Novo informante aumenta pressão sobre Trump em escândalo da Ucrânia

(dr) Boris Baldinger / Fórum Econômico Mundial Copyright do Fórum Econômico Mundial / Boris Baldinger

Um segundo informante com conhecimento sobre as controversas relações entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o governo da Ucrânia prestou depoimento ao inspetor-geral da comunidade de inteligência do país, afirmou neste domingo (06/10) o advogado Mark Zaid.

Em entrevista à emissora ABC, Zaid disse que o informante, que também é agente de inteligência, teria “informações de primeira mão sobre algumas das alegações” envolvendo as acusações contra Trump.

O advogado também representa o informante responsável pela denúncia inicial contra o presidente, referente a um telefonema entre ele e o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, em 25 de julho.

Na conversa, Trump teria usado seu gabinete e a ajuda militar americana para pressionar o líder ucraniano a investigar o ex-vice-presidente Joe Biden, pré-candidato democrata à Casa Branca nas eleições presidenciais de 2020.

Segundo a transcrição do telefonema divulgada pela Casa Branca no final de setembro, Trump pediu a Zelensky que apurasse uma suspeita de que Biden, quando era vice de Barack Obama, teria agido para obstruir uma potencial investigação contra seu filho Hunter Biden na Ucrânia. O filho do democrata é membro do conselho de uma empresa de gás ucraniana.

A denúncia, que implica que o presidente estaria pedindo ajuda de um governo estrangeiro para interferir nas eleições presidenciais americanas, resultou na abertura de um inquérito de impeachment contra Trump por parte da presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi.

A existência de um segundo informante havia sido relatada pelo jornal americano The New York Times na última sexta-feira. De acordo com a publicação, o delator teria “informações mais diretas sobre os eventos do que o primeiro denunciante”.

Zaid afirmou que o segundo informante ainda não formalizou uma denúncia contra o presidente, mas já foi interrogado pelo inspetor-geral da comunidade da inteligência, Michael Atkinson.

Caso venha a fazê-lo, deverá trazer dificuldades às tentativas de Trump de qualificar a denúncia original como “totalmente imprecisa”. O delator ainda não teve contato com os comitês do Congresso que abriram inquérito sobre o impeachment de Trump.

No telefonema em 25 de julho, embora não tenha feito nenhuma promessa específica a Zelensky em troca da colaboração, o presidente americano disse em diversos momentos que os Estados Unidos “fazem muito pela Ucrânia”. A imprensa americana e a oposição democrata especulam que o republicano montou um cenário de pressão econômica para conseguir a colaboração do ucraniano.

Uma semana antes do telefonema, Trump havia suspendido uma ajuda militar de cerca de 250 milhões de dólares para a Ucrânia, que luta contra uma insurgência de grupos rebeldes apoiados pela Rússia no leste de seu território. Em 11 de setembro, mais de um mês após a conversa, a verba foi descongelada.

O presidente americano nega qualquer irregularidade ou que tenha feito algum tipo de pressão econômica sobre Zelensky. No início da semana, ele qualificou como tentativa de “golpe” o inquérito de impeachment contra ele na Câmara.

Trump ainda insiste que Hunter Biden seja investigado. Na última quinta-feira, ele sugeriu que a “China deveria iniciar uma investigação sobre os Biden”. “O que aconteceu na China é tão ruim quanto o que aconteceu na Ucrânia”, disse o presidente a jornalistas na Casa Branca, sem especificar quais seriam as suspeitas envolvendo Biden e seu filho no país asiático.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …