Coronavírus: custo alto pode deixar países mais pobres sem acesso a vacina contra covid-19

A geneticista molecular Kate Broderick faz parte de uma equipe de cientistas por trás de um dos 44 projetos que tentam desenvolver uma vacina para a covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, em todo o mundo.

Ela é uma das pesquisadoras da empresa de biotecnologia americana Inovio, que planeja ter 1 milhão de doses prontas no início de dezembro. Mas onde ela chegará e quem vai recebê-las? É uma pergunta que muitas vezes vem à mente de Broderick: a cientista escocesa tem uma irmã que trabalha como enfermeira no Serviço Nacional de Saúde britânico, o NHS, na sigla em inglês.

“Minha irmã está lutando todos os dias para ajudar as pessoas a enfrentar esta doença. Então, sim, eu me preocupo em termos suprimentos para todos“, diz ela à BBC.

“Precisamos que esta vacina esteja pronta”, acrescenta.

‘Distribuição desigual’

Mas já existem preocupações a respeito de como soluções como a da Inovio podem acabar sendo “monopolizadas” por países mais ricos.

Um dos que alertam para esse risco de “lacuna de imunização” é o epidemiologista Seth Berkley. Ele é CEO da The Vaccine Alliance (Gavi), uma parceria global em saúde de organizações do setor público e privado comprometidas em aumentar o acesso à imunização em 73 dos países mais pobres do mundo.

Entre seus membros está a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Precisamos discutir isso agora, mesmo que ainda não haja uma vacina disponível”, diz Berkley à BBC. “O desafio será garantir que haja vacinas suficientes para as pessoas que precisam dela nos países ricos, mas também para as que precisam nos países pobres. É claro que estou preocupado. Maus comportamentos sempre acontecem com mercadorias raras. Precisamos fazer a coisa certa aqui”, acrescenta.

O temor de Berkley não é infundado: o acesso desigual já ocorreu — e vem ocorrendo — com vacinas anteriores.

Recentemente, o jornal alemão Welt Am Sontag citou funcionários do alto escalão do governo para relatar que o presidente dos EUA, Donald Trump, tentou — e fracassou — garantir acesso exclusivo dos americanos a uma vacina que está sendo desenvolvida pela empresa alemã de biotecnologia CureVac.

Lacuna da hepatite B

Um excelente exemplo dessa lacuna de imunização é a vacina contra a hepatite B, vírus que é a principal causa de câncer de fígado e é 50 vezes mais infeccioso do que o HIV, segundo a OMS. Estima-se que 257 milhões de pessoas em todo o mundo viviam com hepatite B em 2015. A imunização contra a doença tornou-se disponível nos países mais ricos em 1982, mas em 2000 menos de 10% dos países mais pobres do mundo tinham acesso à vacina.

Criada em 2000 por Bill e Melinda Gates, a Gavi ajudou a diminuir significativamente esse atraso com outras vacinas, graças a acordos com governos e empresas farmacêuticas.

Outro ator importante é a Coalition for Epidemic Preparedness Innovations (Coalizão para inovações em Preparação para Epidemias ou Cepi, na sigla em inglês), uma agência da Noruega criada em 2017 para financiar o desenvolvimento de vacinas usando dinheiro de doações públicas e privadas.

O Cepi defende abertamente o acesso igualitário às vacinas. “Como a covid-19 demonstra, as doenças infecciosas ignoram completamente as fronteiras políticas”, afirmou a instituição por meio de um comunicado. “Não podemos prevenir ou conter uma ameaça global de doenças infecciosas sem uma distribuição justa de vacinas.”

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

MDZhB: a misteriosa rádio soviética que segue emitindo sinais e ruídos há quase 50 anos

Uma misteriosa estação de rádio segue ininterruptamente transmitindo somente ruídos estáticos interrompidos por sons robóticos há mais de quatro décadas. Conhecida como UVB-76 ou MDZhB, os sinais da rádio são transmitidos de dois diferentes pontos da …

Atmosfera da Terra primitiva pode ter sido tão tóxica quanto a de Vênus hoje

Pesquisadores tentaram reproduzir o equilíbrio delicado entre os gases que evaporaram do oceano de magma e a atmosfera que eles podem ter criado, e descobriram que esta seria fina e composta por dióxido de carbono …

Enorme monolito misterioso descoberto no deserto de Utah

Uma ocorrência totalmente comum. Você está em um helicóptero sobrevoando uma região remota do sul de Utah contanto cabras e bodes selvagens, quando de repente avista um monolito inexplicável saindo do solo. A KSL TV, relatou …

Funcionário de funerária é demitido após tirar selfie com corpo de Maradona

Foi demitido o funcionário da funerária responsável pelo velório do ex-jogador Diego Armando Maradona que tirou uma foto ao lado do caixão com o corpo do astro, enterrado nesta quinta-feira, dia 26, na Grande Buenos …

Museu de Londres reunirá relatos de sonhos de britânicos na pandemia

Projeto visa documentar mudanças no sono causadas pelo confinamento e pela crise gerada com a covid-19, além de coletar narrativas sobre o período para gerações futuras. Mudanças no sono aparentemente têm sido comuns durante a pandemia …

'O Gambito da Rainha': série da Netflix ignora sexismo no xadrez, diz ex-campeã

Existem várias cenas comoventes em O Gambito da Rainha, a série da Netflix que conta a história fictícia de Beth Harman, uma jovem prodígio do xadrez da década de 1960. Em uma delas, um jogador experiente …

Detectada "partícula fantasma" no Sol que confirma teoria da década de 1930

Uma equipe internacional de cientistas conseguiu, pela primeira vez, detectar diretamente a presença do ciclo carbono-nitrogênio-oxigênio (CNO) na fusão nuclear do Sol. Este ciclo representa uma das reações de fusão pelas quais as estrelas convertem hidrogênio …

Musk acertou? Tesla se aproxima dos US$ 500 bilhões de valor de mercado

Nesta segunda-feira (23), a Tesla atingiu o valor de mercado de US$ 498 bilhões. E isso em um momento em que não se sabe se a empresa vai conseguir atingir a sua meta de entregar …

Papai Noel é considerado 'trabalhador essencial' na Irlanda

Na mesma semana em que novas restrições de viagem foram colocadas em prática no Reino Unido e na Irlanda diante dos estragos causados pela segunda onda da pandemia de covid-19 na Europa, a Irlanda fez …

Especialistas da ONU advertem sobre viés racista em algoritmos

Os países devem fazer mais para combater o racismo, principalmente nos algoritmos de inteligência artificial utilizados para reconhecimento facial e controles policiais. Essas ferramentas podem reforçar discriminações, alertam especialistas da ONU. Segundo a especialista jamaicana …