Neurocientista explica efeito “câmara lenta” relatado por pessoas em situações extremas

“Tive um acidente de carro e vi tudo acontecer em câmara lenta. Vi o espelho retrovisor cair, a expressão no rosto do outro motorista e o carro sendo esmagado.” Relatos como este são comuns durante palestras do neurocientista David Eagleman, que explicou à BBC suas experiências sobre o “efeito câmara lenta” e as conclusões.

“O meu interesse pelo tempo e pela passagem do tempo surgiu porque, quando tinha oito anos, caí do telhado de uma casa em construção. E a queda pareceu demorar muito tempo”, conta Eagleman.

“Primeiro pensei: será que consigo me segurar no telhado, será que consigo virar o meu corpo, será que tenho tempo para isso? Pensei no livro Alice no País das Maravilhas, e em como devia ter sido parecido para ela, quando caiu no buraco do coelho. Finalmente, caí no chão e perdi a consciência”, conta o cientista.

Anos mais tarde, Eagleman estudou física e conseguiu calcular quanto tempo durou sua queda. “Descobri que demorou apenas uma fração de segundo, oito décimos de um segundo. Fiquei realmente surpreendido”.

Depois, David Eagleman estudou neurociência e, hoje, dedica grande parte das suas pesquisas à percepção do tempo. Uma pista importante, diz o especialista, é que essas distorções na percepção do tempo ocorrem quando as pessoas vivem situações extremas, momentos marcantes, que podem mudar suas vidas.

A experiência

Eagleman explica que queria investigar o seguinte: a sensação de “câmara lenta” acontece porque o tempo está mesmo passando mais lentamente ou porque a pessoa está criando mais memórias durante o episódio?

Para saber a resposta, o cientista levou sua equipe para um parque de diversões. O seu objetivo era encontrar um carrossel tão assustador que fosse capaz de produzir, em voluntários, uma distorção na percepção do tempo.

A atividade selecionada foi o “SCAD Diving”, um tipo de mergulho no ar. Os participantes sobem de elevador para o topo de uma torre com cerca de 45 metros de altura e, depois de serem presos com um gancho e uma corda, são libertados e caem de costas, em queda livre, para uma rede.

Para saber se os voluntários estavam sentindo o efeito “câmara lenta” durante a queda, Eagleman colocou no pulso dos participantes um monitor que piscava com números diferentes e a velocidades diferentes – o objetivo era saber com que rapidez a pessoa estava vendo o mundo.

“Se alguém está vendo o mundo em câmara lenta, como o Neo no filme Matrix, será capaz de ler os números do monitor sem dificuldade. Mas, se está vendo o mundo a uma velocidade normal, não vai conseguir ler as imagens no aparelho porque estão passando rápido demais”, afirmou.

Conclusões

No entanto, Eagleman ficou desiludido ao analisar os relatos sobre o que os participantes tinham conseguido ler nos monitores de pulso durante suas quedas.

“Fizemos muitas análises sobre isso e eu esperava que a resposta fosse sim, mas não foi. As pessoas não estavam realmente vendo em câmara lenta, não conseguiam ler mais rapidamente do que liam quando fizemos testes no solo”, disse.

Em vez disso, o que acontece é que, durante uma queda, ou um evento que coloca a nossa vida em risco, uma certa área do cérebro entra em ação, explica o cientista: a amígdala.

Essas pequenas estruturas em forma de amêndoa – são duas, situadas no interior do cérebro, na região temporal, dos dois lados da cabeça – são fundamentais para a autopreservação. Identificam o perigo, gerando medo e ansiedade e pondo a pessoa em situação de alerta, pronta para fugir ou lutar.

“A amígdala é, basicamente, um sistema secundário de memória que forma outra camada de memórias. Então, a pessoa está formando uma quantidade tão grande de memórias que, quando resgata toda aquela informação, tem a impressão de que aquele episódio demorou muito tempo”, diz Eagleman.

É apenas um truque da memória. A nossa noção de tempo está vinculada à nossa memória”, destacou.

BBC // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Ex-funcionários do McDonald's revelam "estratégia de espionagem" da rede de fast-food

A revista Vice analisou testemunhos de supostos trabalhadores anônimos do McDonald's que tinham conhecimento direto da vigilância, e vazou documentos que explicam as táticas de espionagem. Uma equipe de analistas de inteligência da cadeia de fast-food …

Bolsonaro usa pesquisa alemã distorcida para criticar uso de máscaras

O presidente Jair Bolsonaro usou sua live de quinta-feira (26/02) para mais uma vez desestimular o uso de máscaras contra a covid-19. No mesmo dia em que o Brasil registrou a segunda pior marca de mortes …

Cientistas congelam sêmen de corais para tentar salvar espécie da extinção no Brasil

Estima-se que até 50% dos recifes de corais já desapareceram dos oceanos. A previsão para o futuro também não é animadora: uma projeção da Unesco apontou que, caso as mudanças climáticas não sejam revertidas, eles …

Esqueletos descobertos podem revelar a história do mais rico pirata da historia, morto há 300 anos

No início do século XVIII, quem mandava nos mares sem lei do Caribe, da América Central e da América do Norte era o grande pirata inglês Samuel Bellamy, imortalizado pelo apelido de “Black Sam”. Um dos …

Biden isola príncipe saudita, provável alvo de relatório da CIA sobre morte de jornalista

O presidente americano, Joe Biden, falou pela primeira vez por telefone nesta quinta-feira (25) com o rei Salman, da Arábia Saudita, na iminência da publicação de um aguardado relatório de inteligência sobre o assassinato …

O estudo que vacinará uma cidade inteira com a Coronavac

Serrana (SP), com 45 mil habitantes, se torna um dos laboratórios mundiais para analisar o coronavírus. Instituto Butantan quer avaliar impacto da imunização em massa na transmissão da covid-19. Wuhan é a cidade onde a pandemia …

Investigação revela terras protegidas da Amazônia à venda no Facebook

Pessoas que invadem e desmatam ilegalmente trechos da Floresta Amazônica estão anunciando as áreas no Facebook em busca de compradores. Uma investigação da BBC encontrou na plataforma dezenas de anúncios em que vendedores negociam pedaços da …

Primeiro ataque militar da era Biden mata pelo menos 17 no leste da Síria

Os Estados Unidos atacaram, nesta quinta-feira (25), infraestruturas utilizadas pelas milícias pro-iranianas no nordeste da Síria, deixando 17 mortos. Esta é a primeira operação militar organizada pelo governo de Joe Biden. A ação é …

Tiranossauros jovens impediram o desenvolvimento de espécies menores, diz estudo

A pesquisa demonstrou que grandes dinossauros, como o T-rex, que cresceram de um pequeno tamanho até se tornarem criaturas enormes, modificaram seus ecossistemas ao competirem com espécies rivais menores. Um estudo publicado nesta sexta-feira (26), no …

UE quer passaporte para vacinados até meio do ano

A União Europeia quer estabelecer um sistema de passaportes para vacinados contra covid-19 ainda antes de suas férias de verão, no meio do ano. O setor turístico é fundamental para várias economias do bloco, sobretudo …