Alemanha restringe uso da vacina da AstraZeneca para menores de 60 anos

Decisão foi tomada após o registro de algumas poucas dezenas de casos suspeitos de trombose entre pessoas com menos de 60 anos que receberam doses. Mais de 2,7 milhões de vacinas da AstraZeneca foram aplicadas no país.

Autoridades da Alemanha decidiram nesta terça-feira (30/03) limitar a aplicação em larga escala da vacina contra covid-19 desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford.

A decisão afeta pessoas com menos de 60 anos e foi tomada após reunião do ministro da Saúde, Jens Spahn, com os secretários de saúde dos 16 estados alemães.

Horas antes, a Comissão Permanente de Vacinação da Alemanha (Stiko, na sigla em alemão) havia recomendado que pessoas com menos de 60 anos não recebessem o imunizante da AstraZeneca.

A decisão foi motivada por suspeitas de casos de trombose venosa cerebral, sobretudo em mulheres jovens, após a vacinação. É a segunda vez este mês que o uso do imunizante é questionado e suspenso.

Conforme especialistas, a recomendação foi alterada “com base nos dados atualmente disponíveis sobre a ocorrência de efeitos colaterais tromboembólicos raros, mas muito graves”.

Em casos de pessoas com menos de 60 anos que já receberam a primeira dose do imunizante da AstraZeneca, a Stiko prevê emitir uma recomendação complementar até o final de abril. Até lá, estudos devem ser avaliados para determinar se será possível receber a segunda dose de outro imunizante de mRNA, por exemplo, o da Pfizer-BioNTech.

No entanto, pessoas com menos de 60 anos que desejarem poderão receber a vacina, desde que “a critério médico e assumindo os riscos individualmente, após serem cuidadosamente esclarecidas”.

Na noite desta terça-feira, a chanceler federal, Angela Merkel, defendeu as restrições. “A confiança vem do conhecimento de que cada suspeita, cada caso será examinado“, disse Merkel, após conversar com os governadores.

Ela acrescentou que está disposta a receber a vacina da AstraZeneca quando chegar a sua vez de ser imunizada. A chanceler tem 66 anos.

Nove casos fatais de trombose

O Instituto Paul-Ehrlich, centro de referência para a vacinação na Alemanha, detectou 31 casos de suspeita de trombose em pessoas que foram imunizadas com a vacina da AstraZeneca. Nove delas morreram, segundo informou nesta terça-feira a revista Der Spiegel.

De acordo com a publicação, em 19 casos, foi identificado um déficit de plaquetas nas amostras de sangue analisadas. Além disso, o instituto apontou que, entre os mortos, apenas dois eram homens, de 36 e 57 anos.

O Instituto Paul-Ehrlich divulgou que os demais casos se referem a mulheres com idades entre 20 e 63 anos.

Segundo o RKI, 2,7 milhões de pessoas já receberam a vacina da AstraZeneca no país.
Dúvidas causaram suspensão em quatro regiões

Após a divulgação dos dados pela Der Spiegel, Berlim, a cidade de Munique, na Baviera, e os estados de Brandemburgo e Renânia do Norte-Vestfália suspenderam a aplicação do imunizante em pessoas com menos de 60 anos.

Em uma entrevista à DW, Tobias Kurth, epidemiologista do Hospital Charite, em Berlim, disse que foi “uma precaução para não colocar as pessoas em risco desnecessariamente”.

Na segunda-feira, o distrito de Euskirchen, na Renânia do Norte-Vestfália, já havia parado de vacinar pessoas do sexo feminino com menos de 55 anos com a AstraZeneca, após a morte de uma mulher de 47 anos que havia sido imunizada dias antes. Ela morreu após trombose do seio venoso cerebral. Na mesma região, uma outra jovem, de 28 anos, apresentou o mesmo problema após se vacinar.

Este mês, a aplicação da vacina da AtraZeneca já havia sido suspensa em vários países europeus devido à ocorrência de tromboses entre os vacinados. Alguns governos acabaram retomando as vacinações depois que, em 18 de março, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) reforçou a classificação do imunizante da AstraZeneca como seguroe recomendou sua utilização. Além disso, pesquisadores da Universidade de Greifswald anunciaram ter desenvolvido uma terapia para os pacientes de trombose.

Ao todo, 21 países suspenderam total ou parcialmente o uso da vacina. Até 25 de março, 19 deles já haviam retomado a utilização, com exceção de Dinamarca e Noruega.

O que se sabe sobre a possibilidade de trombose

Até o momento, não está claro até que ponto as tromboses fatais realmente se devem à inoculação com o preparado da AstraZeneca, ou até que ponto ele sequer aumenta a probabilidade de formação de coágulos. Tampouco se sabe por que até agora não se registraram casos análogos em relação às demais vacinas de covid-19.

A EMA ressalva que tromboses em geral não ocorreram com frequência maior entre os que tomaram a vacina em questão, do que entre a população em geral. Apesar disso, em cooperação com a AstraZeneca e com o Reino Unido – onde já foram ministrados 11 milhões de doses desse imunizante – especialistas da EMA estão estudando todos os dados disponíveis sobre um possível aumento do risco de trombose.

Recentemente, a AstraZeneca comunicou que uma revisão meticulosa de todos os dados de 17 milhões de vacinados “não forneceu indício de um maior risco de embolia pulmonar, trombose venosa profunda (TVP), ou trombocitopenia”, e isso “em nenhum grupo etário definido, sexo, lote ou país específico”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …