Novos cursos do Google desafiam universidades tradicionais

O Google recentemente anunciou uma novidade que pode mudar o futuro do trabalho e da educação. A empresa está lançando uma seleção de cursos profissionalizantes que ensinam habilidades fundamentais a profissionais da área de tecnologia.

O programa, que engloba três cursos (Gerenciamento de Projetos, Analista de Dados e Designer UX), está sendo chamado pela empresa de Google Career Certificates, e pode ser completado em apenas seis meses – prazo bem menor se comparado aos cursos disponibilizados pelas instituições educacionais tradicionais.

“Diplomas de universidades estão fora do alcance de muitos americanos e eles não deveriam precisar de um para ter segurança econômica”, escreveu no Twitter Kent Walker, vice-presidente sênior para assuntos globais do Google. “Nós precisamos de novos e acessíveis treinamentos profissionalizantes – de programas de aprimoramento vocacional a educação online – para ajudar a américa a se reconstruir e recuperar”, disse.

Walker ainda escreveu algo que dá indícios das intenções do Google ao lançar programas profissionalizantes no mercado: “em nosso próprio recrutamento vamos tratar esses certificados de carreira como equivalentes a um diploma de quatro anos para funções relacionadas”.

A empresa não revelou o valor dos cursos, apesar de informar que serão bem mais baratos que os tradicionais, e também não informou quando estarão prontos para contratação. No entanto, ao acessar o site é possível deixar seus dados para receber notificações de disponibilidade. Até o momento, eles só poderão ser acessados nos Estados Unidos e, ao Canaltech, a assessoria de imprensa do Google informou que ainda não há previsão de estreia dos cursos no Brasil, mas pessoas do mundo inteiro poderão cursar o programa desde que saibam inglês.

A título de comparação, a empresa oferece atualmente um curso de suporte profissional de TI pela plataforma Coursera que custa US$ 49 por mês, o que daria cerca de US$ 300 (cerca de R$ 1,6 mil) se fosse contratado por seis meses – tempo estimado para finalização do novo programa profissionalizante.

Se a companhia seguir estes valores, o Google Career Certificate será muito mais barato do que qualquer universidade. Aliás, o valor total do curso seria correspondente ao montante que alguns estudantes universitários gastam em livros didáticos em um único semestre.

Desafio às universidades

O ensino superior nos Estados Unidos, nos moldes que é hoje, tem os dias contados e, apesar de o anúncio da gigante da internet não ser o ultimato para as universidades, representa um movimento com grande potencial para mudar o futuro da educação e do trabalho – não somente por lá.

Uma das maiores críticas em relação às instituições educacionais tradicionais – tanto nos EUA quanto em outros países, incluindo o Brasil – é o fato de que as universidades não preparam os alunos para o mundo real. As habilidades que os estudantes precisam em suas funções são frequentemente adquiridas por outros meios – seja pela experiência de anos na carreira ou cursos extras. Além disso, alunos acabam assumindo grandes dívidas para pagar os estudos e, muitas vezes, não encontram trabalhos que paguem o suficiente para quitá-las.

O que o Google está propondo é preparar estudantes para assumirem altas posições imediatamente após o término do curso, pagando bem menos e sem necessidade de graduação prévia. “O novo Google Career Certificate se baseia em nossos programas existentes para criar caminhos em TI para pessoas sem diploma universitário”, finalizou o executivo.

O Google ainda informou que vai financiar 100 mil bolsas de estudos dentro do programa e dará suporte aos formandos para que achem empregos adequados. Os participantes poderão compartilhar suas informações diretamente com os principais empregadores dos EUA, como Walmart, Best Buy, Intel, Bank of America, Hulu e, claro, o próprio Google.

Segundo o presidente do conselho da Ânima Educação, Daniel Castanho, as faculdades precisam se reinventar, mas sua proposta de valor vai além de uma prateleira de conteúdo. O ambiente acadêmico oferece ainda interação, desenvolvimento de competências, networking, trocas culturais e etc. Para ele, as propostas de inovação e renovação educacional serão complementares.

“O futuro da universidade será baseado em nanodegrees que constituem um ecossistema, uma constelação de competências. O aluno vai construindo seu próprio percurso formativo, mas é muito mais do que uma capacitação em algumas semanas”, disse ao Brazil Journal.

Já para Antônio Colaço Martins Filho, chanceler do UNIFAMETRO (CE) e diretor executivo de ensino do Centro Universitário UNIESP, no momento em que lançam programas de seis meses que, em termos de conteúdo e empregabilidade/trabalhabilidade, pretendem ser menos onerosos e mais valorizados pelos empregadores do que cursos de graduação tradicionais, é essencial ter uma atenção especial ao que motiva cada estudante a se matricular.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …