Cientistas criam algodão que brilha no escuro

Os cientistas andam criando diversos materiais “inteligentes”, como uma nova resina de polímero que pode fechar feridas, fios de nanotubos de carbono que podem gerar eletricidade, entre outros.

O que essas tecnologias têm em comum é que todas dependem de revestimentos superficiais que transformam substâncias “normais” em novas ferramentas. Isso é um problema porque, quanto mais são usadas, menos funcionais se tornam por conta do desgaste natural.

Agora, pesquisadores tentaram resolver esse problema inserindo uma funcionalidade diretamente nos blocos de construção fundamentais dos materiais.

E parece que estão no caminho certo. De acordo com um estudo publicado na Science, uma equipe de cientistas conseguiu criar um algodão que brilha naturalmente no escuro, cultivando a planta de forma que ela incorpora moléculas fluorescentes em suas fibras.

O método

Os cientistas conseguiram fazer isso sintetizando compostos chamados derivados de glicose, que atuaram como uma “cola” molecular para conectar as moléculas fluorescentes à camada celular mais externa das fibras de algodão.

No mesmo experimento, eles usaram essas “conexões vasculares” para anexar uma molécula que conferia magnetismo às fibras de celulose a que estavam ligadas.

“A fluorescência e as propriedades magnéticas foram nossa prova de princípio – as aplicações estão agora abertas”, disse o autor principal do estudo, Filipe Natalio, do Instituto Weizmann de Ciência, em Israel, ao portal Inverse.

“As abordagens atuais para produtos têxteis inteligentes usam revestimentos. Em nossa abordagem, a molécula funcional será tecida juntamente com outros blocos de construção”, explica.

Natalio exalta as aplicações potenciais da técnica, como transformar materiais naturais em um meio para armazenar dados, e também a ideia de usar uma matéria-prima como o algodão, que foi escolhida para este estudo por causa de sua “importância econômica e longo relacionamento com humanos”.

Será que um dia chegaremos lá?

No futuro, ele prevê uma série de estufas hidropônicas autossustentáveis nas quais os cientistas poderão simplesmente adicionar a molécula funcional de escolha no recipiente de água e observar suas “plantas inteligentes” crescerem.

Natalio está pensando no conceito da “nova era da agricultura material”, a ideia de manipular quimicamente um sistema biológico – seja algodão, linho ou bambu – e colher o produto final por suas propriedades personalizadas.

O pesquisador tem o cuidado de ressaltar, no entanto, que isso não é engenharia genética, ao contrário do estudo que criou coelhos para brilhar no escuro, por exemplo.

Ciberia // HypeScience

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …

Projeto de estrada cortando parque das cataratas de Iguaçu ameaça outras áreas de proteção pelo Brasil

Uma das paisagens naturais mais impressionantes do Brasil e reconhecida pela Unesco, o Parque Nacional do Iguaçu, que abriga as cataratas, no Paraná, pode ser cortado ao meio por uma rodovia asfaltada – em …

Por que a imunidade de rebanho está longe de ser realidade

Embora costume ser apresentada como simples cálculo matemático, alcançar a imunidade de rebanho não é tarefa fácil. Ela não só depende da infecciosidade das variantes, como da adoção de medidas sanitárias pela população. Apesar das campanhas …

Uso de maconha na adolescência pode atrapalhar o desenvolvimento do cérebro

O consumo de maconha pode ser prejudicial ao cérebro humano durante a adolescência, de acordo com estudo publicado na última quarta-feira (16). Segundo a pesquisa, realizada em regiões da Europa, o uso recreativo da planta pode …

EUA terão feriado para comemorar fim da escravidão

Data já celebrada na maioria dos estados vai se tornar feriado federal. O "Juneteenth" lembra dia em que os últimos escravos negros foram libertados no país, em 1865. Após aprovação pelo Congresso dos Estados Unidos na …

5 perguntas sobre os denisovanos, 'parentes' extintos dos humanos modernos que viveram na Terra há 50 mil anos

Desde que os primeiros vestígios dos denisovanos foram descobertos em 2008, os cientistas não descansaram tentando obter mais informações sobre eles. A tarefa, no entanto, não tem sido fácil, porque até agora só foram encontrados pequenos …

Calheiros anuncia nome das 14 pessoas que passaram de testemunhas a investigados na CPI da Covid

Segundo senador, é preciso mudar o "patamar" da investigação pois já há provas e indícios concretos contra as pessoas inseridas na lista, que agora será encaminhada ao presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM). Nesta sexta-feira (18), …

Turistas “madrugam” para visitar Disneyland Paris, que reabre após oito meses por causa da pandemia

Depois de oito meses de portas fechadas, o parque Disneyland Paris reabriu para o público nesta quinta-feira (17). A atração, um dos principais destinos turísticos da Europa, volta a funcionar, mas mantém medidas sanitárias …

Cientistas desvendam mistério de 'apagamento' de estrela gigante Betelgeuse

Astrônomos dizem que solucionaram o mistério sobre por que uma das mais conhecidas estrelas que iluminava o céu à noite começou a perder o brilho há cerca de um ano. Betelgeuse, uma supergigante vermelha da …

Portugal isola Lisboa para conter disseminação de variante

Em meio a alta de casos e difusão da variante delta do coronavírus, detectada inicialmente na Índia, governo português restringe circulação para dentro e para fora da região metropolitana da capital no fim de semana. Em …