Coronavírus terá impacto no PIB chinês e na economia global

A nova epidemia de coronavírus é um balde de água fria na cabeça do mundo. A começar pelos chineses. Em 2003, o último vírus mortal se propagando pelo mundo inteiro – o SARS – também partiu da China. Na época, o governo de Pequim tentou esconder as informações, não só para a Organização Mundial da Saúde e os médicos de outros países, mas também para a sua própria população.

A nova epidemia de coronavírus é um balde de água fria na cabeça do mundo. A começar pelos chineses. Em 2003, o último vírus mortal se propagando pelo mundo inteiro – o SARS – também partiu da China.

Na época, o governo de Pequim tentou esconder as informações, não só para a Organização Mundial da Saúde e os médicos de outros países, mas também para a sua própria população. As medidas de combate à epidemia foram tomadas tarde demais e de maneira ineficiente. Resultado: 8.000 pessoas contaminadas, 800 mortes por pneumonia, e 26 países atingidos.

O mundo inteiro saiu criticando a irresponsabilidade das autoridades chinesas. Desta vez, o governo de Xi Jinping não tinha condições de perder a face novamente e ser acusado de provocar um cataclismo sanitário mundial. As medidas foram drásticas: confinamento de 56 milhões de pessoas em torno da cidade de Wuhan, proibição de viagens de avião domésticas e dos mercados de animais silvestres, onde homens e bichos vivem na maior promiscuidade.

Mais importante porém: funcionários e políticos que tentassem abafar o fato cometeriam crimes inafiançáveis e seriam severamente punidos. Desde o início, a população chinesa e as autoridades de saúde estrangeiras estão sendo informadas dos problemas praticamente hora por hora.

Muita gente acha que é até demais e que pode ser uma manobra de Xi-Jinping: exagerar o perigo para depois colher os frutos políticos de ter resolvido a pendenga.

Só que a ameaça é claríssima. Parece até com os filmes de antecipação catastróficos. A pior pandemia da história, em 1918, também começou na China: a famosa “gripe espanhola” que matou quase 100 milhões de pessoas no planeta (3 a 5% da população mundial).

Desafio global de saúde pública

Hoje a medicina epidêmica está bem mais aparelhada para evitar uma hecatombe deste porte, mas nada garante que não aconteça de novo. Sobretudo tratando-se de um vírus que ninguém ainda conhece. Além do mais, o desafio não atinge só a saúde pública mundial. No nosso mundo globalizado esse tipo de contágio acelerado pode ter consequências econômicas pavorosas se não for bloqueado rapidamente.

A epidemia de SARS em 2003 impactou profundamente a indústria do turismo – hoje uma das maiores do mundo. Populações inteiras usando máscaras de proteção não são o melhor incentivo para encher lojas e andar de avião, trem ou metrô. Nas cidades submetidas a uma quarentena rigorosa, a produção e o comércio podem diminuir drasticamente.

Nos últimos dias, as Bolsas mundiais vivem no ritmo das notícias sobre o coronavírus. Sem contar que a China em si é um dos principais motores da economia mundial e já se sabe que a epidemia vai tirar alguns pontinhos do PIB chinês. Ninguém vai sair incólume desta explosão viral… mesmo se conseguir escapar do contágio.

A lição para os governos nacionais é pesada. Não adianta proclamar que as soberanias estão de volta e que cada um deve resolver seus problemas em casa. Vírus não respeita fronteiras e o trabalho de encontrar uma vacina ou de inventar medidas de contenção depende da colaboração de todo mundo. O coronavírus não será – claro – a última ameaça deste tipo. E as próximas podem ser ainda mais perigosas.

A única solução é desenvolver a cooperação internacional, passando por cima do orgulho dos soberanistas e dos interesses politiqueiros locais que só pensam em salvar a face e seus empregos e vantagens. A transparência das informações é vital e a colaboração com boa fé também.

A ameaça da mudança climática já havia confirmado que o mundo é cada vez mais um só e que, por enquanto, não há outra solução senão tentar resolver os problemas juntos.

A nova pandemia requer que os Estados nacionais comecem a tratar prioritariamente da saúde do planeta. Continuar brigando para manter suas fronteiras é a receita para acabarmos todos no abismo.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Israel e Emirados Árabes chegam a acordo de paz histórico

Mediado pelos EUA, pacto visa normalizar relações diplomáticas entre os países. Israel se compromete a suspender anexações de territórios. Emirados Árabes são primeiro Estado do Golfo a estabelecer laços com Tel Aviv. Israel e Emirados Árabes …

Fortnite dá desconto por fora, é banido pela Apple e caso vai parar na justiça

A Epic está processando a Apple pela retirada de Fornite da App Store. Após um embate jurídico entre as duas companhias, o jogo foi bloqueado na loja do iOS, criando reação imediata da desenvolvedora. A história, …

Com 1000 anos, maior cidade pré-colombiana da região dos EUA fica sob a cidade St Louis

Por mais que tenhamos sido ensinados que a história do continente americano começa pela chegada por aqui dos navegadores europeus – e o próprio nome de tal território sublinha essa recorrente doutrinação – o fato …

Asteroide Psyche poderia ser núcleo de planeta que não se formou, dizem cientistas

Cientistas examinaram um asteroide que deve ser visitado por uma missão da NASA em 2022, encontrando provas que suas propriedades atraíram sucessão de outros asteroides. Após realizar diversas simulações em 2D e 3D usando um supercomputador, …

Essa “formiga-diabo” pré-histórica ataca sua presa há 99 milhões de anos

Uma linhagem extinta há tempos, nomeada afetuosamente de “formiga do inferno” ou “formiga-diabo”, foi encontrada presa em âmbar há 99 milhões de anos atrás, com sua mandíbula em formato de foice agarrada firme na presa. No …

Mataram um crocodilo de meia tonelada e 4,5 metros depois de 50 anos de perseguição

Notícia triste para quem luta pela preservação do meio ambiente. Conhecido como Demônio, um crocodilo de meia tonelada e 4,5 metros, que segundo moradores aterrorizava vilarejos na ilhas Bangka Belitung (Indonésia), foi morto na semana …

China diz que encontrou traços de coronavírus em frango brasileiro

Carga de asas de frango que chegou a Shenzhen, no sul do país asiático, foi confiscada. Funcionários da alfândega que entraram em contato com alimentos foram testados, mas exames deram negativo. Traços do novo coronavírus foram …

Vacinação em SP começa em janeiro, segundo diretor do Butantan

Com a pandemia, inúmeras empresas estão dedicadas ao desenvolvimento de uma vacina que possa ajudar na luta contra a COVID-19. Nesta quarta-feira (12), o diretor do Instituto Butantan, Dimas Tadeu Covas, afirmou que o estado …

Descoberto "Stonehenge de madeira" de 4.500 anos em Portugal

A estrutura de madeira achada é a "única na pré-história da Península Ibérica", explicou o arqueólogo que lidera as escavações. Durante uma escavação no sítio arqueológico de Perdigões, arqueólogos descobriram uma estrutura para fins cerimoniais de …

Coronavírus reaparece na "protegida" Nova Zelândia e gera alerta

A detecção de quatro casos de transmissão local do novo coronavírus, depois de mais de 100 dias sem o vírus, levou as autoridades da Nova Zelândia a restaurar a quarentena em Auckland, cidade mais populosa …