Zuckerberg “lamenta muito” por falhas que ajudaram a eleger Donald Trump

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, reconheceu “erros” e prometeu melhorar a rede social depois de ter sido revelado o uso indevido de dados pessoais de milhões de utilizadores pela empresa britânica Cambridge Analytica.

O Facebook “cometeu erros”, afirmou Zuckerberg, na primeira vez que falou sobre o caso, admitindo ser “responsável pelo que está acontecendo” na rede social e prometendo disponibilizar formas de os utilizadores controlarem melhor a utilização de seus dados pessoais.

“Há mais a ser feito, precisamos de ir mais rápido e atuar”, escreveu Zuckerberg na sua página pessoal da rede social.

I want to share an update on the Cambridge Analytica situation — including the steps we've already taken and our next…

Posted by Mark Zuckerberg on Wednesday, March 21, 2018

“Temos a responsabilidade de proteger seuss dados pessoais e, se não conseguimos fazê-lo, não merecemos servir-los”, escreveu o fundador da rede social, acrescentando que a empresa analisará de perto os aplicativos do Facebook para garantir que não existam abusos de dados pessoais.

O Facebook tem estado no centro de uma vasta polêmica internacional com a empresa Cambridge Analytica, acusada de ter recuperado dados de 50 milhões de perfis da rede social, sem o seu consentimento, para elaborar um programa informático destinado a influenciar o voto dos eleitores, favorecendo a campanha de Donald Trump.

A empresa fundada por Mark Zuckerberg se afirmou “escandalizada por ter sido enganada” pela utilização feita com os dados dos seus utilizadores e disse que “compreende a gravidade do problema“.

O escândalo levou a uma queda nas ações do Facebook e Mark Zuckerberg foi convocado por uma comissão parlamentar britânica e pelo Parlamento Europeu para se explicar.

Em entrevista à CNN, Zuckerberg disse estar “muito feliz por testemunhar”. O fundador da maior rede social acrescentou que a empresa irá enviar ao Congresso a pessoa que tem mais conhecimento do assunto e que se essa pessoa for ele, ficará feliz em fazê-lo.

Nos Estados Unidos, os procuradores de Nova York e de Massachusetts e a Comissão Federal do Comércio anunciaram que vão investigar o caso.

De acordo com o The Times, os investidores estão processando a rede social, alegando que a empresa fez “falsa e enganadoras declarações” sobre a política que fracassou em prevenir que uma empresa britânica obtivesse os dados de 50 milhões de utilizadores.

Fan Yuan, um dos acionistas, preencheu a ação judicial em São Francisco em nome de um número desconhecido de investidores, alegando que as “omissões” do Facebook levaram a um declínio “precipitado” no valor das ações da empresa, que perdeu quase 50 bilhões de dólares só na segunda e terça-feira (19 e 20 de março).

Novas medidas de proteção

O Facebook prometeu ser mais cauteloso com a forma como compartilha os dados dos utilizadores e mais transparência na forma como o faz.

A partir deste mês, a empresa irá auditar todas os aplicativos que tenham tido acesso a grandes quantidades de dados antes de 2014, altura em que o portal passou por uma forte reestruturação. O apps que infringirem qualquer regra de utilização dessas informações, serão excluídas do Facebook.

Em adição, a rede social promete notificar todos os utilizadores que forem afetados por aplicativos maliciosos e barrar o acesso de apps a dados de quem não as tenha utilizado por três meses consecutivos.

Essa última medida serve para manter a lista de permissões atualizada, uma vez que é muito provável que alguns dos aplicativos que o utilizador instalou quando fez sua conta ainda estejam utilizando informações no negócio. Para rematar a decisão, o portal irá ainda facilitar o controle de permissões a certos aplicativos pelos próprios utilizadores.

Por último, o programa de “caça aos bugs” foi ampliado para recompensar utilizadores que encontrem apps maliciosos que estejam reunindo dados dos utilizadores.

Entretanto, o ministro britânico da Cultura, Matt Hancock, considerou insuficiente o conjunto de medidas anunciadas por Zuckerberg para proteger os dados.

Fundador do WhatsApp defende abandono do Facebook

O cofundador do aplicativo WhatsApp, adquirido há quatro anos pelo Facebook, juntou-se ao movimento online que apela à desativação da rede social Facebook, escrevendo no Twitter que “está na hora”.

O programador e empresário norte-americano Brian Acton, que criou o app, em conjunto com Jan Koum, em 2009, afirmou: “Está na hora. #DeleteFacebook” (“It’s time. #deletefacebook”, em inglês).

A hashtag #deletefacebook tem sido uma das mais usadas no Twitter desde o surgimento de relatos que apontam para o uso ilegal de dados de mais 50 milhões de utilizadores do Facebook. E não faltou quem já tivesse aproveitado para brincar com a situação.

O WhatsApp foi comprado pelo Facebook em 2014, em uma transação avaliada em 19 bilhões de dólares.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …