17 anos depois, teste de DNA identifica nova vítima do 11 de setembro

Robert J. Fisch / Wikimedia

Atentado de 11 de Setembro de 2001, World Trade Center

Investigadores forenses conseguiram identificar a 1.642ª vítima do atentado às Torres Gêmeas, ocorrido em 11 de setembro de 2001, na cidade de Nova York.

11 de setembro de 2001 é uma data que dificilmente alguém consegue esquecer. O dia em que dois aviões sequestrados por terroristas da Al-Qaeda se chocaram contra as Torres Gêmeas, em Nova York, nos EUA, e mataram 2.753 pessoas.

No entanto, como escreve o Live Science, a destruição dos arranha-céus deixaram muitos restos muito danificados para poderem ser identificados. Até há pouco tempo, apenas 1.641 dessas vítimas – cerca de três quintos – haviam sido identificadas entre os restos mortais recuperados do Marco Zero.

Porém, na semana passada, segundo o New York Times, foi identificada a 1.642ª vítima do atentado, que foi um dos mais mortais da história, através da correspondência dos restos mortais com um teste de DNA.

Scott Michael Johnson, de 26 anos, trabalhava no 89º andar da torre sul, como analista de valores imobiliários no banco de investimento Keefe, Bruyette & Woods, quando o ataque terrorista aconteceu.

Cientistas forenses conseguiram provar que o DNA extraído de um osso encontrado no local coincide com uma amostra de DNA tirada da escova de dentes da vítima e amostras dos pais. De acordo com o jornal, essa é a primeira vítima identificada desde agosto de 2017.

Desde o 11 de setembro, os médicos legistas têm feito um esforço contínuo para identificar “quase 22 mil” restos mortais recuperados no local. Essa identificação bem sucedida foi a sexta ou sétima tentativa para identificar o osso de Johnson.

O processo para identificar o osso, de acordo com o diário, envolveu retirar uma amostra e transformá-la em pó para liberar o DNA. Em seguida, os analistas forenses expuseram o pó a enzimas que replicaram e multiplicaram qualquer DNA presente, aumentando assim o tamanho da amostra para o sequenciamento.

Dessa vez, segundo o New York Times, os cientistas usaram uma nova técnica de pulverização do osso, utilizando “rolamentos de esferas ultrassônicos” (que se batem muito rapidamente), o que criou um pó ainda mais fino. Esse pó ajudou a produzir um resultado positivo.

Tom Johnson, pai do falecido Scott, afirmou que “embora esteja grato pela cidade ter sido sensível e diligente no trabalho, a novidade é apenas mais uma lembrança da dor que ele e sua família sentiram durante 17 anos”, cita o jornal norte-americano.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Uma poção medieval provou ser eficaz contra bactérias

Uma fórmula de mil anos de idade para o tratamento infecções nos olhos talvez leve os cientistas a um novo caminho para lutar contra a resistência aos antibióticos. A poção parece mesmo bruxaria: cebola, vinho, alho …

Microsoft confirma intenção de comprar o TikTok

Em um final de semana conturbado para o aplicativo TikTok, o presidente norte-americano Donald Trump deu um prazo de 45 dias para a Microsoft concretizar a aquisição da rede social chinesa. A notícia divulgada pela agência …

Com 200.000 mortes, América Latina é segunda região do mundo mais afetada pela Covid-19

A região da América Latina e do Caribe alcançou a fúnebre marca de 200.212 mortes pelo novo coronavírus e é a segunda no mundo mais afetada pela pandemia, depois da Europa (210.435 óbitos para …

Autoridade de saúde da administração Trump rejeita hidroxicloroquina como tratamento para COVID-19

O responsável por coordenar a aplicação de testes de COVID-19 nos EUA afirmou neste domingo (2) que não há evidências de que a hidroxicloroquina seja um tratamento eficaz contra o novo coronavírus. O secretário assistente do …

Julho foi mês mais fatal da pandemia de covid-19 no Brasil

Com quase 33 mil vítimas, julho foi o pior mês desde as primeiras infecções com o coronavírus no país. Em São Paulo, estado mais atingido, Instituto Butantan oferece testes grátis da doença respiratória na capital. O …

Ouvidos poderiam esconder coronavírus, descobre estudo

Uma equipe de cientistas da Universidade Johns Hopkins, EUA, encontrou vestígios do novo coronavírus nos ouvidos humanos, alertando que agora as autoridades médicas precisam tomar mais cuidado. Chamado de SARS-CoV-2, o novo coronavírus poderia se esconder …

Quase humano: cérebro artificial ajuda robô a realizar tarefas complexas

Pegar uma lata de refrigerante pode ser uma tarefa simples para os seres humanos, mas isso pode ser muito complexo para um robô. Isso porque ele precisa localizar o objeto, deduzir sua forma, determinar a …

Se você fizer isso, dificilmente terá câncer por toda a vida

A Sociedade Americana de Câncer acaba de atualizar o guia de dieta e atividades físicas com o objetivo de reduzir o risco de se ter câncer ou, possivelmente não ter câncer durante toda a vida. …

Nos hospitais, 70% dos profissionais se sentem despreparados para pandemia

O conhecimento sobre a covid-19 ainda é tão pouco que os médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde estão com medo e se sentindo despreparados. Ao mesmo tempo, por conta da pandemia ainda descontrolada no …

Este chef é um verdadeiro herói no lar de idosos onde trabalha

A admiração conquistada pelo chef Kevin na casa de repouso onde trabalha em Perthshire, na Escócia, não vem apenas do sabor e da beleza de cada prato montado por ele. Cozinheiro profissional desde 1995, Kevin se …