Rússia, a terra da Copa, permite por lei que homens batam nas mulheres

Basta um dado sobre a violência contra a mulher para entender a dimensão do problema no Brasil: aqui, por hora, cerca de 500 brasileiras são agredidas, em sua vasta maioria em casa pelos próprios maridos. Mas a situação na Rússia consegue ser pior.

E ainda que se trate de assombrosa estatística, outros países conseguem ser consideravelmente piores – e a atual sede da Copa do Mundo, a Rússia, é definitivamente um deles. Nascer mulher por lá é conviver com níveis assustadores de violência, e pior: muitas vezes com a complacência ou mesmo a concordância das autoridades e das leis.

Os dados de violência por hora na Rússia contra mulheres são quase três vezes piores que os brasileiros: por lá, enquanto acontece o primeiro tempo e o intervalo de uma partida da Copa, antes do segundo tempo começar, uma média de 1.370 mulheres terão sofrido episódios de violência.

E uma lei em especial, apelidada de de “lei do tapa“, ilustra os costumes e a própria Constituição russa, assim como o terrível impacto que o legislativo pode causar diretamente na vida das pessoas.

A lei sobre violência doméstica na Rússia prevê que boa parte das agressões deve ser resolvida em casa, sem a interferência da polícia – a não ser que as mulheres ou mesmo as crianças sejam hospitalizadas ou estejam em estado grave de saúde.

Sem ossos quebrados, sangue ou coisa do tipo, a orientação da polícia é de simplesmente conversar com o agressor, na maioria das vezes pelo telefone – ou realmente não fazer nada. Não é incomum que casos de agressões se transformem em situações extremas de violência, assassinato ou tortura contra mulheres.

Cerca de 40% dos crimes no país são cometidos por familiares, em casa, mas as questões de gênero ou de direitos humanos são desprezadas por políticos – que vão ao extremo oposto, criando leis como a “antipropaganda gay” ou a “lei do tapa” supracitada, ambas criadas por uma parlamentar mulher.

Com a lei, se um homem der socos, tapas ou mesmo provocar cortes em sua esposa ou nos seus filhos, o máximo que lhe ocorrerá é o pagamento de uma multa de 470 dólares, e eventualmente uma detenção de duas semanas.

Segundo o Hypeness, trata-se da “legalização da violência doméstica, justificada pelos costumes, pela defesa da família, por premissas religiosas ou pelo apelo popular de uma parte dos russos”.

Existem, claro, outras parlamentares lutando pelo direito das mulheres e dos homossexuais no país, mas a luta é ainda árdua: não há nada similar a uma Lei Maria da Penha para proteger as mulheres minimamente.

Ciberia // Hypeness

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Enquanto isso, a Lei Maria da Penha (tida pela ONU como uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência contra as mulheres), sancionada por Lula em 2006 e grandemente robustecida durante o governo Dilma não teve assim tanto reconhecimento ou consideração pelas brasileiras. Elas é que estiveram em maior número no apoio ao impeachment. Concordo plenamente com quem diz que o machismo, frequentemente, é maior entre mulheres que entre homens.

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Já poderíamos ter ido a Marte (nos anos 60)

O popular astronauta Chris Hadfield diz que a tecnologia que nos levou à Lua e nos trouxe de volta na década de 60 poderia ter nos enviado também a Marte. O canadense Chris Hadfield foi astronauta …

Jeff Bezos se torna a pessoa mais rica da história moderna

O fundador e diretor executivo da Amazon, Jeff Bezos, acaba de se tornar o ser humano mais rico da história moderna. Com patrimônio líquido estimado em US$ 150 bilhões, Bezos chegou ao topo da lista de …

A obesidade não causa risco maior de morte

Acreditamos normalmente que a obesidade está ligada a problemas de saúde, mas aparentemente isso pode não ser exatamente verdade. Segundo um novo estudo, publicado semana passada na revista Clinical Obesity, ser obeso por si só não …

Argélia expulsa 390 pessoas (incluindo grávidas e crianças); e as envia para o deserto

Neste domingo (15), a Argélia expulsou 391 pessoas em condições precárias, incluindo crianças e grávidas, para o deserto do Níger. A Organização Internacional para as Migrações (OIM) indicou que as pessoas expulsas, oriundas de países da …

Presidente eleito do México quer cortar o próprio salário pela metade

Andres Manuel Lopez Obrador, o presidente eleito do México, disse que quer receber cerca de metade do salário que seu antecessor recebia, assim que assumir o cargo em dezembro. “O que nós queremos é que o …

Mais de 3,3 milhões de contribuintes recebem restituição do IR

O crédito bancário para mais de 3,3 milhões de contribuintes contemplados no segundo lote de restituições do Imposto de Renda é feito nesta segunda-feira (16). A consulta ao segundo lote foi aberta no último dia …

STF suspende resolução da ANS sobre coparticipação em planos de saúde

A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, suspendeu temporariamente nesta segunda-feira (16) a Resolução Normativa 433, de 28 de junho de 2018, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) da Agência Nacional de …

Trump e Putin na Finlândia: "Nosso relacionamento nunca foi pior"

Os presidentes dos EUA e da Rússia realizam, nesta segunda-feira (16), em Helsinque, sua primeira cúpula bilateral, sob o espectro da ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016 e ainda da situação na Ucrânia …

Após 25 anos em queda, mortalidade infantil volta a subir no país

O índice de mortalidade infantil voltou a aumentar no Brasil, pela primeira vez, desde 1990. Segundo dados do Ministério da Saúde, a taxa de mortalidade de 2016 ficou em 14 óbitos infantis a cada mil …

Cinco meses de intervenção no Rio: chacinas aumentam e apreensão de arma diminui

O Observatório da Intervenção, do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes, divulgou nesta segunda-feira (16) um balanço dos cinco meses de intervenção federal no Rio de Janeiro. A conclusão? “Muito …