Neurocientista explica efeito “câmara lenta” relatado por pessoas em situações extremas

“Tive um acidente de carro e vi tudo acontecer em câmara lenta. Vi o espelho retrovisor cair, a expressão no rosto do outro motorista e o carro sendo esmagado.” Relatos como este são comuns durante palestras do neurocientista David Eagleman, que explicou à BBC suas experiências sobre o “efeito câmara lenta” e as conclusões.

“O meu interesse pelo tempo e pela passagem do tempo surgiu porque, quando tinha oito anos, caí do telhado de uma casa em construção. E a queda pareceu demorar muito tempo”, conta Eagleman.

“Primeiro pensei: será que consigo me segurar no telhado, será que consigo virar o meu corpo, será que tenho tempo para isso? Pensei no livro Alice no País das Maravilhas, e em como devia ter sido parecido para ela, quando caiu no buraco do coelho. Finalmente, caí no chão e perdi a consciência”, conta o cientista.

Anos mais tarde, Eagleman estudou física e conseguiu calcular quanto tempo durou sua queda. “Descobri que demorou apenas uma fração de segundo, oito décimos de um segundo. Fiquei realmente surpreendido”.

Depois, David Eagleman estudou neurociência e, hoje, dedica grande parte das suas pesquisas à percepção do tempo. Uma pista importante, diz o especialista, é que essas distorções na percepção do tempo ocorrem quando as pessoas vivem situações extremas, momentos marcantes, que podem mudar suas vidas.

A experiência

Eagleman explica que queria investigar o seguinte: a sensação de “câmara lenta” acontece porque o tempo está mesmo passando mais lentamente ou porque a pessoa está criando mais memórias durante o episódio?

Para saber a resposta, o cientista levou sua equipe para um parque de diversões. O seu objetivo era encontrar um carrossel tão assustador que fosse capaz de produzir, em voluntários, uma distorção na percepção do tempo.

A atividade selecionada foi o “SCAD Diving”, um tipo de mergulho no ar. Os participantes sobem de elevador para o topo de uma torre com cerca de 45 metros de altura e, depois de serem presos com um gancho e uma corda, são libertados e caem de costas, em queda livre, para uma rede.

Para saber se os voluntários estavam sentindo o efeito “câmara lenta” durante a queda, Eagleman colocou no pulso dos participantes um monitor que piscava com números diferentes e a velocidades diferentes – o objetivo era saber com que rapidez a pessoa estava vendo o mundo.

“Se alguém está vendo o mundo em câmara lenta, como o Neo no filme Matrix, será capaz de ler os números do monitor sem dificuldade. Mas, se está vendo o mundo a uma velocidade normal, não vai conseguir ler as imagens no aparelho porque estão passando rápido demais”, afirmou.

Conclusões

No entanto, Eagleman ficou desiludido ao analisar os relatos sobre o que os participantes tinham conseguido ler nos monitores de pulso durante suas quedas.

“Fizemos muitas análises sobre isso e eu esperava que a resposta fosse sim, mas não foi. As pessoas não estavam realmente vendo em câmara lenta, não conseguiam ler mais rapidamente do que liam quando fizemos testes no solo”, disse.

Em vez disso, o que acontece é que, durante uma queda, ou um evento que coloca a nossa vida em risco, uma certa área do cérebro entra em ação, explica o cientista: a amígdala.

Essas pequenas estruturas em forma de amêndoa – são duas, situadas no interior do cérebro, na região temporal, dos dois lados da cabeça – são fundamentais para a autopreservação. Identificam o perigo, gerando medo e ansiedade e pondo a pessoa em situação de alerta, pronta para fugir ou lutar.

“A amígdala é, basicamente, um sistema secundário de memória que forma outra camada de memórias. Então, a pessoa está formando uma quantidade tão grande de memórias que, quando resgata toda aquela informação, tem a impressão de que aquele episódio demorou muito tempo”, diz Eagleman.

É apenas um truque da memória. A nossa noção de tempo está vinculada à nossa memória”, destacou.

BBC // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Opositor belarusso é achado morto na Ucrânia

Ativista Vitaly Shishov ajudava compatriotas a fugir da perseguição do regime de Alexander Lukashenko, considerado o último ditador da Europa. Polícia investiga possível assassinato encenado como suicídio. Um ativista de Belarus foi encontrado morto nesta terça-feira …

Polônia concede visto humanitário a atleta olímpica e alimenta tensões com Belarus

A Polônia concedeu nesta segunda-feira (2) um visto humanitário para a atleta olímpica bielorrussa Krystsina Tsimanuskaya. A jovem afirma que estava sendo obrigada a deixar o Japão após ter criticado sua equipe e temia …

EUA e Reino Unido teriam dado 'luz verde' a Israel para retaliar Irã após ataque a petroleiro

Irã rejeitou o envolvimento do país no ataque contra o petroleiro Mercer Street no mar Arábico que ocorreu na quinta-feira (29), condenando as acusações lançadas pelo governo israelense. Tel Aviv teria recebido "luz verde" de Washington …

Incêndios causam mortes e devastação no sul da Europa

A União Europeia EU) enviou ajuda para a Turquia nesta segunda-feira (02/08), e voluntários se juntaram a bombeiros na luta contra fortes incêndios que já duram seis dias e mataram oito pessoas no país. Em …

Golpe militar em Mianmar completa seis meses e já resultou em quase mil mortes de civis

Aterrorizados pela repressão da junta militar e pela propagação do coronavírus, poucos birmaneses se atreviam a ir às ruas para protestar neste domingo (1º), quando completam-se seis meses do golpe de Estado que mergulhou …

Governo italiano vende casas a 2 euros na região da Sicília

Mais uma vez o governo italiano está vendendo casas em áreas rurais da Itália, após o sucesso da campanha para repovoamento de áreas abandonadas. Além de promover a ocupação por meio de incentivos para jovens e …

Bolsonaro admite não ter provas de fraudes eleitorais

Em live para a qual convocou veículos de imprensa, Bolsonaro exibiu uma série de teorias falsas, cálculos equivocados e vídeos antigos, já verificados e desmentidos, mas que ainda circulam na internet, como supostas evidências de …

A incrível civilização antiga que mumificava os mortos 2 mil anos antes dos egípcios

"As mais antigas evidências arqueológicas conhecidas de mumificação artificial de corpos", segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), estão presentes na América do Sul, na costa árida …

Delta pode causar covid-19 mais grave, alerta agência americana

Documento interno do órgão de prevenção de doenças dos EUA indica que a variante delta do coronavírus é tão contagiosa quanto a catapora e pode ser transmitida mesmo por indivíduos vacinados. "A guerra mudou", diz …

Vendas de vacinas anticovid impulsionam lucros de laboratórios

A empresa farmacêutica AstraZeneca anunciou nesta quinta-feira (28) que as vendas de sua vacina contra a Covid-19 alcançaram US $ 1,17 bilhão no primeiro semestre do ano. Este número corresponde à entrega de aproximadamente …