Crise “apagou o Natal” na Venezuela: já não há nem pisca-piscas nas ruas

A crise político-econômica “apagou o Natal” na Venezuela, onde segundo habitantes está tudo tão caro que é impossível uma ceia como antes e onde já nem se veem pisca-piscas nas ruas.

Oxalá se tudo fosse como antes, como no tempo de Carlos Andrés Pérez, quando éramos felizes e não sabíamos”, disse uma luso-venezuelana à agência Lusa, fazendo referência ao líder de Ação Democrática que presidiu a Venezuela em duas oportunidades e que em 1989 implementou um pacote de medidas econômicas que desencadeou uma violenta explosão social, conhecida como El Caracazo.

Com nostalgia, Violeta Soares, doméstica de 67 anos, lembrou que no passado “não era preciso fazer filas para conseguir alimentos, para o pão, para conseguir leite, açúcar, café, arroz, margarina…”.

“Eram outros tempos. Havia fartura. Na mesa de Natal havia salada, pão com presunto, pernil assado, doce de papaia, broas e bebidas. Hoje, nem Coca-Cola se consegue nas lojas e ninguém bate à porta para que prove um bolo, porque ou não há ingredientes ou está tudo tão caro que é apenas para os que vivem em casa”, explicou.

No Mercado de Chacao, Manuel Pérez, de 62 anos, desabafava que “tudo está muito caro”.

Andei comprando coisas para as ‘hayacas’ (prato típico do Natal venezuelano) e tive de fazer contas porque o dinheiro não chega para nada. Não cheira a Natal. Em casa éramos cinco, eu, a mulher, a filha, o genro e o neto. Eles emigraram e fiquei só com a mulher e, mesmo assim, se não fosse a ajuda que me mandam, passaríamos fome”, lamentou.

Para o luso-descendente José Freitas, engenheiro de software de 30 anos, neste Natal “não há nada que celebrar, está tudo tão mau no país que nem pisca-piscas se vê nas ruas”.

Perdi mais de 11 quilos em quatro meses. Para conseguir carne tenho que perder a noite para fazer fila. Hoje tudo está a um preço e amanhã a outro. Dizem que em janeiro o salário mínimo vai aumentar, mas isso não nos alegra, porque depois os preços disparam”, explicou.

Com um carro parado há três meses por falta de uma peça, sonha “emigrar um dia para Portugal”. “Mas a realidade me sacode e me lembra que não posso pagar a viagem, que é preciso euros e que não posso deixar para trás a mulher e o bebê de dois anos”.

Apagou-se tudo, o Natal, a esperança, a qualidade de vida e o futuro. Na Venezuela estamos deprimidos. Quem pode pensar em festejar vendo como tudo piora diariamente”, questionou.

Vários habitantes explicaram à Lusa que as ruas venezuelanas refletem a crise no país: salvo raras exceções, as pessoas deixaram de colocar adornos nas janelas, luzes nos beirais, nas árvores dos quintais e nas varandas dos apartamentos.

“Os que ainda podem, farão uma ceia mais modesta, que terminará em solidão e na saudade dos tempos em que vizinhos e amigos compartilhavam” a alegria das festividades.

Ciberia, Lusa // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Empresa japonesa testa nova molécula contra a Covid-19

O grupo japonês Fujifilm anunciou nesta quarta-feira (1) o início de testes clínicos de seu medicamento antigripal Avigan para avaliar sua eficácia contra o novo coronavírus. Até o final de junho, o produto vai ser …

Razão pela qual tubarões caçam em torno da Europa e EUA é revelada

Tubarões e grandes prestadores marinhos evitam caçar em águas quentes equatoriais e preferem viver mais ao norte e ao sul, em zonas que compreendem a Europa, os Estados Unidos e a África do Sul. Os tubarões …

Os distanciamentos do coronavírus mudaram a maneira como a Terra se move

As pessoas têm ficado em casa para diminuir a velocidade com a qual o novo coronavírus se espalha. Mas essa atitude pode significar que o planeta também está se movendo um pouco menos. Pesquisadores que estudam …

Facebook não quis investigar desinformação vinda de site norte-americano

“Facebook” e “transparência” são duas palavras que geralmente estão juntas em pautas mais espinhosas, e desta vez não é diferente: segundo uma reportagem veiculada pelo jornal norte-americano The New York Times, a rede social mais …

Maduro denuncia navio turístico 'pirata' português que afundou embarcação da Marinha venezuelana

O presidente venezuelano Nicolás Maduro denunciou o ataque e afundamento de um barco da Marinha da Venezuela por um navio turístico "pirata", a noroeste da ilha de La Tortuga. Na noite de segunda-feira (30), o navio …

Mundo do futebol tenta atenuar perdas financeiras com reduções de salários

O mundo do futebol, como qualquer actividade que gera dinheiro e emprega pessoas, começa a sentir os efeitos do confinamento visto que em quase todas as partes do mundo não se pratica futebol e os …

Políticos da oposição pedem renúncia de Bolsonaro em manifesto

Haddad, Ciro, Boulos e outras lideranças endossam documento crítico à atuação do presidente diante da pandemia de coronavírus. Texto diz que Bolsonaro é um líder irresponsável e agrava a crise com mentiras e crimes. Políticos da …

Economia alemã pode encolher até 5,4% em 2020

Conselho de Consultores Econômicos aponta que pandemia de coronavírus vai, inevitavelmente, levar a Alemanha a uma recessão ainda no primeiro semestre deste ano. A pandemia do novo coronavírus vai, inevitavelmente, levar a Alemanha a uma recessão …

Tênis da Apple nunca comercializado é vendido em leilão por R$ 50 mil

  Você já ouviu falar dos tênis da Apple? Se disse não, está entre a maioria, porque a grande parte das pessoas, mesmo os fãs mais ardorosos da companhia, talvez sequer saibam que esses calçados tenham …

Coronavírus: custo alto pode deixar países mais pobres sem acesso a vacina contra covid-19

A geneticista molecular Kate Broderick faz parte de uma equipe de cientistas por trás de um dos 44 projetos que tentam desenvolver uma vacina para a covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, em todo …