Antiviral remdesivir é aprovado para testes no Brasil e na Europa

O Brasil já pode começar a fazer testes com o remdesivir, medicamento antiviral, no tratamento de pacientes com a COVID-19, segundo declaração feita pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) nesta quarta-feira (25).

A Anvisa anunciou ainda que o estudo que será realizado no país será de fase 3, que envolve a observação de pacientes que estão sendo tratados com o medicamento. Receberão a droga pessoas que já estão hospitalizadas com quadro de pneumonia grave provocada pelo novo coronavírus, divididas em dois grupos.

O primeiro será tratado com o remdesivir combinado com outro medicamento chamado tocilizumabe, que atua no organismo como imunoregulador e é usado contra a artrite reumatoide. Já o segundo grupo receberá o remdesivir administrado com um placebo. A ideia é que no Brasil, segundo autorização solicitada pela empresa PPD do Brasil Suporte a Pesquisa Clínica Ltda, 105 pacientes passem pelo teste.

Aprovação na Europa

O remdesivir também recebeu a aprovação da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), que agora poderá ser receitado para pacientes diagnosticados com a covid-19, necessitando de respiração mecânica, e que tenham a partir de 12 anos de idade.

Cabe à Comissão Europeia finalizar a autorização de forma burocrática, o que deve acontecer em até uma semana. Uma vez aprovada, a indicação da droga estará vigente a 27 países e será válida por um ano.

Como ainda não há a comprovação de que o medicamento seja realmente efetivo contra a COVID-19, a empresa fabricante Gilead, farmacêutica norte-americana, precisa informar à União Europeia os resultados dos testes do remdesivir, assim como seus efeitos colaterais, até dezembro.

Para que serve o remdesivir?

O Remdesivir é um antiviral desenvolvido para o combate da ebola, mas que já apresentou resultados positivos no tratamento de outros tipos de coronavírus, responsáveis pelas doenças SARS e MERS.

Nos Estados Unidos, o medicamento já vem sendo itulizado para pacientes graves da covid-19, logo após a autorização do FDA, órgão regulador do país que funciona como a Anvisa aqui no Brasil.

De acordo com a FDA, o critério usado para a aprovação da droga foi um estudo realizado pelo Instituto Nacional Americano de Saúde (NIH), que conduziu testes em 1.063 pacientes não só dos Estados Unidos, como da Ásia e da Europa.

O resultado mostrou que pessoas tratadas com o remdesivir se recuperaram cerca de quatro dias antes daqueles que não receberam o medicamento. No início de junho, a Coreia do Sul e a Índia também começaram os testes com o remédio.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …