As aranhas podem voar; e utilizam campos elétricos para fazer isso

As aranhas voam, num comportamento conhecido como “balonismo”. Agora, uma equipe de cientistas chegou à conclusão que os campos elétricos podem não só desencadear o fenômeno como também fornecer sustentação às aranhas no ar.

Sim, as aranhas voam. Quando chove, esses animais sentem vontade de migrar e, para isso, usam o vento e sua seda em um comportamento conhecido como “balonismo“.

Esse comportamento já era conhecido, mas um estudo recente, publicado esta semana na Current Biology, fez uma descoberta incrível: os campos elétricos podem não só desencadear o fenômeno como também fornecer sustentação às aranhas no ar, mesmo sem qualquer brisa.

“Esses artrópodes sem asas já foram encontrados a 4 quilômetros de altura, vagando por centenas de quilômetros”, afirmam os cientistas Erica Morley e Daniel Robert, da Universidade de Bristol, no Reino Unido. Por isso, sim, as aranhas voam.

Morley e Robert sugerem agora que as aranhas viajam tantos quilômetros através do gradiente de potencial elétrico atmosférico (GPA), um circuito elétrico entre a Terra e a ionosfera (a parte da atmosfera superior do planeta que é ionizada pela radiação solar). As tempestades são uma espécie de bateria para o GPA.

A ideia de que o balonismo das aranhas é causado por esse circuito foi levantada, pela primeira vez, nos anos 1800 por Charles Darwin, enquanto o cientista observava centenas de aranhas pousando no mar do canal de Beagle, em um dia calmo. Eventualmente, a hipótese acabou descartada sem sequer ser testada.

Em 2013, o tema voltou à tona, quando um grupo de pesquisadores apresentou a teoria de que os campos elétricos poderiam configurar parte da estratégia do balonismo das aranhas. A teoria despertou o interesse de Morley e Robert, que decidiram testar se esses animais respondiam mesmo aos campos elétricos.

Assim, os cientistas isolaram aranhas Erigone em um ambiente sem qualquer estímulo, como movimento do ar ou eletricidade atmosférica. Nele, acionaram um campo elétrico artificial para poderem observar se, de fato, acontecia alguma coisa.

E algo se comprovou: as aranhas ficaram em posição de balonismo quando o campo estava ligado, e as forças eletrostáticas do campo eram suficientes para alimentar o fenômeno. Quando desligavam o campo elétrico, os cientistas viam as aranhas apenas deslizando.

Os tricobótricos são os pelos sensoriais das aranhas, que se movem em resposta a campos elétricos. Os cientistas acreditam que esses pelos são essenciais e permitem que  detectem o GPA. “Ainda não sabemos se os campos elétricos são necessários para permitir o balonismo. Sabemos, no entanto, que são suficientes”, explicou Morley.

Até agora, os cientistas pensavam que o mais provável é que os animais usam combinações de fatores para realizar o balonismo, como a combinação do vento e do GPA. O vídeo acima mostra alguns exemplos do gênero.

Ciberia // HypeScience / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Uma poção medieval provou ser eficaz contra bactérias

Uma fórmula de mil anos de idade para o tratamento infecções nos olhos talvez leve os cientistas a um novo caminho para lutar contra a resistência aos antibióticos. A poção parece mesmo bruxaria: cebola, vinho, alho …

Microsoft confirma intenção de comprar o TikTok

Em um final de semana conturbado para o aplicativo TikTok, o presidente norte-americano Donald Trump deu um prazo de 45 dias para a Microsoft concretizar a aquisição da rede social chinesa. A notícia divulgada pela agência …

Com 200.000 mortes, América Latina é segunda região do mundo mais afetada pela Covid-19

A região da América Latina e do Caribe alcançou a fúnebre marca de 200.212 mortes pelo novo coronavírus e é a segunda no mundo mais afetada pela pandemia, depois da Europa (210.435 óbitos para …

Autoridade de saúde da administração Trump rejeita hidroxicloroquina como tratamento para COVID-19

O responsável por coordenar a aplicação de testes de COVID-19 nos EUA afirmou neste domingo (2) que não há evidências de que a hidroxicloroquina seja um tratamento eficaz contra o novo coronavírus. O secretário assistente do …

Julho foi mês mais fatal da pandemia de covid-19 no Brasil

Com quase 33 mil vítimas, julho foi o pior mês desde as primeiras infecções com o coronavírus no país. Em São Paulo, estado mais atingido, Instituto Butantan oferece testes grátis da doença respiratória na capital. O …

Ouvidos poderiam esconder coronavírus, descobre estudo

Uma equipe de cientistas da Universidade Johns Hopkins, EUA, encontrou vestígios do novo coronavírus nos ouvidos humanos, alertando que agora as autoridades médicas precisam tomar mais cuidado. Chamado de SARS-CoV-2, o novo coronavírus poderia se esconder …

Quase humano: cérebro artificial ajuda robô a realizar tarefas complexas

Pegar uma lata de refrigerante pode ser uma tarefa simples para os seres humanos, mas isso pode ser muito complexo para um robô. Isso porque ele precisa localizar o objeto, deduzir sua forma, determinar a …

Se você fizer isso, dificilmente terá câncer por toda a vida

A Sociedade Americana de Câncer acaba de atualizar o guia de dieta e atividades físicas com o objetivo de reduzir o risco de se ter câncer ou, possivelmente não ter câncer durante toda a vida. …

Nos hospitais, 70% dos profissionais se sentem despreparados para pandemia

O conhecimento sobre a covid-19 ainda é tão pouco que os médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde estão com medo e se sentindo despreparados. Ao mesmo tempo, por conta da pandemia ainda descontrolada no …

Este chef é um verdadeiro herói no lar de idosos onde trabalha

A admiração conquistada pelo chef Kevin na casa de repouso onde trabalha em Perthshire, na Escócia, não vem apenas do sabor e da beleza de cada prato montado por ele. Cozinheiro profissional desde 1995, Kevin se …