Viver nas favelas do Rio de Janeiro é uma opção para os estrangeiros

Bruno Itan / Coletivo Alemão

-

Viver em uma favela no Rio de Janeiro é uma opção que ganhou força nos últimos anos entre residentes estrangeiros que querem fugir dos preços exorbitantes dos aluguéis ou ficarem mais próximos da realidade carioca “mais autêntica”.

A “moda” de viver nas favelas cresceu a partir de 2008, quando começaram os processos de “pacificação” com a instalação de Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) nas comunidades, especialmente na zona sul da cidade, em bairros como Botafogo, Copacabana e Ipanema.

A presença das UPPs não foi suficiente para eliminar a violência nas comunidades que, nos últimos meses, disparou. No entanto, os preços dos aluguéis, que em um bairro turístico como Copacabana chegam US$ 650 por um quarto em um apartamento compartilhado, contribuiu para o aumento da chegada de estrangeiros nas favelas.

Larissa Lourenço, que aluga um apartamento no morro Pavão-Pavãozinho, garantiu à Agência Efe que “muitos estrangeiros” têm buscado moradia na favela “pela localização e pelos preços, que são mais baixos”. “Está a cinco minutos a pé da praia de Copacabana e a dez minutos de Ipanema”, comentou a proprietária.

Seu apartamento, com dois quartos, banheiro, sala, cozinha americana e terraço, sem mobílias, custa R$ 900 reais por mês, praticamente a metade do preço médio de um quarto a apenas três ruas de distância.

Muito perto, no Cantagalo, que está ligado à Ipanema através de uma escada e de um elevador, Raphael Rodrigues aluga uma casa com um quarto, sala e cozinha por R$ 1.000. Raphael reconhece que “os tiroteios existem na favela”, mas “acontecem esporadicamente” e “o dia a dia é normal”.

O morador também adverte que, não obstante, “se alguém lhe pergunta o que está fazendo na favela, basta dizer que vive aqui de aluguel“.

Quando há um tiroteio durante a noite, as pessoas que chegam do trabalho esperam nas ruas que dão acesso à favela e, caso este ocorra pela manhã, esperam que termine para sair de casa”, acrescentou Raphael.

Para Joaquín, um estudante espanhol de 22 anos, o problema é muito mais grave, por isso ele deixou o morro Babilônia, que fica a apenas 200 metros da praia de Leme. “A coisa está ficando mais complicada”, relatou o jovem à Efe. “Se tornou costume ver os traficantes com armas e já ouvi vários tiroteios”, comentou Joaquín.

“Ninguém vai lhe assaltar”, mas o Babilônia compartilha sua entrada com o morro Chapéu-Mangueira, que “está sob controle de outra facção” e “é possível que você seja pego no meio de um tiroteio”, explicou o estudante espanhol.

Seu relato corrobora as conclusões dos últimos relatórios da polícia, que revelam um aumento exponencial, próximo de 12.000%, no número de tiroteios nas comunidades com UPPs, que passaram de 13 em 2011 para 1.555 no ano passado.

O aumento da violência nas favelas não é um fenômeno isolado nas comunidades: os homicídios dolosos no Rio de Janeiro chegaram a 502 em fevereiro deste ano, um número 24,3% maior que em fevereiro de 2016, o que equivale a 16 assassinatos por dia.

Para Marianne, uma francesa de 21 anos que vive no Vidigal, próximo do luxuoso bairro do Leblon, a violência não é um problema. “Viver em uma favela deixa você mais perto da autêntica vida carioca“, “longe dos preconceitos”, argumentou a jovem francesa.

A vida no Vidigal, a “favela da moda” no Rio, onde celebridades como David Beckham têm uma casa, é muito diferente das comunidades da zona norte da cidade e áreas como o Complexo de Alemão, que na última semana teve cinco dias de tiroteios que resultaram em cinco mortes.

Para Alfonso, espanhol de 21 anos que paga US$ 290 por mês por um quarto num apartamento compartilhado no Vidigal, “relacionar favela a criminosos é um clichê“. Alfonso desfruta de sua vida no Vidigal, que se estende em torno da ladeira de um morro sobre o Leblon e oferece uma vista espetacular do Rio de Janeiro.

Uma comunidade onde, em uma rápida pesquisa na internet, se pode encontrar um dúplex com dois dormitórios por R$ 8.100 de aluguel, um valor exorbitante para um país com salários médios de R$ 1.230 mensais.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

As vovós que lutam pela democracia na Polônia

Idosas polonesas organizam protestos regulares contra erosão da democracia no país, governado por partido ultraconservador. "Não sou capaz de ficar tranquila em casa, cada violação dos direitos me dói", diz aposentada. Clima de fim de expediente …

Coruja super rara dá o ar da graça depois de 125 anos

A coruja rajá de Bornéu (Otus brookii brookii) é uma espécie tão pequena que apenas seu tamanho já tornaria sua identificação mais complexa. Nativa do Sudeste da Ásia e com peso médio de apenas 100 gramas, …

Nintendo bate todos os recordes de lucros com videogames durante a pandemia

A Nintendo apresentou resultados recordes para o ano fiscal de 2020/21 encerrado em 31 de março, impulsionada pela mania global dos videogames em tempos de pandemia, mas o grupo japonês não espera repetir essa …

Doença cerebral misteriosa intriga médicos no Canadá

Médicos no Canadá têm deparado com pacientes que apresentam sintomas semelhantes aos da doença de Creutzfeldt-Jakob, um mal raro e fatal que ataca o cérebro. Mas quando resolveram investigar o mal em mais detalhe, o …

Governador do Rio diz que operação que terminou com 25 mortos foi ação de 'inteligência'

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, afirmou que a operação da Polícia Civil realizada no Jacarezinho foi "ação pautada e orientada por longo e detalhado trabalho de inteligência e investigação".  A operação terminou com …

Butantan diz que ataques de Bolsonaro à China afetam vacinas

Presidente insinuou que chineses, principais fornecedores de matéria-prima para imunizantes ao Brasil, criaram vírus como parte de "guerra química". "Essas declarações têm impacto", diz diretor do Instituto Butantan. A direção do Instituto Butantan e o governador …

Fotos da última sessão de Kurt Cobain são vendidas como NFT

As imagens da última sessão de fotos da vida do compositor e cantor Kurt Cobain irão a leilão em formato de token não-fungível, os célebres NFTs. O anúncio foi feito por Jesse Frohman, fotógrafo por trás …

EUA, França e Rússia apoiam quebra de patentes contra a Covid-19, mas laboratórios resistem

A ideia de suspender as patentes da fabricação de vacinas contra a Covid-19 continuou a ganhar apoio em todo o mundo nesta quinta-feira, após o impulso inicial dado Estados Unidos. Porém, os laboratórios resistem, …

Descoberta a evidência mais antiga de atividade humana

Uma das atividades mais antigas de humanos foi identificada em uma caverna na África do Sul. Uma equipe de geólogos e arqueólogos encontrou evidências de que nossos ancestrais estavam fazendo fogo e ferramentas na Caverna …

Jeff Bezos: os planos do homem mais rico do mundo para voo espacial turístico

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, afirma que está pronto para levar pessoas ao espaço. A empresa Blue Origin, do empresário americano detentor de uma fortuna estimada em R$ 1 trilhão, diz que lançará uma tripulação …