17 anos depois, teste de DNA identifica nova vítima do 11 de setembro

Robert J. Fisch / Wikimedia

Atentado de 11 de Setembro de 2001, World Trade Center

Investigadores forenses conseguiram identificar a 1.642ª vítima do atentado às Torres Gêmeas, ocorrido em 11 de setembro de 2001, na cidade de Nova York.

11 de setembro de 2001 é uma data que dificilmente alguém consegue esquecer. O dia em que dois aviões sequestrados por terroristas da Al-Qaeda se chocaram contra as Torres Gêmeas, em Nova York, nos EUA, e mataram 2.753 pessoas.

No entanto, como escreve o Live Science, a destruição dos arranha-céus deixaram muitos restos muito danificados para poderem ser identificados. Até há pouco tempo, apenas 1.641 dessas vítimas – cerca de três quintos – haviam sido identificadas entre os restos mortais recuperados do Marco Zero.

Porém, na semana passada, segundo o New York Times, foi identificada a 1.642ª vítima do atentado, que foi um dos mais mortais da história, através da correspondência dos restos mortais com um teste de DNA.

Scott Michael Johnson, de 26 anos, trabalhava no 89º andar da torre sul, como analista de valores imobiliários no banco de investimento Keefe, Bruyette & Woods, quando o ataque terrorista aconteceu.

Cientistas forenses conseguiram provar que o DNA extraído de um osso encontrado no local coincide com uma amostra de DNA tirada da escova de dentes da vítima e amostras dos pais. De acordo com o jornal, essa é a primeira vítima identificada desde agosto de 2017.

Desde o 11 de setembro, os médicos legistas têm feito um esforço contínuo para identificar “quase 22 mil” restos mortais recuperados no local. Essa identificação bem sucedida foi a sexta ou sétima tentativa para identificar o osso de Johnson.

O processo para identificar o osso, de acordo com o diário, envolveu retirar uma amostra e transformá-la em pó para liberar o DNA. Em seguida, os analistas forenses expuseram o pó a enzimas que replicaram e multiplicaram qualquer DNA presente, aumentando assim o tamanho da amostra para o sequenciamento.

Dessa vez, segundo o New York Times, os cientistas usaram uma nova técnica de pulverização do osso, utilizando “rolamentos de esferas ultrassônicos” (que se batem muito rapidamente), o que criou um pó ainda mais fino. Esse pó ajudou a produzir um resultado positivo.

Tom Johnson, pai do falecido Scott, afirmou que “embora esteja grato pela cidade ter sido sensível e diligente no trabalho, a novidade é apenas mais uma lembrança da dor que ele e sua família sentiram durante 17 anos”, cita o jornal norte-americano.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Nokia é a marca de Android mais durável e segura, aponta pesquisa

A Counterpoint Research divulgou um novo relatório sobre o índice de confiabilidade das fabricantes de smartphones e destacou o desempenho da HMD/Nokia, que liderou o ranking pelo segundo ano. Em resumo, a empresa foi a …

Rejeição à França aumenta no mundo islâmico

Após governo Macron sair em defesa do secularismo e iniciar ofensiva contra o islã radical, líderes como o presidente turco Erdogan passam a insuflar suas populações como forma de distração de problemas internos. Na esteira do …

Meteoro explode no céu e causa tremor em cidades da Bahia

Um meteoro brilhou nos céus de algumas cidades da Bahia nesta segunda-feira (26). O bólido (nome que recebem os meteoros que explodem na atmosfera terrestre tornando-se extremamente brilhantes), foi detectado e registrado por câmeras de …

O salmão consumido no Brasil está acabando com a costa chilena

Comer em um rodízio de japonês pode soar como uma ótima ideia para quem gosta das iguarias orientais. O que muita gente não sabe é que o salmão comprado como matéria prima em restaurantes do …

Motor nuclear projetado para NASA poderá transportar humanos para Marte em apenas 3 meses

A NASA tem como meta enviar a primeira tripulação humana para Marte em 2030, e certa inovação poderá fazer a jornada de mais de 64 milhões de quilômetros em apenas três meses, em vez de …

Imunidade ao coronavírus 'diminui rapidamente' em assintomáticos, diz estudo britânico

Um estudo britânico publicado nesta terça-feira mostra que a imunidade adquirida por pessoas curadas do novo coronavírus "diminui muito rapidamente", especialmente em pacientes assintomáticos e, em certos casos, pode durar apenas alguns meses. O trabalho …

Senado dos EUA aprova indicada de Trump para Suprema Corte

A poucos dias das eleições americanas, Amy Barrett é confirmada para a vaga por 52 votos a 48. Conservadora e católica devota, ela substitui Ruth Bader Ginsburg, uma das mais célebres figuras progressistas do tribunal. O …

NASA descobre grandes quantidades de água em cratera iluminada na Lua

Nesta segunda-feira (26), a NASA revelou os resultados de dois estudos que trouxeram novas descobertas sobre a Lua: dados obtidos pelo observatório aéreo Stratospheric Observatory for Infrared Astronomy (SOFIA) confirmam, pela primeira vez, que existe …

Ciclone no litoral brasileiro pode causar tempestades em 9 estados

Um ciclone no litoral brasileiro já está causando graves chuvas em diversas regiões do Brasil e seus impactos podem causar tempestades em 9 estados. O Instituto Nacional de Metereologia (Inmet) emitiu sinal de alerta para diversas …

Processo contra o Google nos EUA pode afetar o modo como você usa seu celular

Na última terça-feira (23), o Departamento de Justiça dos EUA entregou um "presente de Halloween" pouco agradável ao Google: um gigantesco processo antitruste, acusando a empresa de práticas que eliminam a competição nos mercados de …