Modelo de isolamento da Suécia contra Covid-19 não deve ser seguido pelo Brasil, opina cientista sueco

Tânia Rêgo / Agência Brasil

Com bilhões de pessoas confinadas no mundo pela quarentena em tempos de coronavírus, a estratégia dissonante adotada pela Suécia tem sido citada por partidários do isolamento vertical no Brasil como um modelo a ser seguido.

Mas na avaliação de um dos principais cientistas suecos, uma série de fatores indica que o isolamento horizontal seria o melhor rumo a ser seguido pelo Brasil.

Único país nórdico a não adotar o isolamento horizontal, a Suécia também já lidera o número de mortos pelo coronavírus na região. “A ciência ainda não tem respostas conclusivas em relação à Covid-19. Mas faço aqui uma suposição: países como o Brasil, que apresentam características como alta densidade populacional e outros fatores de forte impacto para os índices de mortalidade, provavelmente deveriam adotar medidas mais restritivas para a contenção do vírus. E a quarentena é uma delas”, disse em entrevista à RFI Paul Franks, professor de Epidemiologia Genética da Universidade de Lund (sul da Suécia) e professor adjunto da Harvard Chan School of Public Health em Boston (EUA).

Para incredulidade até de determinados setores da comunidade científica sueca, a Suécia permanece em um cenário pré-coronavírus: restaurantes, lojas, shopping centers, creches e escolas do ensino fundamental continuam abertos, embora seja notável a redução do movimento nas ruas.

A maior parte da população segue as orientações do governo sobre distanciamento social, e o isolamento dos idosos é particularmente recomendado. Em grande número de empresas, o trabalho passou a ser realizado de forma remota.

Em termos dos fatores determinantes para as diferentes linhas de atuação no combate à Covid-19, o professor Paul Franks nota, entretanto, que são diversos os contrastes entre Brasil e Suécia – país que tem uma população de apenas dez milhões de habitantes. Ele observa que um dos principais fatores de risco para a disseminação do vírus é a densidade populacional – que na Suécia, ao contrário do Brasil, é extremamente baixa.

“Já em uma cidade como São Paulo, por exemplo, a densidade populacional é significativamente alta, o que pode acarretar taxas de transmissão do vírus também muito altas”, destaca Franks, que foi recentemente listado no ranking mundial do 1% de autores mais citados nas diferentes áreas do conhecimento.

Fator climático

O país escandinavo também apresenta o mais alto índice em toda a Europa de lares habitados por uma só pessoa. Já no Brasil, o elevado número de comunidades carentes – onde famílias inteiras dividem poucos cômodos, e onde há falta de saneamento básico e acesso a água potável – é um fator agravante na luta contra a Covid-19.

“A demografia brasileira difere em alto grau da dinâmica sueca, principalmente em termos da coabitação entre gerações, com um grande número de lares no Brasil em que crianças e idosos dividem o mesmo espaço. Crianças são vetores de propagação do coronavírus, e a coabitação entre gerações também é mais comum na Itália, que apresenta altas taxas de mortalidade entre idosos”, acrescenta Franks.

O professor também destaca o fator climático: embora o impacto do clima sobre a disseminação da Covid-19 ainda seja desconhecido, estudos realizados com outros tipos de coronavírus sugerem que altas temperaturas e umidade relativa podem reduzir a transmissão do vírus.

A Suécia se aproxima do verão, enquanto o Brasil caminha para o inverno”, observa ele. É preciso considerar ainda as diferenças culturais entre Brasil e Suécia, diz o especialista sueco – particularmente no que se refere às atitudes em relação à ciência e à confiança nas autoridades.

“A Suécia, e os países nórdicos em geral, acreditam na ciência e são guiados pelo conhecimento científico. E do ponto de vista civil, são sociedades que possuem altos índices de confiança nas autoridades e que seguem majoritariamente e de forma responsável as orientações estabelecidas por elas”, ressalta Paul Franks.

Outra consideração a ser levada em conta, segundo ele, é o fator genético. Ainda não se sabe em que medida o DNA contribui para a suscetibilidade ao coronavírus, mas a ciência trabalha com a hipótese de que características genéticas podem tornar a contaminação pelo vírus mais ou menos provável.

Em razão destas diferenças estruturais, o cientista sueco pondera que a estratégia sueca de combate ao coronavírus não seria o melhor exemplo a ser seguido pelo Brasil.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …

Vênus tinha oceanos? Cientistas refutam hipótese popular usando modelagem

Cientistas da Suíça e França refutaram a hipótese de que anteriormente Vênus era coberta por oceanos. Um novo estudo revela que mesmo no início, quando o Sol era mais fraco do que agora, a superfície …

Suspeito de ataque na Noruega era fichado na polícia por radicalização

Convertido ao islã e conhecido da polícia, dinamarquês de 37 anos teria usado outras armas além de arco e flecha em ataque que matou cinco pessoas em Kongsberg. Ele está preso e reconheceu envolvimento no …

Oposição manobra para destituir Piñera no Chile por citação nos Pandora Papers

Deputados de todos os partidos da oposição chilena apresentaram uma acusação no Congresso nesta quarta-feira (13) para destituir o presidente Sebastián Piñera pela controversa venda de uma mineradora em um paraíso fiscal, revelada no escândalo …

Fatores externos influenciam, mas não justificam inflação a dois dígitos no Brasil

A recuperação do impacto brutal da pandemia de coronavírus leva a inflação a subir na maioria dos países do mundo, mas a conjuntura internacional não explica o nível chegar a dois dígitos no Brasil. …

UE anuncia 1 bilhão de euros em ajuda ao Afeganistão

União Europeia justifica que é preciso evitar "colapso" no país e fornecer ajuda humanitária aos afegãos. Paralelamente, representantes do bloco europeu e dos EUA se reúnem com membros do Talibã em Doha, no Catar. O Talibã …