Misterioso primata extinto é descoberto em túmulo milenar de nobre chinesa

lucianosilva / Flickr

Os gibões estão atualmente em risco de extinção devido à atividade humana

Um túmulo com cerca de 2300 anos, que pode ter pertencido à avó de Qin Shihuang, o primeiro imperador da China, escondia um tesouro mais valioso do que toneladas de ouro: uma nova espécie de gibão.

Em 2004, foi escavado um túmulo na província de Shaanxi que poderia ter pertencido à avó de Qin Shihuang, o primeiro imperador da China. Além de vestígios de diversos objetos domésticos, o túmulo continha restos de um lince, um leopardo, um urso-negro-asiático e, para surpresa dos arqueólogos, restos do esqueleto de um misterioso símio.

Uma análise detalhada à parte do crânio encontrada no túmulo, a medição de seus dentes e depois de realizadas comparações com pequenos símios atuais, os cientistas perceberam que se tratava de um novo gênero e espécie de gibão, a que deram o nome de Junzi imperialis.

O crânio pode conter DNA, no entanto, as autoridades chinesas não permitiram que a equipe de cientistas tirasse amostras do osso. Mas isso poderia ter ajudado a determinar os parentes mais próximos da nova espécie.

Os gibões são pequenos símios que habitam as florestas tropicais do sudoeste asiático. Segundo o Público, no tempo em que o Junzi imperialis viveu, os gibões eram animais de estimação com um elevado estatuto na China.

(dv)

Os restos encontrados correspondem a um novo gênero e espécie de gibão, o Junzi imperialis.

“Os gibões foram considerados culturalmente importantes ao longo da história da China”, lê-se no artigo científico, publicado nesta sexta-feira (22) na revista Science. Aliás, Junzi é a palavra chinesa para funcionário escolar, que era associado aos gibões por estes animais serem considerados mais sábios e nobres que os outros símios.

No entanto, esse estatuto não lhe valeu a sobrevivência, e o Junzi imperialis não conseguiu chegar aos dias de hoje. A espécie teria sobrevivido, segundo os cientistas, até há poucas centenas de anos e não se sabe com foi extinta. No entanto, é muito provável que tenhamos sido nós os culpados.

“Todos os símios do mundo estão atualmente ameaçados de extinção devido às atividades humanas, mas nenhuma espécie de símio foi considerada extinta como resultado da caça ou da perda de habitat. No entanto, a descoberta da recente extinção do Junzi muda tudo isso e realça em particular a vulnerabilidade dos gibões”, disse Samuel Turvey, da Sociedade Zoológica de Londres e autor do trabalho.

E o estudo sustenta: “nossa caracterização do Junzi imperialis sugere que a perda de diversidade dos primatas causada pelos humanos no passado deverá estar subestimada, o que tem implicações importantes para a compreensão das vulnerabilidades de extinção e de informações de conservação”.

A equipe acredita que o Junzi é o representante de todas as outras espécies extintas que não são conhecidas. Desta forma, os cientistas defendem que se deve investigar a fundo a perda de biodiversidade na Ásia ao longo do tempo.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

As vovós que lutam pela democracia na Polônia

Idosas polonesas organizam protestos regulares contra erosão da democracia no país, governado por partido ultraconservador. "Não sou capaz de ficar tranquila em casa, cada violação dos direitos me dói", diz aposentada. Clima de fim de expediente …

Coruja super rara dá o ar da graça depois de 125 anos

A coruja rajá de Bornéu (Otus brookii brookii) é uma espécie tão pequena que apenas seu tamanho já tornaria sua identificação mais complexa. Nativa do Sudeste da Ásia e com peso médio de apenas 100 gramas, …

Nintendo bate todos os recordes de lucros com videogames durante a pandemia

A Nintendo apresentou resultados recordes para o ano fiscal de 2020/21 encerrado em 31 de março, impulsionada pela mania global dos videogames em tempos de pandemia, mas o grupo japonês não espera repetir essa …

Doença cerebral misteriosa intriga médicos no Canadá

Médicos no Canadá têm deparado com pacientes que apresentam sintomas semelhantes aos da doença de Creutzfeldt-Jakob, um mal raro e fatal que ataca o cérebro. Mas quando resolveram investigar o mal em mais detalhe, o …

Governador do Rio diz que operação que terminou com 25 mortos foi ação de 'inteligência'

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, afirmou que a operação da Polícia Civil realizada no Jacarezinho foi "ação pautada e orientada por longo e detalhado trabalho de inteligência e investigação".  A operação terminou com …

Butantan diz que ataques de Bolsonaro à China afetam vacinas

Presidente insinuou que chineses, principais fornecedores de matéria-prima para imunizantes ao Brasil, criaram vírus como parte de "guerra química". "Essas declarações têm impacto", diz diretor do Instituto Butantan. A direção do Instituto Butantan e o governador …

Fotos da última sessão de Kurt Cobain são vendidas como NFT

As imagens da última sessão de fotos da vida do compositor e cantor Kurt Cobain irão a leilão em formato de token não-fungível, os célebres NFTs. O anúncio foi feito por Jesse Frohman, fotógrafo por trás …

EUA, França e Rússia apoiam quebra de patentes contra a Covid-19, mas laboratórios resistem

A ideia de suspender as patentes da fabricação de vacinas contra a Covid-19 continuou a ganhar apoio em todo o mundo nesta quinta-feira, após o impulso inicial dado Estados Unidos. Porém, os laboratórios resistem, …

Descoberta a evidência mais antiga de atividade humana

Uma das atividades mais antigas de humanos foi identificada em uma caverna na África do Sul. Uma equipe de geólogos e arqueólogos encontrou evidências de que nossos ancestrais estavam fazendo fogo e ferramentas na Caverna …

Jeff Bezos: os planos do homem mais rico do mundo para voo espacial turístico

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, afirma que está pronto para levar pessoas ao espaço. A empresa Blue Origin, do empresário americano detentor de uma fortuna estimada em R$ 1 trilhão, diz que lançará uma tripulação …