Conflito tem seu dia mais sangrento em Gaza

The Israel Defense Forces

Bombardeios israelenses deixam pelo menos 42 palestinos mortos e elevam total de vítimas a 188. Netanyahu diz que ataques continuarão.

Sem um cessar-fogo à vista, o atual conflito entre Israel e Hamas teve neste domingo (16/05) seu dia mais sangrento, com a morte de 42 palestinos na Faixa de Gaza vítimas de bombardeios israelenses.

O conflito começou na segunda-feira passada com hostilidades em Jerusalém e logo virou o mais intenso combate na região desde 2014. Já são pelo menos 188 mortos em Gaza – incluindo 55 crianças – e oito em Israel.

Israel disse na manhã de domingo que sua “onda contínua de bombardeios” havia atingido nas últimas 24 horas mais de 90 alvos em Gaza, onde a destruição de um prédio que abriga organizações de imprensa desencadeou ampla condenação internacional.

O Hamas e o grupo aliado Jihad Islâmica dizem que 20 de seus combatentes foram mortos desde que os combates eclodiram na segunda-feira e que as demais mortes foram todas civis. Israel afirma que o número real de não civis mortos é muito superior.

Em sete dias de confronto, o Hamas e seus aliados já lançaram mais foguetes contra Israel do que em todo o conflito de 2014.

Secretário-geral da ONU “consternado”

Nas mídias sociais, se espalham imagens de equipes de emergência trabalhando para retirar corpos de vastas pilhas de escombros e edifícios derrubados, enquanto parentes choram de horror e tristeza.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, declarou estar “consternado” com as baixas civis em Gaza e “profundamente perturbado” com o ataque de Israel contra o prédio que abrigava a Associated Press e os escritórios da Al Jazeera, ainda que a evacuação do edifício tenha sido ordenada antes.

O Exército de Israel diz que, desde o início do conflito, cerca de 3 mil foguetes foram disparados em direção a Israel. Deles, 450 caíram na própria Faixa de Gaza, e mais de mil foram interceptados pelo escudo antimísseis israelense. Vários prédios israelenses foram atingidos, deixando, segundo o governo, mais de 500 pessoas feridas desde o início do conflito.

“Israel respondeu com força aos ataques, e é assim que vai continuar a responder até que a segurança do povo seja restaurada”, afirmou o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

Cruz Vermelha: ataques não cessam

“A intensidade do conflito é algo que nunca vimos antes, com ataques aéreos sem parar em Gaza, que é densamente povoada, e foguetes chegando às grandes cidades de Israel”, disse o Comitê Internacional da Cruz Vermelha. “Como resultado, crianças estão morrendo em ambos os lados”.

Neste domingo, o Papa Francisco disse que a violência corria o risco de degenerar ainda mais “em uma espiral de morte e destruição”. “Aonde o ódio e a vingança vão levar? Pensamos realmente que construiremos a paz destruindo o outro”?, indagou.

O conflito militar mais sangrento dos últimos sete anos também desencadeou uma onda de protestos em outros países e ataques mútuos entre judeus e árabes-israelenses. Houve também confrontos na Cisjordânia ocupada, com 19 palestinos mortos desde a última segunda-feira.

Os combates começaram na segunda-feira, depois que o Hamas, grupo que comanda a Faixa de Gaza, disparou foguetes contra Jerusalém e Tel Aviv em retaliação à repressão policial israelense a palestinos perto da mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém. A mesquita é o terceiro local mais sagrado do islã, em Jerusalém Oriental, atrás apenas de Meca e Medina.

Colaborou para a eclosão do conflito a ameaça de despejo de quatro famílias palestinas do bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental, em favor de colonos judeus. A ONU urgiu Israel a suspender os despejos e disse que eles poderiam equivaler a “crimes de guerra”.

Israel considera Jerusalém sua capital, incluindo a parte leste, cuja anexação por Israel não recebeu reconhecimento internacional. Os palestinos reivindicam essa parte da cidade como capital do Estado que buscam criar na Cisjordânia e em Gaza.

Sem cessar-fogo à vista

A Anistia Internacional apelou hoje ao Tribunal Penal Internacional para que investigue os recentes ataques em Gaza, especialmente contra o edifício de órgãos de comunicação e um campo de refugiados. Neste último, morreram dez pessoas, oito delas crianças. Para a ONG, trata-se de “crimes de guerra”.

O Conselho de Segurança da ONU começou a se reunir neste domingo para discutir o conflito, em meio à críticas de que os EUA, membro permanente, não estariam fazendo o suficiente para pressionar seu aliado Israel a cessar os bombardeios.

O chefe da diplomacia europeia convocou para terça-feira uma reunião de emergência dos ministros do Exterior da União Europeia por videoconferência para discutir a escalada da violência.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …