Casa Branca diz que não vai colaborar com inquérito

A Casa Branca informou nesta terça-feira (08/10) que não pretende cooperar com o inquérito de impeachmentque pesa contra o presidente Donald Trump, classificando a apuração como “sem base”, “inconstitucional” e “ilegítima”.

A afirmação foi feita em um comunicado oficial de oito páginas enviado à presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi. “Suas ações sem precedentes deixaram o presidente sem escolha“, disse na carta o advogado e conselheiro de Trump, Pat Cipollone.

“Para cumprir seus deveres com o povo americano, a Constituição, o Poder Executivo e todos os futuros ocupantes da presidência, o presidente Trump e seu governo não podem participar de seu inquérito partidário e inconstitucional sob essas circunstâncias”.

Cipollone ainda argumentou que o inquérito, que apura denúncias envolvendo uma conversa de Trump com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, é “inválido” porque a Câmara não efetuou uma votação formal antes de abrir um inquérito de impeachment.

Pelosi anunciou a abertura do inquérito oficial de impeachment no final de setembro, com base nas investigações que tramitam em vários comitês parlamentares, mas o plenário da Câmara não realizou uma votação formal sobre o tema.

A carta foi tornada pública pouco depois de Trump impedir que o embaixador americano na União Europeia (UE), Gordon Sondland, se apresentasse na Câmara para prestar depoimento no âmbito do inquérito. Sondland é considerado uma peça-chave no caso e já se suspeita que ele teria participado da pressão de Trump sobre a Ucrânia para que o país europeu investigasse Joe Biden, ex-vice-presidente dos EUA e pré-candidato à presidência pelo Partido Democrata nas eleições de 2020.

O depoimento de Sondland estava marcado para esta terça-feira, mas Trump decidiu vetá-lo. “Eu adoraria enviar o embaixador Sondland, um homem realmente bom e grande americano, para testemunhar”, disse o presidente, em sua conta no Twitter. “Mas infelizmente ele testemunharia diante de um tribunal canguru totalmente comprometido, onde os direitos aos republicanos foram retirados e fatos verdadeiros não foram levados ao público”, completou.

Por sua parte, Robert Luskin, advogado do diplomata, disse em um comunicado que “o embaixador Sondland está profundamente decepcionado por não poder testemunhar hoje”. Sondland havia concordado em depor, sem a necessidade de intimação,

Após o bloqueio, os chefes dos três comitês da Câmara que ouviriam o diplomata (Relações Exteriores, Inteligência e Supervisão) anunciaram que pretendem apresentar uma intimação para que Sondland compareça e apresente seu depoimento. “Nós consideramos que essa interferência é uma obstrução do processo de impeachment”, disseram os representantes dos três comitês, em comunicado.

O caso que ameaça o governo Trump estourou em setembro, quando a imprensa revelou que um informante denunciou Trump por pressionar o governo da Ucrânia a investigar um rival democrata, implicando que o presidente americano procurou ajuda externa para interferir nas eleições do próprio país.

Em um telefonema no final de julho, Trump pediu repetidamente para que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky tomasse providências para investigar o ex-vice-presidente americano Joe Biden e seu filho, Hunter.

Trump e seus aliados vêm acusando, sem provas, que o ex-vice teria pressionado pela demissão de um procurador-geral do país europeu para arquivar potenciais investigações contra seu filho, que é membro do conselho de uma empresa de gás ucraniana. Uma transcrição da conversa foi finalmente divulgada pela Casa Branca no final de setembro, confirmando que Trump abordou o caso de Biden com Zelensky.

O americano também pediu que Zelensky entrasse em contato com o procurador-geral dos EUA, William P. Barr, e com seu advogado pessoal, Rudy Giuliani, para discutir medidas em uma potencial investigação contra Biden.

Embora o americano não tenha feito nenhuma promessa específica a Zelensky em troca da colaboração, ele disse em diversos momentos que os Estados Unidos “fazem muito pela Ucrânia”. A imprensa americana e a oposição democrata especulam que o republicano tenha montado um cenário de pressão econômica para conseguir a colaboração do ucraniano.

Uma semana antes do telefonema, Trump havia suspendido uma ajuda militar de cerca de 250 milhões de dólares para a Ucrânia, que trava uma guerra em seu território contra forças apoiadas pela Rússia. Em 11 de setembro, mais de um mês após a conversa, a verba foi descongelada.

O informante ainda denunciou que membros da Casa Branca ordenaram que a transcrição da conversa de Trump com o ucraniano fosse acobertada. Segundo a denúncia, os funcionários da Casa Branca se deram conta do potencial comprometedor da transcrição da ligação e ordenaram que o conteúdo não fosse armazenado no servidor padrão para esse tipo de material. Em vez disso, a transcrição acabou sendo salva em um sistema separado, reservado para informações de acesso restrito.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Câmara dos EUA formaliza acusações contra Trump

Democratas dizem ter provas suficientes para acusar o presidente americano de abuso de poder e obstrução do Congresso. Votação sobre o impeachment no plenário da Câmara deve ocorrer na próxima semana. Congressistas democratas na Câmara dos …

Cientistas criam pele artificial que é flexível se cura como a de verdade

Cientistas da Universidade Nacional da Austrália criaram um hidrogel que funciona como a pele de verdade, com a mesma força e durabilidade. “Com a química especial que desenvolvemos no hidrogel, ele pode se reparar após ser …

Putin e Zelenski anunciam cessar-fogo na Ucrânia

Em cúpula em Paris, presidentes concordam em retomar processo de paz e prometem troca de todos os prisioneiros até o fim deste ano. Apesar de avanços, divergências sobre eleições em regiões separatistas permanecem. Os presidentes ucraniano, …

Aung San Suu Kyi vai defender Mianmar na ONU de acusações de genocídio

A prêmio Nobel da Paz defenderá seu país das acusações de genocídio da minoria muçulmana rohingya no tribunal internacional da ONU, em Haia. A Corte Penal Internacional (CPI) autorizou em novembro que Mianmar, antiga Birmânia, seja …

Em meio a "emergência climática", UE aposta em Acordo Verde

Com a UE prestes a fracassar em suas metas de redução de CO2 até 2030, todos os olhos se voltam para os planos de longo prazo da Comissão Europeia para combater a mudança climática. A nova …

Kim Jong-un "tem tudo a perder" se agir de maneira hostil, diz Trump

O presidente americano Donald Trump também disse neste domingo (8) que a Coreia do Norte tem potencial econômico, mas deve manter "boas relações" com os Estados Unidos. A mensagem de Trump foi publicada no Twitter …

Governo argentino é alvo de roubo de 10 anos de arquivos administrativos

O governo da Argentina foi alvo de um ataque por meio de um ransonware e está com cerca de 10 anos de dados públicos sequestrados desde do dia 25 de novembro. Em entrevista, a ministra da …

Lausanne, na Suíça, é a melhor cidade pequena do mundo

A cidade de Lausanne, na Suíça, foi considerada a melhor cidade pequena do mundo pela influente revista britânica “Monocle”. A publicação fez uma lista com as 25 melhores cidades pequenas do mundo, com população …

Esse organismo unicelular toma "decisões" complexas mesmo sem um cérebro

Um organismo unicelular de água fresca chamado Stentor roeseli demonstra comportamento inteligente. Ele foi descoberto em 1906, e quando estimulado no microscópio, essa criatura com formato de trompete conseguiu tomar decisões consideradas complexas para um …

Rússia é banida de eventos esportivos mundiais por quatro anos

Decisão deixará o país de fora dos Jogos Olímpicos de 2020 e da Copa do Mundo de Futebol de 2022. Agência Mundial Antidoping (Wada) conclui que Moscou manipulou dados laboratoriais de seus atletas. A Rússia está …