Modelo de isolamento da Suécia contra Covid-19 não deve ser seguido pelo Brasil, opina cientista sueco

Tânia Rêgo / Agência Brasil

Com bilhões de pessoas confinadas no mundo pela quarentena em tempos de coronavírus, a estratégia dissonante adotada pela Suécia tem sido citada por partidários do isolamento vertical no Brasil como um modelo a ser seguido.

Mas na avaliação de um dos principais cientistas suecos, uma série de fatores indica que o isolamento horizontal seria o melhor rumo a ser seguido pelo Brasil.

Único país nórdico a não adotar o isolamento horizontal, a Suécia também já lidera o número de mortos pelo coronavírus na região. “A ciência ainda não tem respostas conclusivas em relação à Covid-19. Mas faço aqui uma suposição: países como o Brasil, que apresentam características como alta densidade populacional e outros fatores de forte impacto para os índices de mortalidade, provavelmente deveriam adotar medidas mais restritivas para a contenção do vírus. E a quarentena é uma delas”, disse em entrevista à RFI Paul Franks, professor de Epidemiologia Genética da Universidade de Lund (sul da Suécia) e professor adjunto da Harvard Chan School of Public Health em Boston (EUA).

Para incredulidade até de determinados setores da comunidade científica sueca, a Suécia permanece em um cenário pré-coronavírus: restaurantes, lojas, shopping centers, creches e escolas do ensino fundamental continuam abertos, embora seja notável a redução do movimento nas ruas.

A maior parte da população segue as orientações do governo sobre distanciamento social, e o isolamento dos idosos é particularmente recomendado. Em grande número de empresas, o trabalho passou a ser realizado de forma remota.

Em termos dos fatores determinantes para as diferentes linhas de atuação no combate à Covid-19, o professor Paul Franks nota, entretanto, que são diversos os contrastes entre Brasil e Suécia – país que tem uma população de apenas dez milhões de habitantes. Ele observa que um dos principais fatores de risco para a disseminação do vírus é a densidade populacional – que na Suécia, ao contrário do Brasil, é extremamente baixa.

“Já em uma cidade como São Paulo, por exemplo, a densidade populacional é significativamente alta, o que pode acarretar taxas de transmissão do vírus também muito altas”, destaca Franks, que foi recentemente listado no ranking mundial do 1% de autores mais citados nas diferentes áreas do conhecimento.

Fator climático

O país escandinavo também apresenta o mais alto índice em toda a Europa de lares habitados por uma só pessoa. Já no Brasil, o elevado número de comunidades carentes – onde famílias inteiras dividem poucos cômodos, e onde há falta de saneamento básico e acesso a água potável – é um fator agravante na luta contra a Covid-19.

“A demografia brasileira difere em alto grau da dinâmica sueca, principalmente em termos da coabitação entre gerações, com um grande número de lares no Brasil em que crianças e idosos dividem o mesmo espaço. Crianças são vetores de propagação do coronavírus, e a coabitação entre gerações também é mais comum na Itália, que apresenta altas taxas de mortalidade entre idosos”, acrescenta Franks.

O professor também destaca o fator climático: embora o impacto do clima sobre a disseminação da Covid-19 ainda seja desconhecido, estudos realizados com outros tipos de coronavírus sugerem que altas temperaturas e umidade relativa podem reduzir a transmissão do vírus.

A Suécia se aproxima do verão, enquanto o Brasil caminha para o inverno”, observa ele. É preciso considerar ainda as diferenças culturais entre Brasil e Suécia, diz o especialista sueco – particularmente no que se refere às atitudes em relação à ciência e à confiança nas autoridades.

“A Suécia, e os países nórdicos em geral, acreditam na ciência e são guiados pelo conhecimento científico. E do ponto de vista civil, são sociedades que possuem altos índices de confiança nas autoridades e que seguem majoritariamente e de forma responsável as orientações estabelecidas por elas”, ressalta Paul Franks.

Outra consideração a ser levada em conta, segundo ele, é o fator genético. Ainda não se sabe em que medida o DNA contribui para a suscetibilidade ao coronavírus, mas a ciência trabalha com a hipótese de que características genéticas podem tornar a contaminação pelo vírus mais ou menos provável.

Em razão destas diferenças estruturais, o cientista sueco pondera que a estratégia sueca de combate ao coronavírus não seria o melhor exemplo a ser seguido pelo Brasil.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Especialista chinês: ascensão da China faz EUA entrarem em pânico e ficarem nervosos

O desenvolvimento econômico e a ascensão do país asiático fazem os EUA ficarem nervosos e entrarem em pânico, mas este medo se origina em seus preconceitos, disse em entrevista à Sputnik um especialista chinês. Li Junru, …

Interação de múons, a nova força da natureza que cientistas acreditam ter descoberto

Desde colar um ímã na porta de uma geladeira até jogar uma bola em uma cesta de basquete, as forças da física funcionam em todos os momentos de nossas vidas. Todas as forças que experimentamos todos …

Receita afirma que "só rico lê" e reforça preconceito de classe brasileiro

A Receita Federal deseja manter o projeto que cobra impostos sobre livros. Através da mesclagem entre PIS e Cofins, a nova CBS (Contribuição sobre bens e serviços), uma espécie de imposto sobre valor agregado, o …

Tribunal europeu dá aval a vacinação obrigatória

Corte de direitos humanos diz que medida pode ser necessária em sociedades democráticas e abre precedente no combate à covid-19. Tribunal julgava ação de famílias tchecas que se recusaram a vacinar os filhos. O Tribunal Europeu …

Covid-19: Governo chinês recompensa quem se vacina distribuindo ovos

Primeiro país afetado pela Covid-19, mas também o primeiro a se recuperar da pandemia, a China ainda encontra dificuldades para convencer sua população a se vacinar contra o coronavírus. O governo em algumas regiões …

Bloomberg revela planos de Biden de cortar orçamento do Pentágono

A administração Biden alegadamente pretende propor ao Pentágono um orçamento menor do que sob a administração Trump, reportou a agência Bloomberg citando três fontes. De acordo com agência, o orçamento será US$ 7 bilhões menor (cerca …

Cientistas revelam ameaça de grande desabamento de plataformas de gelo na Antártida

Novo estudo demonstrou que mais de um terço da área das plataformas de gelo na Antártida pode cair no mar se as temperaturas globais aumentarem em quatro graus, em comparação com o nível pré-industrial. De acordo …

“É como um lindo instrumento”: mais de 2 mil microfones desvendam o mistério o zunido dos beija-flores

O beija-flor faz um agradável zumbido quando paira na frente das flores para se alimentar. Mas só agora ficou claro como suas asas gera o som harmônico enquanto bate suas asas a impressionantes 40 vezes …

Barroso determina que presidente do Senado instale "CPI da covid"

Pedido para criar a comissão foi protocolado no início de fevereiro, mas Rodrigo Pacheco resistia. Colegiado deve apurar irregularidades e pode gerar desgaste ao governo. O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou …

Cientistas descobrem segredo do computador de mais de 2 mil anos

A Máquina de Anticítera permanecia há mais de um século como um dos grandes mistérios do planeta até março desse ano: espécie de primeiro computador da história, o mecanismo com mais de 2 mil anos …