Coronavírus terá impacto no PIB chinês e na economia global

A nova epidemia de coronavírus é um balde de água fria na cabeça do mundo. A começar pelos chineses. Em 2003, o último vírus mortal se propagando pelo mundo inteiro – o SARS – também partiu da China. Na época, o governo de Pequim tentou esconder as informações, não só para a Organização Mundial da Saúde e os médicos de outros países, mas também para a sua própria população.

A nova epidemia de coronavírus é um balde de água fria na cabeça do mundo. A começar pelos chineses. Em 2003, o último vírus mortal se propagando pelo mundo inteiro – o SARS – também partiu da China.

Na época, o governo de Pequim tentou esconder as informações, não só para a Organização Mundial da Saúde e os médicos de outros países, mas também para a sua própria população. As medidas de combate à epidemia foram tomadas tarde demais e de maneira ineficiente. Resultado: 8.000 pessoas contaminadas, 800 mortes por pneumonia, e 26 países atingidos.

O mundo inteiro saiu criticando a irresponsabilidade das autoridades chinesas. Desta vez, o governo de Xi Jinping não tinha condições de perder a face novamente e ser acusado de provocar um cataclismo sanitário mundial. As medidas foram drásticas: confinamento de 56 milhões de pessoas em torno da cidade de Wuhan, proibição de viagens de avião domésticas e dos mercados de animais silvestres, onde homens e bichos vivem na maior promiscuidade.

Mais importante porém: funcionários e políticos que tentassem abafar o fato cometeriam crimes inafiançáveis e seriam severamente punidos. Desde o início, a população chinesa e as autoridades de saúde estrangeiras estão sendo informadas dos problemas praticamente hora por hora.

Muita gente acha que é até demais e que pode ser uma manobra de Xi-Jinping: exagerar o perigo para depois colher os frutos políticos de ter resolvido a pendenga.

Só que a ameaça é claríssima. Parece até com os filmes de antecipação catastróficos. A pior pandemia da história, em 1918, também começou na China: a famosa “gripe espanhola” que matou quase 100 milhões de pessoas no planeta (3 a 5% da população mundial).

Desafio global de saúde pública

Hoje a medicina epidêmica está bem mais aparelhada para evitar uma hecatombe deste porte, mas nada garante que não aconteça de novo. Sobretudo tratando-se de um vírus que ninguém ainda conhece. Além do mais, o desafio não atinge só a saúde pública mundial. No nosso mundo globalizado esse tipo de contágio acelerado pode ter consequências econômicas pavorosas se não for bloqueado rapidamente.

A epidemia de SARS em 2003 impactou profundamente a indústria do turismo – hoje uma das maiores do mundo. Populações inteiras usando máscaras de proteção não são o melhor incentivo para encher lojas e andar de avião, trem ou metrô. Nas cidades submetidas a uma quarentena rigorosa, a produção e o comércio podem diminuir drasticamente.

Nos últimos dias, as Bolsas mundiais vivem no ritmo das notícias sobre o coronavírus. Sem contar que a China em si é um dos principais motores da economia mundial e já se sabe que a epidemia vai tirar alguns pontinhos do PIB chinês. Ninguém vai sair incólume desta explosão viral… mesmo se conseguir escapar do contágio.

A lição para os governos nacionais é pesada. Não adianta proclamar que as soberanias estão de volta e que cada um deve resolver seus problemas em casa. Vírus não respeita fronteiras e o trabalho de encontrar uma vacina ou de inventar medidas de contenção depende da colaboração de todo mundo. O coronavírus não será – claro – a última ameaça deste tipo. E as próximas podem ser ainda mais perigosas.

A única solução é desenvolver a cooperação internacional, passando por cima do orgulho dos soberanistas e dos interesses politiqueiros locais que só pensam em salvar a face e seus empregos e vantagens. A transparência das informações é vital e a colaboração com boa fé também.

A ameaça da mudança climática já havia confirmado que o mundo é cada vez mais um só e que, por enquanto, não há outra solução senão tentar resolver os problemas juntos.

A nova pandemia requer que os Estados nacionais comecem a tratar prioritariamente da saúde do planeta. Continuar brigando para manter suas fronteiras é a receita para acabarmos todos no abismo.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Confira o que cérebro de abelhas tem em comum com o de humanos

Segundo cientistas, existem semelhanças entre a atividade cerebral das abelhas-europeias e a dos humanos, o que poderia levar abelhas a serem usadas para estudar funções cerebrais dos humanos. As oscilações alfa (a atividade eléctrica gerada pelo …

Síndrome bizarra: esse é o primeiro caso de uma pessoa que urina álcool

Médicos do hospital da Universidade de Pittsburgh Medical Center (EUA) relataram o primeiro caso de uma síndrome bizarra na qual a pessoa urina álcool. Em outras palavras, o álcool se forma naturalmente na sua bexiga, …

Amazon abre seu primeiro supermercado que não aceita dinheiro

Dois anos depois de a Amazon inovar no ramo das lojas de conveniência abrindo a sua própria rede que aceita apenas pagamentos virtuais, a empresa está pronta para dar o próximo passo: nesta terça-feira (25), …

Não há motivo para pânico por coronavírus no Brasil, dizem especialistas

O primeiro caso do novo coronavírus no Brasil, confirmado nesta quarta-feira (26/02), levou o estado de São Paulo, onde reside o paciente infectado, a montar um centro de contingência para enfrentamento da doença. Quatro mil leitos, …

Abolição da pena de morte no Colorado entra em vigor em julho

O Colorado, no oeste americano, se tornou o vigésimo segundo estado dos Estados Unidos a abolir a pena capital, depois de um intenso e longo debate, especialmente por parte da oposição republicana. O fim da …

Cannabis tem potencial terapêutico como antibiótico, segundo cientistas

Uma equipe de cientistas da Universidade McMaster, no Canadá, estabeleceu que o canabigerol (CBG) tem potencial no tratamento de bactérias patogênicas. Cientistas da Universidade McMaster no Canadá identificaram um composto antibacteriano gerado pela maconha que poderia …

Escócia será o primeiro país a distribuir absorventes menstruais gratuitamente

O Parlamento autônomo da Escócia deu um passo em direção à gratuidade dos absorventes higiênicos para mulheres - decisão inédita no mundo. A proposta de lei foi votada por 112 deputados e visa lutar contra …

Não precisa sofrer. Carnaval começa cedo em 2021

Com a chegada da quarta-feira de Cinzas, está declarado o fim do Carnaval 2020… Ok, vai… Dá para fazer mais um bota fora na sexta e sábado dessa semana, pois, como sempre, brasileiro dá o …

Coronavírus: antiga vacina pode ter resposta para prevenção contra Covid-19

Novos casos do coronavírus SARS-CoV-2 continuam a se espalhar pelo mundo, mesmo que em velocidade menor de propagação, e sem nenhuma vacina ou medicamento para a prevenção — pelo menos até agora. Já são mais de …

Líderes políticos condenam apoio de Bolsonaro a ato anti-Congresso

Presidente teria compartilhado com aliados convocação para manifestações a seu favor e contra o Legislativo. Lula, FHC, OAB e outras lideranças alertam contra ameaça às instituições democráticas e à Constituição. Líderes políticos de várias correntes e …