Alemanha vai facilitar cidadania para descendentes de vítimas do nazismo

Felipe Trueba / EPA

Medida é anunciada pelo Ministério do Interior em meio a campanha de grupo britânico que representa pessoas cujos antepassados fugiram da Alemanha nazista. Pedidos de cidadania alemã aumentaram após anúncio do Brexit.

O governo alemão anunciou nesta quinta-feira que está preparando a publicação de um decreto para que descendentes de vítimas do regime nazista obtenham mais facilmente a cidadania alemã. A medida ocorre em meio a uma campanha de um grupo britânico que representa habitantes do Reino Unido com antepassados alemães que fugiram do país natal em meio ao terror nazista.

Ao anunciar o plano, o ministro do Interior da Alemanha, Horst Seehofer, disse: “A Alemanha deve enfrentar sua responsabilidade histórica em relação àqueles que, como descentes de cidadãos alemães que foram perseguidos pelos nazistas, enfrentaram obstáculos para obter a cidadania.”

Pelas atuais regras alemãs, os descendentes de judeus alemães ou de outros antigos cidadãos alemães que foram perseguidos por motivos religiosos ou políticos têm direito a obter cidadania, mas na prática a norma é mais complicada.

Não foi incomum nos últimos anos que centenas de pessoas que se enquadram nesses casos não tenham tido sucesso em seus pedidos. Isso porque uma série de antigas regras restringe o direito para algumas pessoas que apresentam pedidos com base em um antepassado do lado materno, ou quando o pai ou o avô obteve a cidadania de outro país após fugir da Alemanha. Descendentes de alemães que foram adotados por famílias estrangeiras também se deparam com negativas.

Um dos pedidos rejeitados foi o da rabina Julia Neuberger, que nasceu em Londres em 1950, filha de uma judia que deixou a Alemanha para escapar dos nazistas anos antes. As normas não contemplam seu caso. Filhos legítimos nascidos entre 1914 e 1963 só podem adquirir a cidadania alemã de um pai alemão. Só os nascidos após esse período também podem fazê-lo com base no lado materno. “Todos consideramos isso injusto e discriminatório”, disse Neuberger.

Já o oncologista John Yarnold também foi rejeitado porque baseou seu pedido na linha materna. Sua mãe, uma judia nativa de Düsseldorf, deixou a Alemanha em 1938. Para agravar o caso de Yarnold, as autoridades consideraram que sua mãe deixou de ser alemã ao se naturalizar britânica quando se casou com seu pai, um cidadão do Reino Unido, pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial. Pelas regras, ela perdeu a cidadania alemã por inciativa própria, ao adquirir outra nacionalidade.

Em dezembro do ano passado, descendentes de alemães perseguidos pelo nazismo formaram no Reino Unido o grupo “Excluídos do Artigo 116”, em referência à seção da Constituição alemã que trata da reinstituição da cidadania. O grupo representa 140 pessoas, a maioria britânicos, mas também habitantes da Austrália, África do Sul, entre outros países, que tiveram seus pedidos de cidadania negados nos últimos anos.

Os líderes admitem que a aprovação do referendo do Brexit em 2016 foi um incentivo para a formação do grupo, e que muitos membros têm interesse em manter uma cidadania de um país-membro da UE quando o Reino Unido deixar o bloco.

Em 2018, o Ministério do Interior alemão recebeu 1.506 solicitações de britânicos com base no artigo 116. Em 2015, antes do referendo do Brexit, foram apresentados apenas 43 pedidos.

“Estivemos na Alemanha para abordar o tema com todos os partidos – com exceção da Alternativa para a Alemanha (AfD)”, disse Felix Couchman, um dos fundadores do grupo, mencionando a sigla populista de direita. “Foi interessante notar que a maioria dos partidos não sabia sobre o que se passa. Foi preciso explicar a eles o que havia de errado, mas eles em geral foram muito acolhedores.”

Segundo adiantou o ministro Seehofer, o novo decreto prevê que aqueles que tiveram seus pedidos rejeitados possam apresentá-los mais uma vez. Além disso, o texto vai garantir que descendentes de mulheres alemãs que perderam a cidadania do país natal antes de 1953 ao se casarem com estrangeiros também sejam elegíveis para a obtenção da cidadania.

O grupo Excluídos do Artigo 116 elogiou a medida, mas também frisou que ainda é preciso fazer mais. Líderes do grupo afirmam que vários pedidos de cidadania demoram até três anos para ser processados, um período muito longo para muitos membros que têm acima de 80 anos. O grupo ainda pede que a própria lei seja modificada por meio da aprovação de nova legislação sobre restituição de cidadania para abarcar mais casos.

Segundo o grupo, o decreto não contempla, por exemplo, descendentes que já vivem na Alemanha e ainda não adquiriram a nacionalidade do país.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mão robótica aprendeu sozinha como solucionar o cubo de Rubik

Provavelmente você já deve ter passado pelo desafio de deixar o cubo de Rubik, mais conhecido como cubo magico, com as cores das faces iguais. Saiba que uma mão robótica conseguiu resolver teste desafio sozinha. Provavelmente …

Planalto suspende indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada nos EUA

O Palácio do Planalto decidiu deixar em suspenso a indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, para assumir a embaixada brasileira nos Estados Unidos, em meio a uma crise política …

Preso pai de família que vivia isolada na Holanda

Ex-membro de culto de 67 anos viveu quase uma década recluso, com os seis filhos, numa zona rural. Polícia suspeita privação de liberdade. Antes fora detido um austríaco, presumível locatário do sítio. Está detido o pai …

"É muito provável que haja verdadeiros análogos da Terra", afirma novo estudo

Um novo método de análise geoquímica de planetas distantes sugere que os muitos exoplanetas semelhantes à Terra podem existir fora do Sistema Solar, de acordo com pesquisa. Há um traço comum entre rochas de asteroides, ou …

Equipe 100% feminina vai para o espaço pela primeira vez na história da NASA

As astronautas norte-americanas Christina Koch e Jessica Meir deixaram juntas nesta sexta-feira (18) a Estação Espacial Internacional (ISS) para fazer um reparo de controladores de energia, marcando a primeira vez em seis décadas da história …

Tratamento para tuberculose é recorde, mas 3 milhões não têm acesso

Em 2018, o número de pessoas que receberam tratamento para a tuberculose bateu um recorde histórico em grande parte devido a uma melhor detecção e diagnóstico da doença. Em todo o mundo, sete milhões de pessoas …

"Blob": o que é a misteriosa criatura com 720 sexos e sem cérebro

Ele não tem boca, estômago, olhos, tampouco pode detectar ou digerir alimentos. Também não tem braços ou pernas, mas consegue se locomover — e, em um único dia, dobrar de tamanho. É capaz de aprender e …

Planalto suspende indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada nos EUA

Desgaste político e crise entre clã Bolsonaro e PSL minam nomeação do filho do presidente, que dificilmente seria aprovada pelo Senado. Caso ocorre após batalha pela liderança da legenda na Câmara. O Palácio do Planalto decidiu …

EUA aplicam tarifas punitivas sobre produtos da UE

Após aval da OMC, entram em vigor aumentos tarifários de 10% e 25%, afetando 7,5 bilhões de dólares em produtos do bloco europeu. Bruxelas poderá retaliar com sanções. As autoridades de comércio dos Estados Unidos confirmaram …

Polícia libera filho do chefe do narcotráfico El Chapo depois de emboscada

Alvos de uma violenta represália dos narcotraficantes, os policiais mexicanos foram obrigados a soltar Ovidio Guzmán López, um dos filhos do célebre El Chapo, do cartel de Sinaloa, pouco depois de prendê-lo, nesta quinta-feira (17) …