Cientistas descobrem porque é que às vezes o tempo voa

Cientistas do Centro Champalimaud, em Portugal, identificaram circuitos de neurônios no cérebro de ratinhos que modulam a estimativa do tempo decorrido, ajudando a perceber porque é que o “tempo parece voar” em situações divertidas e “ficar parado” em momentos chatos.

A pesquisa, publicada na Science, descobriu que “a manipulação da atividade de certos neurônios no cérebro do ratinho levava esses animais a subestimar ou sobrestimar a duração de um intervalo de tempo fixo”, refere um comunicado divulgado essa quinta-feira (9) pelo Centro Champalimaud.

“Os cientistas identificaram, pela primeira vez, circuitos neurais que modulam a estimativa do tempo decorrido – pelo menos no cérebro do ratinho”, acrescenta.

Os resultados do trabalho, de Joe Paton, pesquisador principal do Learning Lab, de Sofia Soares, estudante de doutoramento, e de Bassam Atallah, pós-doutorado, dão uma resposta neurobiológica à antiga questão de perceber como o cérebro consegue produzir estimativas tão variáveis do tempo decorrido.

O tempo voa, o tempo passa, o tempo para. Todas essas expressões mostram o quão variável pode ser nossa percepção da passagem do tempo”, refere o comunicado.

Esse foi o ponto de partida da pesquisa que pretendia perceber como é que o cérebro humano constrói essa experiência tão subjetiva.

Os resultados obtidos “também poderão ajudar a explicar porque é que o tempo parece voar quando nos divertimos e ficar parado quando não temos nada para fazer”, explica o Centro Champalimaud.

O grupo de neurocientistas estuda há vários anos as bases neurais da avaliação da passagem do tempo, no âmbito de um objetivo mais abrangente de perceber como o cérebro aprende a relacionar causas com efeitos, mesmo ao longo de grandes períodos de tempo.

Os cientistas se focaram num tipo de neurônios que libertam dopamina, um dos “mensageiros” químicos, ou neurotransmissores, utilizados pelo cérebro, e que fazem parte de uma zona profunda, a substantia nigra pars compacta, que está envolvida no processamento temporal.

“Esses neurônios dopaminérgicos estão implicados em muitos dos fatores e perturbações psicológicos associados a alterações na estimativa do tempo”, tais como motivação, mudanças sensoriais, atenção, novidade e emoções como medo ou alegria, escrevem os autores.

Nos seres humanos, a destruição da substantia nigra provoca a doença de Parkinson, que também é acompanhada de deficiências da perceção do tempo.

Quanto à possibilidade de extrapolar as conclusões do estudo para os seres humanos, segundo os autores, “é muito provável que um circuito semelhante exista no cérebro humano, mas o obstáculo que impede de tirar essa ilação é que o que agora mediram no ratinho não pode ser considerado uma perceção, porque os animais não conseguem dizer o que sentiram”.

// ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …