Novos cursos do Google desafiam universidades tradicionais

O Google recentemente anunciou uma novidade que pode mudar o futuro do trabalho e da educação. A empresa está lançando uma seleção de cursos profissionalizantes que ensinam habilidades fundamentais a profissionais da área de tecnologia.

O programa, que engloba três cursos (Gerenciamento de Projetos, Analista de Dados e Designer UX), está sendo chamado pela empresa de Google Career Certificates, e pode ser completado em apenas seis meses – prazo bem menor se comparado aos cursos disponibilizados pelas instituições educacionais tradicionais.

“Diplomas de universidades estão fora do alcance de muitos americanos e eles não deveriam precisar de um para ter segurança econômica”, escreveu no Twitter Kent Walker, vice-presidente sênior para assuntos globais do Google. “Nós precisamos de novos e acessíveis treinamentos profissionalizantes – de programas de aprimoramento vocacional a educação online – para ajudar a américa a se reconstruir e recuperar”, disse.

Walker ainda escreveu algo que dá indícios das intenções do Google ao lançar programas profissionalizantes no mercado: “em nosso próprio recrutamento vamos tratar esses certificados de carreira como equivalentes a um diploma de quatro anos para funções relacionadas”.

A empresa não revelou o valor dos cursos, apesar de informar que serão bem mais baratos que os tradicionais, e também não informou quando estarão prontos para contratação. No entanto, ao acessar o site é possível deixar seus dados para receber notificações de disponibilidade. Até o momento, eles só poderão ser acessados nos Estados Unidos e, ao Canaltech, a assessoria de imprensa do Google informou que ainda não há previsão de estreia dos cursos no Brasil, mas pessoas do mundo inteiro poderão cursar o programa desde que saibam inglês.

A título de comparação, a empresa oferece atualmente um curso de suporte profissional de TI pela plataforma Coursera que custa US$ 49 por mês, o que daria cerca de US$ 300 (cerca de R$ 1,6 mil) se fosse contratado por seis meses – tempo estimado para finalização do novo programa profissionalizante.

Se a companhia seguir estes valores, o Google Career Certificate será muito mais barato do que qualquer universidade. Aliás, o valor total do curso seria correspondente ao montante que alguns estudantes universitários gastam em livros didáticos em um único semestre.

Desafio às universidades

O ensino superior nos Estados Unidos, nos moldes que é hoje, tem os dias contados e, apesar de o anúncio da gigante da internet não ser o ultimato para as universidades, representa um movimento com grande potencial para mudar o futuro da educação e do trabalho – não somente por lá.

Uma das maiores críticas em relação às instituições educacionais tradicionais – tanto nos EUA quanto em outros países, incluindo o Brasil – é o fato de que as universidades não preparam os alunos para o mundo real. As habilidades que os estudantes precisam em suas funções são frequentemente adquiridas por outros meios – seja pela experiência de anos na carreira ou cursos extras. Além disso, alunos acabam assumindo grandes dívidas para pagar os estudos e, muitas vezes, não encontram trabalhos que paguem o suficiente para quitá-las.

O que o Google está propondo é preparar estudantes para assumirem altas posições imediatamente após o término do curso, pagando bem menos e sem necessidade de graduação prévia. “O novo Google Career Certificate se baseia em nossos programas existentes para criar caminhos em TI para pessoas sem diploma universitário”, finalizou o executivo.

O Google ainda informou que vai financiar 100 mil bolsas de estudos dentro do programa e dará suporte aos formandos para que achem empregos adequados. Os participantes poderão compartilhar suas informações diretamente com os principais empregadores dos EUA, como Walmart, Best Buy, Intel, Bank of America, Hulu e, claro, o próprio Google.

Segundo o presidente do conselho da Ânima Educação, Daniel Castanho, as faculdades precisam se reinventar, mas sua proposta de valor vai além de uma prateleira de conteúdo. O ambiente acadêmico oferece ainda interação, desenvolvimento de competências, networking, trocas culturais e etc. Para ele, as propostas de inovação e renovação educacional serão complementares.

“O futuro da universidade será baseado em nanodegrees que constituem um ecossistema, uma constelação de competências. O aluno vai construindo seu próprio percurso formativo, mas é muito mais do que uma capacitação em algumas semanas”, disse ao Brazil Journal.

Já para Antônio Colaço Martins Filho, chanceler do UNIFAMETRO (CE) e diretor executivo de ensino do Centro Universitário UNIESP, no momento em que lançam programas de seis meses que, em termos de conteúdo e empregabilidade/trabalhabilidade, pretendem ser menos onerosos e mais valorizados pelos empregadores do que cursos de graduação tradicionais, é essencial ter uma atenção especial ao que motiva cada estudante a se matricular.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

As vovós que lutam pela democracia na Polônia

Idosas polonesas organizam protestos regulares contra erosão da democracia no país, governado por partido ultraconservador. "Não sou capaz de ficar tranquila em casa, cada violação dos direitos me dói", diz aposentada. Clima de fim de expediente …

Coruja super rara dá o ar da graça depois de 125 anos

A coruja rajá de Bornéu (Otus brookii brookii) é uma espécie tão pequena que apenas seu tamanho já tornaria sua identificação mais complexa. Nativa do Sudeste da Ásia e com peso médio de apenas 100 gramas, …

Nintendo bate todos os recordes de lucros com videogames durante a pandemia

A Nintendo apresentou resultados recordes para o ano fiscal de 2020/21 encerrado em 31 de março, impulsionada pela mania global dos videogames em tempos de pandemia, mas o grupo japonês não espera repetir essa …

Doença cerebral misteriosa intriga médicos no Canadá

Médicos no Canadá têm deparado com pacientes que apresentam sintomas semelhantes aos da doença de Creutzfeldt-Jakob, um mal raro e fatal que ataca o cérebro. Mas quando resolveram investigar o mal em mais detalhe, o …

Governador do Rio diz que operação que terminou com 25 mortos foi ação de 'inteligência'

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, afirmou que a operação da Polícia Civil realizada no Jacarezinho foi "ação pautada e orientada por longo e detalhado trabalho de inteligência e investigação".  A operação terminou com …

Butantan diz que ataques de Bolsonaro à China afetam vacinas

Presidente insinuou que chineses, principais fornecedores de matéria-prima para imunizantes ao Brasil, criaram vírus como parte de "guerra química". "Essas declarações têm impacto", diz diretor do Instituto Butantan. A direção do Instituto Butantan e o governador …

Fotos da última sessão de Kurt Cobain são vendidas como NFT

As imagens da última sessão de fotos da vida do compositor e cantor Kurt Cobain irão a leilão em formato de token não-fungível, os célebres NFTs. O anúncio foi feito por Jesse Frohman, fotógrafo por trás …

EUA, França e Rússia apoiam quebra de patentes contra a Covid-19, mas laboratórios resistem

A ideia de suspender as patentes da fabricação de vacinas contra a Covid-19 continuou a ganhar apoio em todo o mundo nesta quinta-feira, após o impulso inicial dado Estados Unidos. Porém, os laboratórios resistem, …

Descoberta a evidência mais antiga de atividade humana

Uma das atividades mais antigas de humanos foi identificada em uma caverna na África do Sul. Uma equipe de geólogos e arqueólogos encontrou evidências de que nossos ancestrais estavam fazendo fogo e ferramentas na Caverna …

Jeff Bezos: os planos do homem mais rico do mundo para voo espacial turístico

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, afirma que está pronto para levar pessoas ao espaço. A empresa Blue Origin, do empresário americano detentor de uma fortuna estimada em R$ 1 trilhão, diz que lançará uma tripulação …