planeta Vermelho

Fevereiro será um mês decisivo para a exploração de Marte. Pouco depois das 4h15 (no fuso do meridiano de Greenwich) da última terça-feira, a missão Hope enviada pelos Emirados Árabes Unidos, a primeira de um país árabe, entrou na órbita do planeta vermelho.

A sonda alcançou o feito depois de realizar uma manobra complexa para ser capturada pela gravidade do planeta.

E nos próximos dias, mais duas sondas espaciais devem chegar a Marte para estudar sua geologia, atmosfera e procurar possíveis sinais de vida, como bactérias.

A próxima será a missão Tianwen-1 da China, com chegada prevista para esta quarta-feira; e a Perseverance, da Nasa, agência espacial americana, em 18 de fevereiro.

A proximidade das datas se deve ao fato de que as três missões aproveitaram uma “janela” que se abre de tempos em tempos, na qual a distância entre Marte e a Terra é menor.

A distância entre os dois planetas muda constantemente devido às diferentes velocidades em que orbitam ao redor do Sol, então o melhor momento para lançar missões que requerem a menor quantidade possível de combustível ocorre uma vez a cada 26 meses.

Mas, como em qualquer missão a Marte, todas as três espaçonaves enfrentam grandes desafios, incluindo os infames “sete minutos de terror”, tempo que leva para uma espaçonave descer da parte superior da atmosfera do planeta até o solo.

Metade de todas as missões anteriores ao planeta vermelho terminou em fracasso.

Então, como os cientistas esperam conseguir desta vez? E o que pretendem investigar?

A primeira missão histórica dos Emirados Árabes Unidos a Marte foi lançada do Japão em julho do ano passado.

E o sucesso da manobra para entrar em sua órbita foi anunciado ao vivo pela televisão e nas redes sociais pelo diretor de projeto da missão, Omran Sharaf, da sala de operações do Centro Espacial Mohamed bin Rashid, em Dubai.

A sonda vai explorar a atmosfera do planeta vermelho, algo que não foi feito em nenhuma missão anterior a Marte.

Em particular, os cientistas acreditam que ela pode contribuir para nossa compreensão de como o planeta perdeu grande parte do seu ar e, com ele, grande parte de sua água.

Ao contrário das missões chinesa e americana, a Hope não pousará em Marte — em vez disso, ficará na órbita do planeta por pelo menos um ano marciano (687 dias).

A expectativa é de que seus dados comecem a chegar à Terra em setembro.

O jornalista Jonathan Amos, correspondente de ciência da BBC, descreveu a missão Hope como um “esforço científico”.

“[É] considerada em grande medida como fonte de inspiração, algo que atrairá mais jovens nos Emirados Árabes e em todo o mundo árabe para estudar ciências na escola e no ensino superior”, afirma.

Apenas os Estados Unidos, a Índia, a antiga União Soviética e a Agência Espacial Europeia chegaram a Marte antes com sucesso.

O feito da Hope coincide com o aniversário de 50 anos da formação dos Emirados Árabes Unidos.

Os arranha-céus e pontos turísticos do país foram iluminados de vermelho à noite, as contas do governo postaram hashtags e imagens alusivas e, no grande dia, o Burj Khalifa de Dubai, a torre mais alta do mundo, será palco de um show comemorativo.

China também quer chegar a Marte

A primeira missão de exploração de Marte da China, chamada “Perguntas ao Céu”, na realidade não pousará dentro dos próximos três meses.

Isso permitirá que os engenheiros avaliem as condições atmosféricas do planeta antes de tentar o que será uma descida perigosa.

Para pousar em Marte, os cientistas devem enfrentar o desafio de reduzir a velocidade de entrada, que é de 20.000 km/h, para praticamente a velocidade com que um ser humano caminha, na hora de “baixar as rodas”.

A China espera aterrissar seu dispositivo de 240 kg em uma planície dentro da bacia de impacto Utopia em maio.

O robô, movido por painéis solares, estudará a geologia da região — na superfície e logo abaixo dela.

Um mastro alto estará equipado com câmeras para tirar fotos e facilitar a navegação. Cinco instrumentos adicionais ajudarão a avaliar a mineralogia das rochas locais e a procurar gelo de água.

Os cientistas chineses gostariam que o robô ficasse em operação por pelo menos 90 dias. Até agora, apenas os americanos conseguiram realizar operações de longa duração em Marte (as missões soviéticas Mars-3 e Beagle-2 da Europa tiveram vida curta).

A Tianwen-1 já enviou sua primeira imagem de Marte à Terra: uma foto em preto e branco que mostra características geológicas como a cratera Schiaparelli e o vale Marineris, uma vasta faixa de cânions na superfície do planeta.

A imagem foi tirada de uma distância de 2,2 milhões de quilômetros de Marte.

A Tianwen-1 não é a primeira tentativa da China de chegar a Marte. Uma missão anterior com a Rússia, em 2011, terminou prematuramente quando o lançamento falhou.

Mas o país está confiante após ter enviado duas missões à Lua.

Com a segunda, no ano passado, a China se tornou o primeiro país a fazer um pouso bem-sucedido no “lado oculto” do satélite.

Nasa volta a Marte

A Perseverance, da Nasa, vai procurar evidências de vida microbiana antiga em Marte.

Ela vai coletar amostras de rochas que podem fornecer pistas valiosas sobre se alguma vez existiu vida no planeta vermelho.

A expectativa é de que o maior e mais sofisticado veículo já enviado para aterrissar em outro planeta pouse em Marte pouco antes das 21h (GMT) de 18 de fevereiro, em uma cratera quase equatorial chamada Jezero.

“Quando os cientistas olham para nosso local de pouso, a cratera de Jezero, eles veem a promessa científica de tudo isso: os restos de um antigo rio que flui para dentro e para fora desta cratera e acreditam que é o lugar para procurar por sinais de vida passada”, diz Allen Chen, o engenheiro que lidera o processo de entrada (na atmosfera), descida e aterrissagem (EDL, na sigla em inglês) da Perseverance.

No entanto, o especialista também vê certos riscos.

Há perigo em todos os lugares. Há um penhasco de 60-80 metros de altura passando pelo centro do nosso local de pouso. Se você olhar para oeste, há crateras das quais o robô não consegue sair, mesmo se pousarmos com êxito em uma delas. E se você olhar a leste, há grandes rochas pelas quais não poderia se mover”, explica ele à BBC.

Por sorte, a Perseverance conta com algumas tecnologias comprovadas que devem garantir que chegue a um ponto seguro na superfície. O dispositivo tem quase o mesmo tamanho de um pequeno SUV (veículo utilitário esportivo) e pesa uma tonelada.

O rover pode se mover de forma autônoma 200 metros por dia, e está equipado com 19 câmeras e dois microfones, com os quais os cientistas esperam gravar os primeiros sons de Marte.

A missão também tentará pilotar um drone que pesa 1,8 kg pela primeira vez em outro mundo.

Apesar das promessas, só descobriremos o verdadeiro alcance das descobertas da Perseverance quando as amostras coletadas no planeta vermelho retornarem à Terra.

Isso acontecerá depois que a missão terminar, daqui a dois anos.

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …