Cientistas descobrem porque algumas pessoas não acreditam no que os cientistas descobrem

Si2 / Deviant Art

A Sociedade da Terra Plana, por Si2

A Sociedade da Terra Plana, por Si2

Se está na internet, é verdade! De acordo com um novo estudo, uma das maiores mudanças culturais dos últimos tempos foi o surgimento de notícias falsas, na qual afirmações sem evidências por trás delas são compartilhadas como fatos ao lado de reais evidências.

As vacinas matam crianças, as alterações climáticas não existem, o Homem nunca pôs o pé na Lua, e a Teoria da Evolução das Espécies é uma invenção: o Homem nunca pode ter vindo do macaco, porque o olho é demasiado complexo. Está tudo na Internet.

Os pesquisadores cunharam esta tendência de “movimento anti-iluminista”.

Uma equipe de psicólogos identificou alguns dos fatores-chave que podem levar as pessoas a rejeitar a ciência – e não tem nada a ver com grau de instrução ou de inteligência delas.

Os cientistas descobriram que as pessoas que rejeitam o consenso científico geralmente estão tão interessadas na ciência e são tão bem educadas quanto o resto de nós.

A questão é que, quando se trata de fatos, as pessoas pensam mais como advogados do que como cientistas, o que significa que elas “escolhem” os fatos e os estudos que respaldam o que elas já acreditam ser verdade.

Portanto, se alguém não pensa que os seres humanos estão causando mudanças climáticas, ignorará as centenas de estudos que apoiam essa conclusão, e se prenderá ao único estudo que puder encontrar que coloca em dúvida essa visão.

Isso também é conhecido como viés cognitivo.

As pessoas fogem dos fatos para proteger todos os tipos de crenças, incluindo a religiosa, a política e até mesmo simples crenças pessoais, como qual é o navegador web mais rápido ou o sistema operativo de celular mais seguro.

“As pessoas tratam os fatos como mais relevantes quando eles tendem a apoiar suas opiniões. Quando os fatos são contra suas opiniões, eles não os negam necessariamente, mas dizem que são menos relevantes”, explica Troy Campbell, da Universidade de Oregon, nos EUA, e um dos autores do estudo.

Evidências não bastam

Os resultados do estudo de Campbell e seus colegas sugerem que simplesmente se concentrar nas evidências e dados não é suficiente para mudar a mente de alguém sobre um determinado tópico, uma vez que a pessoa provavelmente terá seus próprios “fatos” para disparar de volta.

“Onde há conflito sobre riscos sociais – das mudanças climáticas à segurança de energia nuclear aos impactos das leis de controle de armas -, ambos os lados invocam o manto da ciência”, disse outro membro da equipe, Dan Kahan, da Universidade de Yale, nos EUA.

Em vez disso, os pesquisadores recomendam examinar as “raízes” da falta de vontade das pessoas em aceitar o consenso científico e tentar encontrar um terreno comum para introduzir novas ideias.

“Ao invés de assumir as atitudes superficiais das pessoas diretamente, é melhor adaptar a mensagem para que ela se alinhe com a sua motivação”, disse Matthew Hornsey, professor de psicologia da Universidade de Queensland, na Austrália.

“Assim, com os céticos do clima, por exemplo, você descobre no que eles podem concordar e, em seguida, foca as mensagens climáticas para se alinhar com isso”.

De onde vem esta negação da ciência? Uma grande parte do problema, segundo os cientistas, é que as pessoas associam conclusões científicas com afiliações políticas ou sociais.

As pessoas sempre têm “escolhido” os fatos nos quais acreditam quando se trata de ciência – isso não é nada novo. Mas não foi um problema tão grande no passado porque as conclusões científicas eram geralmente concordadas por líderes políticos e culturais, e promovidas como sendo as melhores decisões para o bem geral.

Hoje em dia, porém, os fatos científicos estão sendo empunhados como armas em uma luta por supremacia cultural, e o resultado é o que os pesquisadores chamam de “ambiente poluído de comunicação científica”.

Segundo os psicólogos, as apostas são muito altas para continuar a ignorar o “movimento anti-iluminista”. “Os movimentos antivacinação custaram vidas”, disse Hornsey.

Segundo alguns cientistas, os movimentos anti-vacinação nos EUA são responsáveis por ter feito reaparecer doenças que estavam erradicadas nos Estados Unidos, tendo provocado uma regressão de décadas na medicina familiar no país.

“O ceticismo das mudanças climáticas retarda a resposta global à maior ameaça social, econômica e ecológica do nosso tempo. Crescemos em uma era em que se supunha que a razão e a evidência eram a maneira de entender questões importantes, não medo, interesses, tradição ou fé”, acrescenta Hornsey.

“Mas o surgimento do ceticismo climático e o movimento antivacinação nos fizeram perceber que esses valores de iluminismo estão sob ataque”, alerta o cientista.

Hornsey, Campbell e colegas apresentaram o estudo no simpósio “Rejection of Science: Fresh Perspectives on the Anti-Enlightenment Movement“, durante a convenção anual da SPSP – Sociedade para a Personalidade e Psicologia Social.

Naturalmente, o estudo explica o grande erro que os céticos estão cometendo por não acreditar nos cientistas, ou é mais uma propaganda dos conspiradores da ciência.

Tal como você já sabia.

Ciberia // HypeScience

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …