Excesso de cocaína nos rios deixa enguias hiperativas (e em risco de extinção)

A presença de vestígios de drogas, como cocaína, em rios e lagos da Europa está pondo em risco a sobrevivência das enguias. A conclusão é de um estudo que apurou que esses animais aquáticos ficam hiperativos e com severos danos em contato com a substância.

Vários estudos têm apontado como os rios e lagos europeus têm vestígios de drogas, como cocaína e ecstasy, que chegam aos cursos de água através dos sistemas de tratamento de esgoto.

Uma equipe de biólogos da Universidade de Nápoles Federico II, na Itália, resolveu estudar o impacto de uma dessas drogas, a cocaína, na vida das enguias. E a conclusão é de que “todas as principais funções desses animais podem ser alteradas“, como explica a pesquisadora que liderou o estudo, Anna Capaldo, na National Geographic.

Os pesquisadores colocaram enguias em águas contendo cocaína equivalente à que foi encontrada nos rios europeus, durante 50 dias.

“As enguias expostas a cocaína pareciam hiperativas, mas mostravam o mesmo estatuto de saúde geral de outros grupos”, explicam os biólogos no estudo publicado no jornal Science of the Total Environment. Contudo, “seus músculos esqueléticos mostraram evidências de lesões graves, incluindo colapso muscular e inchaço”, frisam.

“Essas mudanças ainda estavam presentes 10 dias depois da interrupção da exposição à cocaína”, refere o estudo, notando que a cocaína se acumulou no cérebro, nos músculos, nas guelras, na pele e em outros tecidos dos animais.

A conclusão é que, “mesmo concentrações ambientais baixas de cocaína, causam danos severos à morfologia e fisiologia do músculo esquelético da enguia prateada”, o que reflete o “impacto nocivo” da droga na “sobrevivência” da espécie, relevam os autores da pesquisa.

“Causa especial preocupação o fato de a cocaína ter aumentado os níveis de cortisol, um hormônio de estresse que induz o consumo de gordura”, explica Anna Capaldo à National Geographic. “O problema é que as enguias europeias precisam acumular gordura antes de migrarem para o Mar dos Sargaços para se reproduzirem, e níveis mais altos de cortisol podem atrasar o tempo dessa jornada”, frisa a pesquisadora.

As enguias passam entre “15 e 20 anos em águas frescas ou salobras em cursos de água europeus, antes de atravessarem o Oceano Atlântico para desovar no Mar dos Sargaços, a leste do Caribe e na costa leste dos EUA”, explica a National Geographic.

O inchaço ou colapso muscular provocado pela cocaína podem impedir as enguias de sequer conseguirem chegar ao Mar dos Sargaços.

Outro problema está relacionado aos níveis elevados de dopamina que podem impedi-las de atingirem a maturidade sexual, pelo que “a reprodução das enguias poderia ser prejudicada”, nota Anna Capaldo.

A população selvagem de enguias é considerada “criticamente ameaçada” devido a fatores como barragens, pesca excessiva e a poluição das águas.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Pessoal,

    A matéria sobre as enguias européias está muito boa, mas você erraram na foto.

    Esta é de um poraquê amazônico (Electrophorus electricus) e não de uma enguia européia (Anguilla anguilla).

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas resolvem enigma de esculturas de pedra de 3.200 anos da Turquia

Um recente estudo permitiu descobrir finalmente o significado e a função dos relevos em pedra criados há 3.200 anos no santuário de Yazilikaya, na Turquia, após 200 anos de conjeturas. No século XIII a.C., a alguns …

EUA não devem esperar retomada do diálogo com Pyongyang, diz irmã de Kim Jong-un

As expectativas de retomada do diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte são erradas, podendo levar a uma "decepção ainda maior", declarou a irmã do líder norte-coreano. Na terça-feira (22), Kim Yo Jong, alta …

Ministro da Saúde diz que não há mudança de estratégia para a Coronavac

No início desta segunda-feira (21), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, revelou que não haverá qualquer mudança de estratégia para a aplicação da CoronaVac. A declaração do ministro foi feita em audiência ao Senado Federal, revelando …

Há 80 anos, Hitler invadia a URSS – e começava a perder a guerra

Adolf Hitler e seus generais vinham planejando há meses para este momento. No domingo, 22 de junho de 1941, havia chegado a hora: às 3h15 da manhã, a Wehrmacht, forças armadas nazistas, atacou a União …

Com apenas 2% da população imunizada, África quer fabricar suas próprias vacinas anticovid

A África do Sul anunciou nesta segunda-feira a primeira etapa para capacitar seu continente na produção de vacinas anticovid. A conclusão do projeto ainda não tem data prevista, mas a iniciativa já é vista …

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …