A Terra já tinha água antes da colisão que criou a Lua

A água apareceu na Terra logo após o nascimento do planeta, antes da colisão que criou a Lua, o que contradiz as ideias gerais sobre a evolução do planeta.

“O fato de a água da Terra ter sido capaz de ‘sobreviver’ o nascimento da Lua e o bombardeamento do nosso planeta por asteroides e cometas, aumenta significativamente as possibilidades de existência de vida extraterrestre“, explica Richard Greenwood da Universidade Aberta do Reino Unido, citado pela New Scientist.

Descobrimos que a água é incrivelmente tenaz. Não desaparece, incluindo fundindo e vaporizando o planeta, algo que aconteceu na Terra e em muitos exoplanetas”, explica Greenwood em artigo publicado esta semana na revista Science Advances.

Anteriormente, os cientistas consideravam que a água foi trazida ao nosso planeta pelos asteroides e cometas que bombardearam a superfície da Terra há quase 3.800 milhões de anos.

No entanto, o recente estudo demonstrou que não é assim. Os investigadores descobriram que as primeiras reservas de água na Terra tinham aparecido muito antes, quase no momento do nascimento do planeta, depois de analisar os fragmentos de rochas lunares trazidas à Terra no âmbito do programa Apolo.

Passaporte planetário

Aos geólogos interessa especialmente a quantidade do oxigênio nestas rochas. De fato, as proporções de isótopos de oxigénio são uma espécie de “passaporte” dos corpos celestes, já que indicam onde e em que condições se formaram.

Assim, a sua comparação permite entender se determinados planetas, asteroides ou cometas apareceram no mesmo ponto do Sistema Solar ou em partes diferentes.

Guiada por esta ideia, a equipe de Greenwood comparou a proporção de isótopos de oxigênio em rochas lunares, meteoritos e amostras de rochas extraídas do fundo do oceano.

De acordo com o geólogo, eles esperavam ver uma diferença bastante significativa entre o nosso planeta e a Lua, já que o protoplaneta que deu lugar à Lua, Tea, se formou em outro ponto do Sistema Solar e tinha suas próprias reservas de água.

No entanto, a imagem real resultou ser bastante diferente. As proporções de isótopos de oxigénio nas rochas terrestres e lunares eram quase iguais: diferem em somente três partes em 1.000 milhões, o que equivale a 0.0000003%.

Isso significa duas coisas: a água esteve presente na Terra muito antes da sua colisão com Tea, e sobreviveu à colisão e à “destruição mútua”.

Por sua vez, a presença de pequenas diferenças nas proporções de isótopos de oxigénio sugere que os asteroides e cometas realmente “trouxeram” água à Terra, mas somente uma pequena parte das suas reservas atuais, cerca de 5%.

Ou seja, as suas reservas de água não poderiam de maneira nenhuma afetar a aparência do planeta e os volumes dos seus oceanos, que deveriam ter desaparecido quase imediatamente depois do nascimento da Terra.

Tal descobrimento, como assinalam os planetólogos, gera mais perguntas do que respostas. Agora não está claro como a água conseguiu sobreviver à colisão entre a Terra e Tea e o posterior bombardeamento do planeta por asteroides, nem por que não se evaporou durante as primeiras etapas da formação da Terra.

Os cientistas também supõem que é possível que o nosso planeta tenha nascido a uma distância muito maior do Sol do que se crê habitualmente.

Como muitas vezes acontece na ciência, os resultados de um novo estudo acabam por levantar mais dúvidas do que as que ajudaram a esclarecer.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

OMS considera elevado risco global de coronavírus

A Organização Mundial da Saúde admitiu nesta segunda-feira (27/01) um erro na avaliação de risco global do novo coronavírus, que surgiu na China, e disse que o nível correto é elevado. Anteriormente, ele havia sido …

Quem é Vanessa Nakate, ativista negra cortada de foto com Greta em Davos

O tema era o meio-ambiente, mas o debate sofre o futuro da humanidade ganhou outros vultos quando a jovem ativista climática de Uganda, Vanessa Nakate, descobriu que havia sido cortada pela agência de notícias Associated …

Sobreviventes retornam a Auschwitz nos 75 anos da libertação

Autoridades de 50 países participam da solenidade no antigo campo de concentração na Polônia, em meio a temores pelo aumento do antissemitismo. "Precisamos tomar cuidado para que não volte a acontecer", diz sobrevivente. Mais de 200 …

Por que cientistas querem tanto provar que Einstein e Galileu estavam errados

Ano entra, ano sai, e tanto a lei dos corpos em queda de Galileu Galilei quanto a teoria da relatividade de Albert Einstein são testadas novamente apenas para os pesquisadores confirmarem pela enésima vez que …

Morreu Kobe Bryant, um dos maiores astros da NBA

Neste domingo (26), o astro do basquete norte-americano, Kobe Bryant, faleceu em acidente de helicóptero, na cidade de Los Angeles, nos EUA. Autoridades e testemunhas levantam as primeiras hipóteses sobre a causa da queda. O lendário …

Coronavírus terá impacto no PIB chinês e na economia global

A nova epidemia de coronavírus é um balde de água fria na cabeça do mundo. A começar pelos chineses. Em 2003, o último vírus mortal se propagando pelo mundo inteiro – o SARS – …

Abelhas adoram cannabis e este caso de amor pode ajudar a salvar a espécie

Consideradas os seres vivos mais importantes do planeta, as abelhas são animais insubstituíveis, dos quais dependemos para viver. No entanto, nas últimas décadas, devido ao aquecimento global e o uso execessivo de pesticidas, elas estão …

Cientistas finalmente descobriram como capturar o espectro todo da luz solar para gerar hidrogênio

Pela primeira vez, cientistas da Universidade Estadual de Ohio (EUA) desenvolveram uma molécula que é capaz de coletar a energia de todo o espectro da luz solar. O processo, 50% mais eficiente que as atuais …

Você agora pode ouvir a voz de uma múmia de 3 mil anos

Com uso de tomografia computadorizada, impressão 3D e laringe eletrônica, pesquisadores do Reino Unido reconstruíram o trato vocal de uma múmia egípcia. Para a realização do projeto que teve início em 2013, foi preciso combinar medicina, …

Krakatoa, o inferno de Java: a erupção há 137 anos que foi sentida no planeta inteiro

Em 1883, o mundo presenciou um evento natural tão bombástico e violento que pôde ser notado de alguma forma por praticamente todos os habitantes do planeta. A erupção do vulcão Krakatoa, na Indonésia, lançou detritos a …