Prisão de imigrantes nos EUA é um negócio; e gera milhões de dólares

Gage Skidmore / Flickr

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

A detenção de imigrantes nos EUA é um processo comandado pelas entidades governamentais, mas envolve uma série de empresas privadas em um negócio multimilionário, que passa por fornecedores de alimentação e serviços telefônicos, por transportadoras, até as companhias que gerem os centros.

Só em 2017, o Serviço de Imigração e Controle Aduaneiro dos EUA (ICE, na sigla em inglês) atribuiu cerca de 3 bilhões de dólares ao sistema de detenção de estrangeiros, conforme dados da BBC.

Muito desse dinheiro acaba nas mãos de empresas privadas, já que são elas que gerem a maioria dos centros de detenção.

“Cerca de 65% das camas que o governo federal dispõe para abrigar imigrantes estão nas mãos de empresas privadas”, explica à BBC a diretora do Projeto de Transparência dos Centros de Detenção, Bianca Tylek, notando que “esse número está crescendo com a atual crise migratória”.

“Em fevereiro de 2017, um alto funcionário do Departamento de Segurança Nacional anunciou que estavam aumentando o número de camas disponíveis para o ICE de 3.500 para 20 mil, um aumento de 500%“, acrescenta Bianca Tylek.

E a decisão anunciada recentemente por Donald Trump, de acabar com a separação de crianças dos pais, pode até contribuir para melhorar o negócio dessas empresas privadas. É que, atualmente, os EUA não têm nenhum centro preparado para acolher famílias, o que pode levar a que seja necessário criar novas infraestruturas.

Mas além das empresas que gerem os centros de detenção, há “uma rede completa de negócios privados que tem lucro com a crise migratória“, constata Bianca Tylek.

“No setor dos transportes, por exemplo, estão as empresas que deslocam os imigrantes da fronteira até os centros de detenção”, explica a responsável, frisando que, “em alguns casos, as empresas de transporte são propriedade das mesmas empresas donas dos centros”.

Por outro lado, companhias de aviação como a American Airlines, a Delta e a United Airlines, alugam seus aviões ao Estado para transporte dos imigrantes, lucrando também com a situação. Apesar de, na semana passada, terem anunciado que não transportariam crianças separadas das famílias.

Há ainda os fornecedores de alimentação e de serviços de telefonia aos centros de detenção, que também fazem dinheiro às custas da crise migratória.

No caso das crianças imigrantes, ficam sob tutela do Departamento de Saúde e Serviços Sociais (HHS, na sigla em inglês) que, em 2017, atribuiu 958 milhões de dólares à manutenção dos centros de acolhimento de menores. Atualmente, estariam sob tutela do organismo cerca de 12 mil crianças.

O acolhimento de crianças fica entregue, habitualmente, a Organizações Não-Governamentais (ONG) sem fins lucrativos, mas também se movimentam milhões aqui, com muita polêmica quanto aos benefícios obtidos por algumas entidades.

A Southwest Key, uma ONG do Texas e uma das principais acolhedoras de crianças imigrantes, passou de 10 abrigos com capacidade para 500 menores em 2010, para 26 centros com potencial para acolher cerca de 5 mil crianças em 2018, segundo dados da BBC.

Em 2018, a ONG terá direito a receber mais de 458 milhões de dólares do HHS. Em cerca de uma década, a entidade teria recebido 1,5 bilhão de dólares.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Já poderíamos ter ido a Marte (nos anos 60)

O popular astronauta Chris Hadfield diz que a tecnologia que nos levou à Lua e nos trouxe de volta na década de 60 poderia ter nos enviado também a Marte. O canadense Chris Hadfield foi astronauta …

Jeff Bezos se torna a pessoa mais rica da história moderna

O fundador e diretor executivo da Amazon, Jeff Bezos, acaba de se tornar o ser humano mais rico da história moderna. Com patrimônio líquido estimado em US$ 150 bilhões, Bezos chegou ao topo da lista de …

A obesidade não causa risco maior de morte

Acreditamos normalmente que a obesidade está ligada a problemas de saúde, mas aparentemente isso pode não ser exatamente verdade. Segundo um novo estudo, publicado semana passada na revista Clinical Obesity, ser obeso por si só não …

Argélia expulsa 390 pessoas (incluindo grávidas e crianças); e as envia para o deserto

Neste domingo (15), a Argélia expulsou 391 pessoas em condições precárias, incluindo crianças e grávidas, para o deserto do Níger. A Organização Internacional para as Migrações (OIM) indicou que as pessoas expulsas, oriundas de países da …

Presidente eleito do México quer cortar o próprio salário pela metade

Andres Manuel Lopez Obrador, o presidente eleito do México, disse que quer receber cerca de metade do salário que seu antecessor recebia, assim que assumir o cargo em dezembro. “O que nós queremos é que o …

Mais de 3,3 milhões de contribuintes recebem restituição do IR

O crédito bancário para mais de 3,3 milhões de contribuintes contemplados no segundo lote de restituições do Imposto de Renda é feito nesta segunda-feira (16). A consulta ao segundo lote foi aberta no último dia …

STF suspende resolução da ANS sobre coparticipação em planos de saúde

A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, suspendeu temporariamente nesta segunda-feira (16) a Resolução Normativa 433, de 28 de junho de 2018, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) da Agência Nacional de …

Trump e Putin na Finlândia: "Nosso relacionamento nunca foi pior"

Os presidentes dos EUA e da Rússia realizam, nesta segunda-feira (16), em Helsinque, sua primeira cúpula bilateral, sob o espectro da ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016 e ainda da situação na Ucrânia …

Após 25 anos em queda, mortalidade infantil volta a subir no país

O índice de mortalidade infantil voltou a aumentar no Brasil, pela primeira vez, desde 1990. Segundo dados do Ministério da Saúde, a taxa de mortalidade de 2016 ficou em 14 óbitos infantis a cada mil …

Cinco meses de intervenção no Rio: chacinas aumentam e apreensão de arma diminui

O Observatório da Intervenção, do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes, divulgou nesta segunda-feira (16) um balanço dos cinco meses de intervenção federal no Rio de Janeiro. A conclusão? “Muito …