Para imprensa europeia, cloroquina se tornou “arma política” no Brasil

Simone Venezia / EPA

A imprensa europeia demonstra surpresa e preocupação com a decisão do governo brasileiro de ampliar o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina para o tratamento de doentes com sintomas leves do coronavírus no SUS.

Sites de notícias e jornais destacam o assunto nesta quinta-feira (21), afirmando que o medicamento se tornou uma arma política de Bolsonaro.

O Brasil de Jair Bolsonaro aposta na cloroquina” é o título da matéria publicada no site do canal de TV francês France 24.

O texto destaca que a decisão do Ministério da Saúde se deve às “semanas de pressão do presidente, que considera milagroso o medicamento”.

A matéria lembra que o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina – cujos efeitos até hoje não foram cientificamente provados – foi o que motivou a renúncia de Nelson Teich do Ministério da Saúde na última sexta-feira (15), “o segundo ministro a deixar a pasta em menos de um mês”, ressalta France 24.

“Os populistas fãs da cloroquina” diz uma das manchetes do jornal francês Le Parisien desta quinta-feira, destacando que, além de Bolsonaro, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Rússia, Vladimir Putin, também defendem o uso da droga antimalária contra o coronavírus. “Três homens na liderança de países castigados pelo vírus. Com a cloroquina como uma boia de salvamento”, publica o diário.

“Mas o que eles têm todos com a cloroquina?“, questiona Le Parisien. Entrevistado pelo jornal, Gaspard Estrada, diretor-executivo do Observatório Político da América Latina e do Caribe, afirma que “Jair Bolsonaro luta por sua sobrevivência política e procura se afastar de toda consideração científica para fazer valer sua ação contra a epidemia”.

Já a cientista política Nicole Bacharan diz que “os populistas estão na busca permanente de soluções simples”.

Autorização de cloroquina é “vitória” de Bolsonaro

No resto da Europa, a decisão do governo brasileiro também tem forte repercussão.

O jornal português Público acredita que a aprovação do novo protocolo de tratamento contra o coronavírus “é uma vitória de Bolsonaro”, em uma queda de braço “que dura quase desde o início da pandemia da Covid-19 no Brasil e que esteve na origem das demissões de dois ministros da Saúde”.

A matéria destaca que, após o anúncio do Ministério da Saúde, Bolsonaro comemorou, dizendo que “ainda não há comprovação científica” do uso da cloroquina contra o coronavírus, mas, segundo ele, o Brasil está em guerra e “pior do que ser derrotado é a vergonha de não ter lutado”, escreveu.

Para o jornal português, o uso do medicamento se tornou “uma arma política no Brasil, onde a pandemia progride de forma descontrolada”.

O diário também destaca que, apesar dos mais de mil mortos na terça-feira, o presidente apareceu sorridente e fez uma piada em uma live nas redes sociais, dizendo que “quem é de direita toma cloroquina, quem é de esquerda toma tubaína”.

“Não há provas”

O jornal britânico The Guardian ressalta que estudos mostraram que a droga não é eficaz contra a doença e pode ter efeitos colaterais graves em alguns casos. O correspondente do diário no Brasil entrevistou Ana Ribeiro, coordenadora do serviço de epidemiologia do hospital Emílio Ribas, em São Paulo. “Não há provas. Estão dizendo que a cloroquina funciona, mas eles não mostram nenhum resultado”, declarou.

“O Brasil se move às cegas diante da velocidade da epidemia” é manchete do jornal espanhol El País. A matéria afirma que dados oficiais mostram que “dezenove a cada vinte contágios não são contabilizados na nação mais populosa da América Latina”.

Utilizando o método da London School of Hygiene and Tropical Medicine e se baseando nas informações indicadas pelo Ministério da Saúde do Brasil no último sábado (16), o diário afirma que o número de contagiados no país seria de 3,7 milhões de pessoas e não 233.142 como indicou o governo neste dia.

El País também publica gráficos sobre a evolução da doença no Brasil e analisa a situação das cidades brasileiras mais afetadas pela Covid-19, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Fortaleza, São Luís e Manaus.

Segundo o jornal, dois meses após as medidas de quarentena terem sido implementadas no país, “políticos, autoridades sanitárias e investigadores agem às cegas” e quase 18 mil pessoas já morreram, “um número muito subestimado”.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

'Síndrome de Havana': lesão cerebral atinge ao menos 130 diplomatas e oficiais americanos, dizem EUA

Diplomatas, agentes da CIA e oficiais de defesa dos EUA relataram sintomas graves da perturbação conhecida como "síndrome de Havana" nas últimas semanas. O elevado número de casos causa espanto. Nas últimas semanas, foram relatados mais …

RJ comunica 1º caso de raiva em cachorro em quase três décadas

Pela primeira vez desde 1995, o Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp) do Rio de Janeiro diagnosticou um caso de raiva animal. A descoberta parte do resultado de perícia no corpo de um cão morto …

O que dizem cientistas sobre isenção de máscaras para vacinados nos EUA

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira (13/05) o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção na maioria das situações para pessoas que já foram completamente vacinadas contra a covid-19. Segundo a nova orientação do …

Putin: Rússia reagirá de maneira devida às ameaças perto de suas fronteiras

Durante reunião com membros do Conselho de Segurança da Rússia nesta sexta-feira (14), o presidente da Rússia pediu que lhe fosse reportado sobre o agravamento do conflito israelo-palestino, que toca diretamente os interesses de segurança …

Covid: 16 mil pessoas foram imunizadas com doses de vacina trocadas no Brasil

Um levantamento de dados da Folha de São Paulo com informações do DataSUS, base de dados do Ministério da Saúde, mostrou que pelo menos 16 mil pessoas receberam doses de vacinas diferentes em seu processo …

Covid-19: diretor do Butantan prevê vacinação lenta até setembro no Brasil

Como diretor do Instituto Butantan desde 2017, Dimas Covas sempre precisou aliar o conhecimento técnico e científico com as particularidades do mundo político que, na visão dele, não parecem seguir uma lógica. E essa necessidade se …

Escalada de violência entre israelitas e palestinianos já fez mais de 100 mortos

O conflito entre israelitas e palestinianos subiu de tom na madrugada de hoje, com o Exército israelita a bombardear a faixa de Gaza. Desde segunda-feira já morreram 119 palestinianos nestes ataques, entre eles 31 …

Maduro diz estar disposto a negociar com oposição

Declaração é feita após líder oposicionista Juan Guaidó propor diálogo mediado por comunidade internacional. Noruega já estaria em contato com regime e oposição. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta quarta-feira (12/05) que está disposto …

CPI da Covid ouve Pfizer para entender como Brasil foi para o 'fim da fila' das vacinas

O depoimento do comando da farmacêutica Pfizer na sessão desta quinta-feira (13/5) da CPI da Covid tem o objetivo de esclarecer as circunstâncias da recusa do governo Bolsonaro à compra de vacinas da empresa, ainda …

Google é multado pela Itália em mais de € 100 milhões

A Autoridade Garantidora da Concorrência e do Mercado da Itália multou a Google por abuso de posição dominante no mercado, acusando-a de restrições do aplicativo Enel X no sistema Android Auto. A Autoridade Garantidora da Concorrência …