Coronavírus: Por que o Chile tem, ao mesmo tempo, boa vacinação e alta taxa de contágio

O fim do verão deixa o Chile em um momento difícil na luta contra o coronavírus.

O país sul-americano vive novamente uma alta de casos de covid-19, semelhante ao que ocorreu em junho e julho, piores momentos da doença naquele país e que levou à adoção de uma quarentena rígida.

“A situação atual no Chile é muito grave. Estamos atingindo um recorde de casos por dia semelhante aos registrados nos meses mais difíceis da pandemia em 2020”, disse Juan Carlos Said, mestre em Saúde Pública pelo Imperial College Londres.

“Em termos de doentes hospitalizados, atingimos também um nível semelhante ao dos meses mais complicados, com níveis críticos de ocupação de leitos superiores a 95%, o que denota uma saturação do sistema e uma situação extremamente complexa em termos sanitários”, acrescenta.

O aumento de casos no país ocorre em um momento em que as infecções também estão apresentando repiques globalmente, devido ao surgimento de novas variantes do SARS-CoV-2 e do relaxamento de medidas, como alertado recentemente pela OMS.

A situação atual no Chile é vista por muitos como uma bandeira vermelha para o resto da América Latina, não só porque o país tem sido um dos que mais testes fez desde o início da pandemia, mas também porque está à frente em sua campanha de vacinação contra o coronavírus na região.

De acordo com o levantamento de dados sobre vacinas realizado pela Universidade de Oxford (Inglaterra), o Chile ficou em quinto lugar no mundo em doses administradas por 100 habitantes, superado apenas por Israel, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e Estados Unidos.

Assim, como explicar que, por mais avançada que esteja sua campanha de vacinação, o número de casos e internações esteja mais uma vez a par com os momentos mais críticos da pandemia em 2020?

As causas por trás do aumento

Em março, o Chile completou um ano desde que relatou o primeiro caso de covid-19. Isso ocorreu ao mesmo tempo em que registra um dos piores números de infecções desde 2020.

Segundo dados do Ministério da Saúde, desde o final de fevereiro o país voltou a ter cerca de 5 mil novos casos por dia.

Desde o início da pandemia, o Chile registrou cerca de 860 mil casos e mais de 22 mil mortes, segundo dados oficiais.

“O que estamos vendo agora no Chile é uma situação semelhante à vivida no Reino Unido após as férias de verão, em que houve uma segunda onda muito forte”, explica Claudia Cortés, da Universidade do Chile e vice-presidente da Sociedade Chilena de Infectologia, à BBC Mundo.

Os especialistas consultados pela BBC Mundo concordam que as causas do novo aumento são diversas e se devem a motivos que vão desde as políticas implementadas para conter o vírus desde o início da pandemia até ao cansaço pelas medidas um ano depois.

“O Chile nunca conseguiu um controle efetivo da pandemia. Ao contrário de alguns países europeus ou da Oceania ou da Ásia, que alcançaram um declínio significativo após a primeira onda, o que aconteceu no Chile foi que nos estabilizamos no que chamamos de alta endemia, ou seja, um número persistente de casos que nunca diminuíram “, explica Said.

Segundo o especialista, embora o país tenha desenvolvido uma capacidade “muito significativa” de realizar exames de covid, não foi muito eficaz em rastrear contatos de pessoas infectadas, o que fez com que o vírus continuasse a circular.

“Há também cansaço em relação à pandemia e, se no início a população respeitava muito as medidas e restrições, a fragilidade econômica e social do país e a elevada taxa de emprego informal, especialmente nas áreas mais pobres, fizeram com que as pessoas precisassem sair para trabalhar, apesar das limitações à mobilidade”, acrescenta.

Cortés, por sua vez, explica que outro elemento que colaborou para o aumento atual foi o relaxamento de certas restrições de mobilidade durante os meses de verão.

“O governo autorizou licenças especiais de férias e isso fez com que entre 4 e 5 milhões de pessoas se mobilizassem para diferentes áreas que hoje vivem crises muito extremas, com hospitais com leitos lotados, com percentuais muito elevados de testes positivos, em alguns casos superiores à primeira onda”, diz ele.

Nesse sentido, o Ministério da Saúde reconhece que as férias de verão desempenharam um papel fundamental na conjuntura atual.

“O aumento de casos tem a ver principalmente com o relaxamento das regras de autocuidado durante o verão, o que também aconteceu em outros países do mundo”, disse em nota enviada à BBC Mundo.

“Por isso, enquanto desenvolvemos o processo de vacinação dos grupos prioritários que hoje atinge 28,39% do total da população-alvo (15 milhões de pessoas), insistimos que todos mantenham o uso de máscara, a frequente lavagem das mãos com sabonete e água, mantenham distância física, evitando aglomerações, entre outros”, completa.

A chegada das vacinas

Diferente de vários países da região, o Chile negociou com várias empresas farmacêuticas a compra de vacinas quase desde os primeiros meses da pandemia, o que facilitou o acesso prioritário a várias marcas desde que as vacinas foram autorizadas.

Isso, aliado a um efetivo sistema de vacinação desenvolvido ao longo dos anos, permitiu que o país ficasse à frente (não apenas em nível regional, mas também entre outros países) em relação à proporção de sua população vacinada até o momento.

Segundo dados do Ministério da Saúde, até segunda-feira já haviam sido vacinadas mais de 4 milhões de pessoas (em um país de 19 milhões), proporcionalmente várias vezes mais do que outros países da região com maior população, como México, Brasil ou Argentina.

“Até o momento, já foram vacinadas no país 4.364.136 pessoas, das quais 2.688.850 são pessoas com mais de 60 anos que já participaram da campanha”, indica o ministério.

No entanto, Cortés considera que o próprio sucesso da campanha de vacinação pode ser uma das causas do surto atual, visto que muitas pessoas estavam confiantes em relação ao início das imunizações.

“Infelizmente, com o início da vacinação houve uma má gestão das informações passadas à população dando a entender que com a vacina já estava resolvido e sem passar a mensagem de que a vacina é mais um elemento na prevenção de infecções”, afirma.

“Então, quando a imunização começou, muitas pessoas pensaram que, como as vacinas já haviam chegado, o problema havia acabado e as medidas de autocuidado foram bastante relaxadas”, acrescenta.

Especialistas também não descartam que as novas variantes que circulam em vários países do mundo possam estar por trás do novo aumento, como já aconteceu em outros países.

Na segunda-feira, as autoridades chilenas reconheceram que a variante brasileira estava no país há semanas e, antes disso, também identificaram a variante britânica.

“A questão é que no Chile as determinações das variantes estão sendo feitas de forma mais ou menos isolada. Sabemos que temos a variante do Reino Unido e foi informado que tínhamos a variante brasileira. Não há relatos no momento sobre a variante sul-africana, mas na comunidade científica não sabemos se não há relatos porque não há casos ou porque não estão procurando nesse sentido”, afirma.

“Por isso, como comunidade científica, solicitamos a realização de um estudo mais sério para determinar as variantes em circulação”, afirma.

A eficácia das vacinas

O fato de o Chile estar na liderança em nível regional em relação à vacinação, em um momento em que os casos voltam a aumentar, não só levou as autoridades a decretar novas quarentenas, mas também levou muitos a questionarem como é possível que isso aconteça.

No entanto, os especialistas consultados pela BBC Mundo concordam que as vacinas são eficazes, mas não são “mágicas” para reduzir as infecções de um dia para o outro.

“Não há contradição entre aumento de casos e vacinas. Realmente estaríamos pedindo algo que não se pode esperar das vacinas. As vacinas não funcionam imediatamente”, explica Said.

“Muitas vacinas, como a Sinovac, que é a maioria aqui, exigem a aplicação de duas doses em intervalos de três semanas e a imunidade máxima começa a ser alcançada a partir da segunda semana após a segunda dose”, explica.

“Portanto, embora o Chile tenha vacinado 20% da população com a primeira dose, menos de 5% receberam duas doses da vacina e estão efetivamente imunizados”, afirma.

Segundo a infectologista, para que os efeitos das doses sejam visíveis, um número muito maior da população deve ser vacinada com elas.

“Em termos populacionais, para diminuir o número de internações e óbitos, a vacina é eficaz quando 80% da população está vacinada. E ainda estamos muito longe disso”, afirma.

Said estima que o país começará a ver os primeiros resultados na diminuição do número de internações e óbitos até o final de março, se conseguir manter a atual taxa de vacinação.

No entanto, ela não espera que as infecções diminuam na mesma proporção.

“Isso porque no Chile está sendo usada a vacina Sinovac, que é menos eficaz na prevenção do contágio do que outras, como a da Pfizer”, explica.

“A maior eficácia está no fato de que é capaz de prevenir hospitalizações e mortes quase da mesma forma que outras. Então o primeiro impacto que veremos é uma redução de mortes e internações provavelmente no final de março. E a redução de infecções provavelmente vai demorar mais tempo e dependerá de atingir um ponto de imunidade de rebanho “, estima.

Até que se chegue a esse ponto, o Ministério da Saúde recomenda não “baixar a guarda”.

“Insistimos em manter sempre as medidas de autocuidado que atualmente são as mais eficazes até atingirmos a imunidade de rebanho, que esperamos alcançar até o final do primeiro semestre”, diz o órgão.

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …