O universo contém ao menos dez vezes mais galáxias do que pensávamos

ICRAR

Usando dados das agências espaciais americana NASA e europeia ESA, astrônomos realizaram um censo preciso do número de galáxias no universo observável, concluindo surpreendentemente que existem pelo menos dez vezes mais do que pensávamos.

Os resultados têm implicações claras para a nossa compreensão da formação de galáxias, e também ajudam a resolver um antigo mistério astronômico: por que o céu é escuro à noite?

Imagens do Hubble Deep Field, capturadas pelo telescópio Hubble em meados de 1990, deram a primeira visão sobre quantas galáxias haviam no universo. Estimou-se que o número era de cerca de 100 bilhões.

Agora, uma equipe internacional liderada por Christopher Conselice, da Universidade de Nottingham, no Reino Unido, demonstrou que este número pode ser pelo menos dez vezes maior.

Conselice e sua equipe chegaram a esta conclusão utilizando imagens do Hubble, dados de trabalhos anteriores dos pesquisadores e outros dados publicados. Eles meticulosamente converteram as imagens em 3D, a fim de fazer medições precisas do número de galáxias em diferentes épocas da história do universo.

Além disso, eles usaram novos modelos matemáticos que lhes permitiram inferir a existência de galáxias que a atual geração de telescópios não pode observar. Isto levou à surpreendente conclusão de que cerca de 90% das galáxias no universo observável são realmente muito fracas e estão longe demais para serem vistas.

Galáxias fracas

Ao analisar os dados, a equipe estudou galáxias mais de 13 bilhões de anos no passado. Isto lhes mostrou que elas não são distribuídas uniformemente ao longo da história do universo.

Na verdade, parece que houve um fator de mais dez galáxias por unidade de volume quando o universo tinha apenas alguns bilhões de anos em comparação com hoje. A maioria destas galáxias eram relativamente pequenas e fracas, com massas semelhantes às de galáxias satélites em torno da Via Láctea.

Hubble / NASA, ESA

Os astrônomos usaram dados dos observatórios GOODS para recalcular o número total de galáxias do Unievrso

Os astrônomos usaram dados dos observatórios GOODS para recalcular o número total de galáxias do Unievrso

Estes resultados são uma poderosa evidência de que uma evolução significativa ocorreu ao longo da história do universo, durante a qual as galáxias se fundiram, reduzindo drasticamente o seu número total.

Por que a noite é escura

A diminuição do número de galáxias também contribui para a solução do paradoxo de Olbers, ou paradoxo da noite escura, sobre por que o céu é escuro à noite.

A equipe chegou à conclusão de que há tal abundância de galáxias que, em princípio, cada ponto no céu contém parte de uma galáxia.

No entanto, a maioria destas galáxias são invisíveis para o olho humano e até para os telescópios modernos, devido a uma combinação de fatores: o desvio para o vermelho de luz, a natureza dinâmica do universo e a absorção de luz pela poeira intergaláctica e gás, que combinam-se para garantir que o céu noturno permaneça predominantemente escuro.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Com popularidade em queda, premiê britânico Boris Johnson reforma equipe de governo

Após semanas de boatos, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, decidiu modificar o governo nesta quarta-feira para formar uma "equipe unida" e enfrentar os desafios depois de um ano e meio de pandemia e em …

Relatório lista mais de uma dezena de crimes atribuídos a Bolsonaro

Um grupo de juristas liderados pelo ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior entregou nesta terça-feira (14/09) à CPI da Pandemia um relatório de 226 páginas com possíveis crimes cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro durante a …

Simulação virtual mais realista de sempre do Universo é revelada

Um dos aspectos mais incríveis da simulação é que mostra a evolução da matéria durante praticamente os 13,8 bilhões de anos de história do Universo, desde o Big Bang até a atualidade. Uma equipe internacional de …

Asteroide que dizimou dinossauros determinou sucesso das cobras, aponta estudo

As cobras devem seu sucesso na Terra, em parte, ao asteroide que atingiu o planeta há 66 milhões de anos e levou à extinção dos dinossauros, de acordo com um estudo publicado nesta terça-feira (14/9) …

“Abandonados pelo resto do mundo”: África vacinou apenas cerca de 3% da população contra a Covid

As autoridades alertam para os baixos índices de vacinação contra a Covid-19 no continente africano. Segundo dados divulgados nesta terça-feira, cerca de 3,5% da população foi totalmente imunizada contra o coronavírus. O balanço foi anunciado …

Europeus aprovam Merkel e confiam na liderança da Alemanha

Os europeus têm alta estima pela chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, e aprovam o estilo de liderança dela, baseado na busca de consensos, mostra uma pesquisa do Conselho Europeu de Relações Exteriores (ECFR, na …

Mudanças climáticas: número de dias com calor acima de 50ºC no mundo dobrou em 40 anos

O número de dias extremamente quentes, quando a temperatura passa de 50°C, registrados a cada ano dobrou desde a década de 1980. Essa foi a conclusão de um estudo realizado pela BBC, que apontou também que …

Cofundador da Apple está criando sua própria empresa espacial privada

Steve Wozniak, cofundador da Apple, ao lado de Alex Fielding, fundador da Ripcord, estão lançando a empresa Privateer Space, que irá atuar no setor espacial. Se a descrição do negócio parece vaga, é porque a novidade …

Guia para apostas de sucesso no futebol

Toda semana, há milhares de jogos de futebol e mercados para apostar no Brasil. As casas de apostas como a Betsson fornecerão apostas sobre a probabilidade de resultados e eventos específicos da partida, como o número …

China pede aos EUA que "interrompam todos os intercâmbios oficiais" com Taiwan

Em agosto, o Ministério das Relações Exteriores da China anunciou a retirada do embaixador chinês da Lituânia e culpou a decisão lituana de permitir que Taipé abrisse um escritório de representação sob o nome de …