Neurocientista explica efeito “câmara lenta” relatado por pessoas em situações extremas

“Tive um acidente de carro e vi tudo acontecer em câmara lenta. Vi o espelho retrovisor cair, a expressão no rosto do outro motorista e o carro sendo esmagado.” Relatos como este são comuns durante palestras do neurocientista David Eagleman, que explicou à BBC suas experiências sobre o “efeito câmara lenta” e as conclusões.

“O meu interesse pelo tempo e pela passagem do tempo surgiu porque, quando tinha oito anos, caí do telhado de uma casa em construção. E a queda pareceu demorar muito tempo”, conta Eagleman.

“Primeiro pensei: será que consigo me segurar no telhado, será que consigo virar o meu corpo, será que tenho tempo para isso? Pensei no livro Alice no País das Maravilhas, e em como devia ter sido parecido para ela, quando caiu no buraco do coelho. Finalmente, caí no chão e perdi a consciência”, conta o cientista.

Anos mais tarde, Eagleman estudou física e conseguiu calcular quanto tempo durou sua queda. “Descobri que demorou apenas uma fração de segundo, oito décimos de um segundo. Fiquei realmente surpreendido”.

Depois, David Eagleman estudou neurociência e, hoje, dedica grande parte das suas pesquisas à percepção do tempo. Uma pista importante, diz o especialista, é que essas distorções na percepção do tempo ocorrem quando as pessoas vivem situações extremas, momentos marcantes, que podem mudar suas vidas.

A experiência

Eagleman explica que queria investigar o seguinte: a sensação de “câmara lenta” acontece porque o tempo está mesmo passando mais lentamente ou porque a pessoa está criando mais memórias durante o episódio?

Para saber a resposta, o cientista levou sua equipe para um parque de diversões. O seu objetivo era encontrar um carrossel tão assustador que fosse capaz de produzir, em voluntários, uma distorção na percepção do tempo.

A atividade selecionada foi o “SCAD Diving”, um tipo de mergulho no ar. Os participantes sobem de elevador para o topo de uma torre com cerca de 45 metros de altura e, depois de serem presos com um gancho e uma corda, são libertados e caem de costas, em queda livre, para uma rede.

Para saber se os voluntários estavam sentindo o efeito “câmara lenta” durante a queda, Eagleman colocou no pulso dos participantes um monitor que piscava com números diferentes e a velocidades diferentes – o objetivo era saber com que rapidez a pessoa estava vendo o mundo.

“Se alguém está vendo o mundo em câmara lenta, como o Neo no filme Matrix, será capaz de ler os números do monitor sem dificuldade. Mas, se está vendo o mundo a uma velocidade normal, não vai conseguir ler as imagens no aparelho porque estão passando rápido demais”, afirmou.

Conclusões

No entanto, Eagleman ficou desiludido ao analisar os relatos sobre o que os participantes tinham conseguido ler nos monitores de pulso durante suas quedas.

“Fizemos muitas análises sobre isso e eu esperava que a resposta fosse sim, mas não foi. As pessoas não estavam realmente vendo em câmara lenta, não conseguiam ler mais rapidamente do que liam quando fizemos testes no solo”, disse.

Em vez disso, o que acontece é que, durante uma queda, ou um evento que coloca a nossa vida em risco, uma certa área do cérebro entra em ação, explica o cientista: a amígdala.

Essas pequenas estruturas em forma de amêndoa – são duas, situadas no interior do cérebro, na região temporal, dos dois lados da cabeça – são fundamentais para a autopreservação. Identificam o perigo, gerando medo e ansiedade e pondo a pessoa em situação de alerta, pronta para fugir ou lutar.

“A amígdala é, basicamente, um sistema secundário de memória que forma outra camada de memórias. Então, a pessoa está formando uma quantidade tão grande de memórias que, quando resgata toda aquela informação, tem a impressão de que aquele episódio demorou muito tempo”, diz Eagleman.

É apenas um truque da memória. A nossa noção de tempo está vinculada à nossa memória”, destacou.

BBC // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Atmosfera da Terra primitiva pode ter sido tão tóxica quanto a de Vênus hoje

Pesquisadores tentaram reproduzir o equilíbrio delicado entre os gases que evaporaram do oceano de magma e a atmosfera que eles podem ter criado, e descobriram que esta seria fina e composta por dióxido de carbono …

Enorme monolito misterioso descoberto no deserto de Utah

Uma ocorrência totalmente comum. Você está em um helicóptero sobrevoando uma região remota do sul de Utah contanto cabras e bodes selvagens, quando de repente avista um monolito inexplicável saindo do solo. A KSL TV, relatou …

Funcionário de funerária é demitido após tirar selfie com corpo de Maradona

Foi demitido o funcionário da funerária responsável pelo velório do ex-jogador Diego Armando Maradona que tirou uma foto ao lado do caixão com o corpo do astro, enterrado nesta quinta-feira, dia 26, na Grande Buenos …

Museu de Londres reunirá relatos de sonhos de britânicos na pandemia

Projeto visa documentar mudanças no sono causadas pelo confinamento e pela crise gerada com a covid-19, além de coletar narrativas sobre o período para gerações futuras. Mudanças no sono aparentemente têm sido comuns durante a pandemia …

'O Gambito da Rainha': série da Netflix ignora sexismo no xadrez, diz ex-campeã

Existem várias cenas comoventes em O Gambito da Rainha, a série da Netflix que conta a história fictícia de Beth Harman, uma jovem prodígio do xadrez da década de 1960. Em uma delas, um jogador experiente …

Detectada "partícula fantasma" no Sol que confirma teoria da década de 1930

Uma equipe internacional de cientistas conseguiu, pela primeira vez, detectar diretamente a presença do ciclo carbono-nitrogênio-oxigênio (CNO) na fusão nuclear do Sol. Este ciclo representa uma das reações de fusão pelas quais as estrelas convertem hidrogênio …

Musk acertou? Tesla se aproxima dos US$ 500 bilhões de valor de mercado

Nesta segunda-feira (23), a Tesla atingiu o valor de mercado de US$ 498 bilhões. E isso em um momento em que não se sabe se a empresa vai conseguir atingir a sua meta de entregar …

Papai Noel é considerado 'trabalhador essencial' na Irlanda

Na mesma semana em que novas restrições de viagem foram colocadas em prática no Reino Unido e na Irlanda diante dos estragos causados pela segunda onda da pandemia de covid-19 na Europa, a Irlanda fez …

Especialistas da ONU advertem sobre viés racista em algoritmos

Os países devem fazer mais para combater o racismo, principalmente nos algoritmos de inteligência artificial utilizados para reconhecimento facial e controles policiais. Essas ferramentas podem reforçar discriminações, alertam especialistas da ONU. Segundo a especialista jamaicana …

Estudo de dentes de megalodonte revela segredos do tubarão de 18 metros

Especialistas em tubarões revelaram mais informações sobre um dos maiores predadores dos mares – o megalodonte. Nova pesquisa de dentes fossilizados da espécie Odotus megalodons, chamada também de megalodonte, sugere que os tubarões fêmeas desta espécie …