Trump quer que Chineses investiguem Biden

Gage Skidmore / Flickr

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Presidente volta a solicitar a ajuda de um governo estrangeiro contra filho de rival democrata. Pedido semelhante feito ao governo ucraniano já provocou a abertura de um processo de impeachment.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira que deseja que a China também investigue Hunter Biden, filho do ex-vice-presidente e pré-candidato à Presidência, Joe Biden.

O comentário ocorre em meio à crescente crise política provocada pela denúncia de que o republicano pressionou o governo da Ucrânia a investigar o seu adversário democrata. O caso já provocou a abertura de uma investigação de impeachmentcontra Trump.

A China deveria iniciar uma investigação sobre os Biden. O que aconteceu na China é tão ruim quanto o que aconteceu na Ucrânia”, disse Trump aos jornalistas na Casa Branca, antes de seguir para a Flórida para participar de um ato de pré-campanha.

O republicano afirmou ainda que “certamente” poderia pedir diretamente ao presidente chinês, Xi Jinping, que iniciasse uma investigação sobre a atividade de Hunter Biden no gigante asiático. “Eu não fiz isso, mas certamente é algo em que podemos começar a pensar”, insistiu o presidente.

Trump não especificou quais seriam as suspeitas que supostamente envolvem Hunter Biden e seu pai na China. No caso ucraniano, Trump sugeriu, sem provas, que o ex-vice teria pressionado pela demissão de um procurador-geral do país europeu para arquivar potenciais investigações contra seu filho, que é membro do conselho de uma empresa de gás ucraniana.

A afirmação carece de indícios, já que outros países da Europa haviam pedido a demissão do mesmo procurador-geral, que era acusado de ser suave no combate à corrupção. E membros do Ministério Público ucraniano disseram ao The Wall Street Journal que não havia nada substancial contra Biden e seu filho.

Ao envolver a China, Trump passou a acumular três acusações de solicitar ajuda a parceiros dos EUA para seu próprio benefício político.

Na segunda-feira, já haviam sido reveladas conversas entre Trump e o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison. No diálogo, o americano aparece pressionando o australiano a auxiliar o Departamento de Justiça dos EUA em uma investigação com o objetivo de minar as conclusões de um inquérito sobre a interferência da Rússia nas eleições de 2016.

Trump ainda demonstrou nesta quinta-feira que não pretende recuar no escândalo envolvendo a pressão sobre a Ucrânia Longe de desistir dessa ideia, Trump também reiterou que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, deveria iniciar uma investigação sobre Biden.

“Eu diria: presidente Zelenski, se eu fosse você, começaria uma investigação sobre Biden”, disse.

Em um telefonema no final de julho, Trump pediu repetidamente para que o ucraniano tomasse providências para investigar o ex-vice-presidente americano Joe Biden e seu filho, Hunter. Uma transcrição da conversa foi finalmente divulgada pela Casa Branca na semana passada, confirmando que Trump abordou o caso de Biden com Zelensky.

O americano também pediu que Zelensky entrasse em contato com o procurador-geral dos EUA, William P. Barr, e com seu advogado pessoal, Rudy Giuliani, para discutir medidas em uma potencial investigação contra Biden.

Na carta, que foi endereçada às comissões de inteligência da Câmara e do Senado, o informante afirma “que recebeu informações de que o presidente está usando o poder do seu gabinete para solicitar que um país estrangeiro interfira nas eleições americanas de 2020”. Joe Biden é pré-candidato democrata à Presidência e pode ser rival de Trump nas eleições do ano que vem.

Na semana passada,uma carta elaborada por um agente dos serviços de inteligência americanos adicionou mais elementos explosivos para o escândalo que envolve a ligação de Donald Trump a Volodymyr Zelensky.

No documento, o informante não apenas aponta que Trump usou seu poder para pressionar Zelensky a investigar seu rival democrata, como também acusa altos funcionários da Casa Branca de agirem para esconder o conteúdo da ligação, que ocorreu no fim de julho.

Segundo a denúncia, os funcionários da Casa Branca se deram conta do potencial comprometedor da transcrição da ligação e ordenaram que o conteúdo não fosse armazenado no servidor padrão para esse tipo de material. Em vez disso, a transcrição acabou sendo salva em um sistema separado, reservado para informações de acesso restrito.

O informante afirmou ainda temer que as ações de Trump “configurem riscos para a segurança nacional dos EUA e para os esforços para barrar a interferência estrangeira nas eleições do país”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

UE exportou mais de um bilhão de doses contra Covid-19, diz Comissão Europeia

A União Europeia exportou mais de um bilhão de doses de vacinas contra a Covid-19 para mais de 150 países. Essa quantidade representa a metade das doses produzidas na Europa, de acordo com dados …

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …