Câmara dos EUA anuncia abertura de processo de impeachment contra Trump

Presidente é acusado de pressionar governo da Ucrânia a investigar filho de rival democrata. “O presidente precisa ser responsabilizado. Ninguém está acima da lei”, disse a presidente da Câmara.

A presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, anunciou nesta terça-feira a abertura de um processo de impeachment contra o presidente Donald Trump.

O republicano é suspeito de pressionar o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, para que este apoiasse investigações contra Hunter Biden, filho do pré-candidato democrata à presidência Joe Biden. A pressão teria ocorrido durante um telefonema no final de julho. A revelação do caso na semana passada provocou uma tempestade política em Washington.

“Isto é uma quebra da Constituição americana”, disse a democrata Pelosi ao anunciar a abertura do processo. “O presidente precisa ser responsabilizado. Ninguém está acima da lei. Portanto, hoje estou anunciando que a Câmara dos Deputados está avançando com uma investigação oficial de impeachment.”

Segundo o jornal The New York Times, a tendência é que Pelosi determine a instalação de uma comissão especial para investigar as suspeitas que envolvem Trump. Em 1973, a Casa instalou uma comissão do tipo para investigar o então presidente Richard Nixon, mas ele acabou renunciando antes que a Câmara votasse pela admissibilidade do processo em plenário.

Os democratas têm maioria na Câmara, mas a possibilidade de um processo de impeachment prosperar até a fase final é mais improvável no Senado, que tem a palavra final sobre uma eventual saída do presidente. Os republicanos superam o Partido Democrata em número de senadores. Ainda assim, o caso tem alto potencial de desgaste para Trump a cerca de 13 meses das eleições de 2020.

Na última sexta-feira, o Wall Street Journal apontou que Trump pressionou o presidente da Ucrânia em uma ligação no final de julho a investigar tanto Biden quanto seu filho, Hunter. Na ocasião, segundo o jornal, Trump pediu a Zelensky para que seu advogado pessoal, o ex-prefeito Rudy Giuliani, pudesse atuar na investigação em conjunto com os ucranianos.

O caso em questão envolveria suspeitas sobre as ligações de Hunter com a empresa de gás de um oligarca ucraniano. Giuliani, por sua vez, também sugeriu aos ucranianos que Biden, na época em que ainda era vice-presidente, atuou para proteger seu filho. Só que membros da Justiça ucraniana disseram ao WSJ que não há evidências de alguma irregularidade na conduta de Biden ou de seu filho.

Biden, que foi vice-presidente de Barack Obama, lidera no momento as pesquisas entre os pré-candidatos democratas para se tornar o candidato que enfrentará o republicano Trump nas eleições de 2020.

No último domingo, Trump disse a repórteres na Casa Branca que o telefonema foi, sobretudo, de parabenização (o partido de Zelensky havia acabado de ganhar uma eleição parlamentar), mas admitiu que também tratou de corrupção e dos Biden. Ele, no entanto, minimizou o caso falando que não fez nada de errado.

Mas o escândalo ganhou anda mais força na segunda-feira, quando o jornal Washington Post revelou que Trump suspendeu uma ajuda militar no valor de 400 milhões de dólares para a Ucrânia dias antes do telefonema para Zelensky, levantando a suspeita de que a medida tinha como objetivo pressionar o líder ucraniano a cooperar na ação contra Biden.

Antes mesmo do WSJ revelar detalhes da conversa entre Trump e Zelensky, outra reportagem do Washington Post publicada dois dias antes já havia apontado que Trump havia sido alvo de uma denúncia na comunidade de inteligência por causa de uma conversa suspeita.

Neste caso, o diário havia indicado que um agente dos serviços de inteligência dos EUA que acompanhava a conversa — como é rotina em telefonemas de presidentes americanos – ouviu Trump fazer uma “promessa” a um “líder estrangeiro” que despertou “preocupação urgente” sobre a segurança nacional dos EUA. Inicialmente, o “líder estrangeiro” não foi identificado pelo Washington Post, mas dois dias depois o concorrente WSJ apontou que se tratava de Zelensky.

Ainda segundo o Washington Post, após o diálogo o agente registrou uma queixa anônima contra Trump na comunidade de inteligência.

Depois das reportagens, membros da Câmara pediram que o governo Trump liberasse a transcrição das conversas do presidente com Zelenski. Já o Senado não só pediu as transcrições como também solicitou que o agente que ouviu o telefonema testemunhe sobre o caso.

Trump afirmou que vai fornecer uma divulgação da transcrição. Após o anúncio da abertura do processo de impeachment, ele também atacou os democratas. “Eles nem sequer viram a transcrição da ligação. Isso é uma caça às bruxas!“, escreveu o presidente no Twitter.

Em mais de dois séculos, os deputados só concluíram duas votações para pedir o impeachment de um presidente: em 1868, contra Andrew Jackson, e em 1999, contra o democrata Bill Clinton. Em ambos os casos, os presidentes perderam na Câmara, mas acabaram permanecendo no cargo ao vencerem votações no Senado.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Britânico não pode entrar na Holanda com sanduíche e ouve: ‘Bem-vindo ao Brexit’

Um simples sanduíche de presunto, feito em casa e devidamente embrulhado em papel alumínio, foi motivo suficiente para que um motorista britânico fosse parado, interrogado e por fim perdesse o alimento na alfândega localizada na …

Inclinação de Saturno pode ser explicada pela migração de suas luas; entenda

Em um novo estudo, cientistas do French National Centre for Scientific Research (CNRS) e da Sorbonne University perceberam que a inclinação de Saturno pode ser causada pela influência da migração de suas luas — principalmente …

A verdade sobre as pessoas que "ouvem" os mortos: estudo

Cientistas identificaram os traços que podem tornar uma pessoa mais propensa a afirmar que ouve as vozes dos mortos. De acordo com novas pesquisas, uma predisposição a altos níveis de absorção em tarefas, experiências auditivas incomuns …

OMS diz não ter conhecimento de mortes relacionadas ao uso da vacina da Pfizer

A OMS não tem conhecimento de qualquer morte relacionada ao uso da vacina contra a COVID-19 produzida pelos laboratórios Pfizer e BioNTech, disse hoje (20) a diretora-geral adjunta da organização, a brasileira Mariângela Simão. "Temos uma …

QAnon ganha cada vez mais força na Alemanha

O ataque ao Capitólio nos EUA ilustrou o perigo que teorias da conspiração podem representar. Na Alemanha, o movimento tem cada vez mais adeptos – que se mantêm fiéis ao agora ex-presidente americano Donald Trump. A …

Coronavírus em Manaus: "Meu irmão morreu de covid em hospital particular, e a conta é de R$ 180 mil"

A tragédia familiar vivida pelo advogado Amaury Andreoletti ilustra o impacto emocional e também financeiro do colapso no sistema de saúde de Manaus (AM). Andreoletti, que chegou a ficar quatro dias internado e se recuperou, viu …

Biden reverte medidas de Trump e volta ao Acordo do Clima de Paris; entidades comemoram

Horas depois de assumir a Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, cumpriu a promessa de reverter uma série de medidas tomadas pelo antecessor, Donald Trump. No total, foram 17 decretos assinados …

Avião com vacinas contra covid-19 entra em rota de colisão com jato após curva errada

  Essa foi por pouco! Na manhã desta terça-feira (19), um avião monomotor com vacinas contra a covid-19 a bordo fez uma curva errada após a decolagem, e acabou entrando em rota de colisão com um …

Emaranhamento quântico é transmitido a drones separados por 1 km de distância

Fótons emaranhados foram transmitidos entre dois drones pairando a um quilômetro de distância um do outro, demonstrando tecnologia que poderia ser a base de uma internet quântica. Quando dois fótons são emaranhados quanticamente, você pode deduzir …

Joe Biden empossado 46.º Presidente dos EUA

Joe Biden tomou posse, esta quarta-feira, como Presidente dos Estados Unidos, e Kamala Harris foi empossada a primeira vice-presidente norte-americana. No seu discurso, Biden disse que "este é o dia da América, da democracia …