Trump quer que Chineses investiguem Biden

Gage Skidmore / Flickr

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Presidente volta a solicitar a ajuda de um governo estrangeiro contra filho de rival democrata. Pedido semelhante feito ao governo ucraniano já provocou a abertura de um processo de impeachment.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira que deseja que a China também investigue Hunter Biden, filho do ex-vice-presidente e pré-candidato à Presidência, Joe Biden.

O comentário ocorre em meio à crescente crise política provocada pela denúncia de que o republicano pressionou o governo da Ucrânia a investigar o seu adversário democrata. O caso já provocou a abertura de uma investigação de impeachmentcontra Trump.

A China deveria iniciar uma investigação sobre os Biden. O que aconteceu na China é tão ruim quanto o que aconteceu na Ucrânia”, disse Trump aos jornalistas na Casa Branca, antes de seguir para a Flórida para participar de um ato de pré-campanha.

O republicano afirmou ainda que “certamente” poderia pedir diretamente ao presidente chinês, Xi Jinping, que iniciasse uma investigação sobre a atividade de Hunter Biden no gigante asiático. “Eu não fiz isso, mas certamente é algo em que podemos começar a pensar”, insistiu o presidente.

Trump não especificou quais seriam as suspeitas que supostamente envolvem Hunter Biden e seu pai na China. No caso ucraniano, Trump sugeriu, sem provas, que o ex-vice teria pressionado pela demissão de um procurador-geral do país europeu para arquivar potenciais investigações contra seu filho, que é membro do conselho de uma empresa de gás ucraniana.

A afirmação carece de indícios, já que outros países da Europa haviam pedido a demissão do mesmo procurador-geral, que era acusado de ser suave no combate à corrupção. E membros do Ministério Público ucraniano disseram ao The Wall Street Journal que não havia nada substancial contra Biden e seu filho.

Ao envolver a China, Trump passou a acumular três acusações de solicitar ajuda a parceiros dos EUA para seu próprio benefício político.

Na segunda-feira, já haviam sido reveladas conversas entre Trump e o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison. No diálogo, o americano aparece pressionando o australiano a auxiliar o Departamento de Justiça dos EUA em uma investigação com o objetivo de minar as conclusões de um inquérito sobre a interferência da Rússia nas eleições de 2016.

Trump ainda demonstrou nesta quinta-feira que não pretende recuar no escândalo envolvendo a pressão sobre a Ucrânia Longe de desistir dessa ideia, Trump também reiterou que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, deveria iniciar uma investigação sobre Biden.

“Eu diria: presidente Zelenski, se eu fosse você, começaria uma investigação sobre Biden”, disse.

Em um telefonema no final de julho, Trump pediu repetidamente para que o ucraniano tomasse providências para investigar o ex-vice-presidente americano Joe Biden e seu filho, Hunter. Uma transcrição da conversa foi finalmente divulgada pela Casa Branca na semana passada, confirmando que Trump abordou o caso de Biden com Zelensky.

O americano também pediu que Zelensky entrasse em contato com o procurador-geral dos EUA, William P. Barr, e com seu advogado pessoal, Rudy Giuliani, para discutir medidas em uma potencial investigação contra Biden.

Na carta, que foi endereçada às comissões de inteligência da Câmara e do Senado, o informante afirma “que recebeu informações de que o presidente está usando o poder do seu gabinete para solicitar que um país estrangeiro interfira nas eleições americanas de 2020”. Joe Biden é pré-candidato democrata à Presidência e pode ser rival de Trump nas eleições do ano que vem.

Na semana passada,uma carta elaborada por um agente dos serviços de inteligência americanos adicionou mais elementos explosivos para o escândalo que envolve a ligação de Donald Trump a Volodymyr Zelensky.

No documento, o informante não apenas aponta que Trump usou seu poder para pressionar Zelensky a investigar seu rival democrata, como também acusa altos funcionários da Casa Branca de agirem para esconder o conteúdo da ligação, que ocorreu no fim de julho.

Segundo a denúncia, os funcionários da Casa Branca se deram conta do potencial comprometedor da transcrição da ligação e ordenaram que o conteúdo não fosse armazenado no servidor padrão para esse tipo de material. Em vez disso, a transcrição acabou sendo salva em um sistema separado, reservado para informações de acesso restrito.

O informante afirmou ainda temer que as ações de Trump “configurem riscos para a segurança nacional dos EUA e para os esforços para barrar a interferência estrangeira nas eleições do país”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Ter um cachorro pode te ajudar a viver mais, aponta estudo

Nos últimos anos diversas pesquisas apontaram as vantagens de se ter um cachorro em casa. Nossos fiéis amigos de quatro patas são muito mais do que companheiros, mas podem nos ajudar a viver mais. É …

Desde 1970 a NASA sabe que existe vida em Marte, diz ex-engenheiro da agência

Em um artigo publicado na terça-feira (15) na revista Scientific American, Gilbert Levin, um ex-engenheiro da NASA que trabalhou nas missões Viking, faz uma afirmação polêmica: a de que, desde a década de 1970, a …

Brexit: União Europeia e Reino Unido anunciam um acordo em Bruxelas

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson anunciou na manhã desta quinta-feira (17) que encontrou um "excelente novo acordo" para o Brexit com a União Europeia, a poucas horas da cúpula da UE para selar a saída …

Câmara dos EUA condena retirada militar do norte da Síria

Por 354 votos a 60, deputados rejeitaram decisão de Trump de abandonar forças curdas que lutavam ao lado dos EUA. Resolução contou com apoio de mais da metade da bancada republicana. A Câmara de Representantes dos …

Vacina contra o câncer de mama pode estar disponível em 8 anos, diz a Clínica Mayo

Pesquisadores da Clínica Mayo desenvolveram uma vacina contra o câncer ovário e de mama que poderia estar disponível dentro de apenas oito anos. A ideia da vacina é estimular o próprio sistema imunológico dos pacientes a …

Líder de Hong Kong abandona discurso no Parlamento após protestos

Parlamentares pró-democracia forçam Carrie Lam a interromper pronunciamento anual. Sem conseguir completar fala, chefe do Executivo faz discurso sobre futuro político da região administrativa especial da China em vídeo. A chefe do Executivo de Hong Kong, …

Barcelona se prepara para novos protestos, depois de noite tensa em aeroporto

A Catalunha se prepara para um novo dia de indignação, depois que milhares de ativistas pela independência cercaram o aeroporto de Barcelona, na segunda e terça-feira, para denunciar a condenação de seus líderes a sentenças …

Erdogan acusa militares sírios de bombardear posições turcas

Dois soldados turcos foram mortos na área de Manbij pelo Exército do governo sírio, disse o presidente turco Recep Tayyip Erdogan. No dia anterior foi noticiada a morte de mais dois soldados turcos durante um ataque …

Operação da PF amplia briga interna no PSL

A disputa pública pelo comando do PSL, o partido do presidente Jair Bolsonaro, ganhou um novo capítulo nesta terça-feira (15/10) quando agentes da Polícia Federal (PF) realizaram uma operação de busca e apreensão na casa …

Cidade na Itália proíbe Google Maps porque pessoas 'se perdem' o tempo todo

Serviços de emergência de Baunei já tiveram que resgatar 144 perdidos em dois anos devido ao Google Maps. O prefeito da cidade italiana de Baunei, Salvatore Corrias, proibiu o uso do aplicativo de localização geográfica Google …