Assassinatos de 149 mineiros revelam corrida do ouro com tortura e desmatamento na Venezuela

A busca por ouro e diamante em uma das áreas mais ricas em minérios da Venezuela virou um pesadelo para os que deixaram suas cidades na expectativa de uma oportunidade de prosperar no próprio país. O lugar, sem água corrente, luz e banheiros, onde crianças trabalham, é controlado por quadrilhas, chamadas de “sindicatos”, que mandam nos mineiros inexperientes. Estes são alvos de castigos cruéis, “como tiros nas mãos” e “assassinatos”, quando desobedecem seus empregadores.

A região do Arco Mineiro do Orinoco (AMO), entre os Estados de Bolívar, do Delta Amacuro e do Amazonas, na fronteira com o Brasil, registrou a morte de pelo menos 149 mineiros desde 2016. A área de garimpo é alvo de denúncias de prostituição e de exploração sexual de adolescentes e de tráfico de mulheres e passou a ser uma ameaça para comunidades indígenas com a proliferação da malária e do mercúrio e a presença de grupos armados e casos de violência.

A situação de calamidade integra o relatório da alta comissária de Direitos Humanos das Nações Unidas, a ex-presidente chilena Michelle Bachelet, divulgado na semana passada.

“As pessoas que trabalham na região do Arco Mineiro do Orinoco estão presas em um contexto generalizado de exploração trabalhista e altos níveis de violência por parte de grupos criminosos que controlam as minas. As pessoas entrevistadas pelo ACNUDH (equipe do organismo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos) indicaram que os que não acatam as regras impostas pelas quadrilhas são alvo de castigos corporais. Os castigos incluem assassinatos”, diz o relatório.

O documento afirma que os grupos criminosos atuam com o beneplácito de comandantes militares em troca de propinas. Essa região imensa, que representa cerca de 12% do território nacional, foi criada, oficialmente, por um decreto do presidente Nicolás Maduro, em 2016. O governo a batizou de área de “desenvolvimento estratégico”. Mas a empreitada vem sendo criticada por entidades de ecologistas. Em suas redes sociais, opositores, como o deputado Americo de Grazia, do Estado de Bolívar e crítico de Maduro, se referem aos desmatamentos e a outras irregularidades provocados pela mineração, como “Arco Mineiro de Morte” (Arco Minero de la Muerte), “ouro de sangue” ou “ecocídio” (dano ambiental).

Opositores denunciam ainda que entre os “grupos criminosos” estariam integrantes das guerrilhas colombianas, mas o relatório da ONU não cita estes grupos textualmente.

Em entrevista à BBC News Brasil, o biólogo venezuelano Alejandro Álvarez, coordenador geral da ONG Clima21-Ambiente e Direitos Humanos, cujo trabalho foi citado no relatório da ONU, disse que, na sua visão, o documento deixou de incluir mais dados comprovados por pesquisadores de diferentes nacionalidades sobre a situação na região citada por Bachelet.

“O relatório poderia ter incluído ainda mais detalhes que estão disponíveis sobre quais grupos criminosos estão afetando a região da Venezuela. Existem documentos sérios sobre isso. E a parte da informação ambiental foi insuficiente. Faltou incluir, por exemplo, o nível de desmatamento na região (do Arco Mineiro do Orinoco)”, disse o especialista, que está estudando o impacto do mercúrio e outros fatores no ambiente venezuelano.

‘Mão cortada’ e ‘descalços’

O relatório das Nações Unidas, no entanto, cita detalhes da crueldade vigente nesta corrida do ouro venezuelano. O documento cita entrevistas com ex-mineiros e testemunhas da violência no local, além de fazer referências a investigações e outras denúncias prévias que já apontavam a série de males no Arco Mineiro do Orinoco. Informa que os mineiros são inexperientes neste ramo e entram nas minas sem equipamentos e até descalços.

No texto, são citados vários exemplos de crimes que ocorreram na zona do garimpo, nos últimos dois anos, entre 2018 e 2020.

“Um mineiro apanhou em público por roubar um cilindro de gás; um jovem levou tiros nas mãos por roubar um gramo de ouro; uma mulher levou uma surra por furtar um telefone de um dos integrantes do sindicato; um mineiro teve uma mão cortada por não ter declarado uma pepita de ouro”, informa-se no relatório da ONU que foi apresentado aos 47 estados membros do Conselho de Direitos Humanos, em Genebra, na Suíça. A série de crimes, descritos no documento, inclui, segundo informação recebida pelo organismo, o assassinato de dois adolescentes, executados após terem sido acusados de serem agentes infiltrados de um ‘sindicato’ adversário.

Os dramas ocorrem em um país que tem sido notícia por suas amplas dificuldades políticas, econômicas e sociais, que provocaram a saída de milhares de venezuelanos do país e que, em muitos casos, estão retornando à terra natal diante das dificuldades com a pandemia.

Fossas clandestinas

O relatório aponta ainda para o fato de corpos de mineiros mortos será jogados em fossas clandestinas. “Segundo as informações recebidas pelo ACNUDH, é frequente que cadáveres de mineiros sejam jogados em poços abandonados que funcionam como fossas clandestinas. O ACNUDH documentou cinco casos de pessoas que desapareceram enquanto trabalhavam nas minas entre 2016 e 2020. Seus familiares contaram que as pessoas da região têm medo de falar sobre os desaparecimentos”, afirma-se no relatório.

Os crimes são explicados por casos de furtos, roubos, desconfiança sobre traições amorosas e por disputas pelo controle das minas, que incluem enfrentamentos violentos que ocorreram entre março de 2016 e março de 2020, diz o relatório. Foi nestes enfrentamentos que 140 homens e nove mulheres teriam morrido, ainda de acordo com o documento. “A maioria das vítimas era de mineiros ou integrantes de grupos criminosos, alvos de gente armada e outras quadrilhas. Em oito desses incidentes, membros das forças de segurança do Estado, responsáveis pelas operações de segurança na zona, estiveram envolvidos em algumas das mortes. O ACNUDH solicitou informação ao governo (venezuelano) sobre estes incidentes, mas não recebeu respostas”, afirma-se no relatório.

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …