Desmatamento na Amazônia tem queda, mas ainda equivale aos territórios de Alemanha e Portugal juntos

O desmatamento na Amazônia registrou queda de 16% entre agosto de 2016 e julho de 2017, segundo dados divulgados na terça-feira (17) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Apesar da queda, a área desmatada (6.624 quilômetros quadrados) equivale à soma dos territórios de Alemanha e Portugal.

Por meio de coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, afirmou que em igual período do ano anterior (de agosto de 2015 a julho de 2016), o desmate havia aumentado 19%. De acordo com ele, a atual redução é resultado da atuação do governo.

A maior parte da área desmatada no período está situada no Pará (2.413 km²) e no Mato Grosso (1.341 km²). Entre agosto de 2015 e julho de 2016, o desmatamento foi de 7.893 km².

Durante a coletiva, o ministro afirmou que circulam informações de que o governo está diminuindo unidades de conservação, mas que elas não condizem com a realidade. “Hoje podemos dizer com certeza que não houve nem um retrocesso no que diz respeito à área ambiental na Amazônia”, ressaltou.

O mapeamento do Inpe utiliza imagens do satélite Landsat ou similares para registrar e calcular as áreas desmatadas. São consideradas desmatadas as áreas com a retirada completa da cobertura de floresta primária, independentemente da futura utilização destas áreas.

Renca

Em seu discurso, Sarney Filho também elogiou a decisão do governo que revogou o decreto que extinguia a Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca). “A Renca foi uma iniciativa do Ministério de Minas e Energia que, de forma desencontrada com os dados de desmatamento, teve que refluir e foi revogada”, disse.

A extinção da Renca foi anunciada em agosto, mas o governo recuou e decidiu manter a área como uma reserva mineral depois de críticas de entidades e ativistas ligados ao meio ambiente.

Na avaliação do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), organização científica não-governamental, a redução do desmatamento anunciada é positiva, mas há pouco a celebrar.

“Já passou da hora de o Brasil pensar somente em comando e controle e passar a trabalhar as políticas públicas que estimulam aqueles que não desmatam e que produzem de maneira sustentável. Só assim poderemos comemorar”, afirma o diretor-executivo da entidade André Guimarães Moutinho.

Acordo de Paris

De acordo com o Ipam, a continuidade do desmatamento também coloca em xeque a capacidade de o país cumprir sua parte no Acordo de Paris, assinado há dois anos. “São mais de 330 milhões de toneladas de CO2 emitidos pelo desmatamento em 2017, quando deveríamos reduzir de 36% a 39% essas emissões até 2020, em relação aos níveis de 1990″, diz Moutinho.

E isso às vésperas da 23ª Conferência do Clima da ONU, que acontecerá em novembro, na Alemanha”, observa a ONG. “Tudo indica que essas quedas são flutuações que existem desde 2012, pelo menos. Mas o fato é que todo ano uma área enorme é desmatada na região. Só vamos comemorar quando o desmatamento chegar a zero”, conclui.

Ciberia // EcoD

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

'Ela tinha medo do coronavírus': exame confirma que mulher morreu por covid-19 após festa

Um exame confirmou que a aposentada Maria Salete Vieira, de 60 anos, morreu em decorrência da covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Ela começou a apresentar sintomas dias após participar de uma festa em família …

Solução? Cientistas criam vírus que poderia ser capaz de combater a COVID-19

Cientistas dos EUA realizam experimentos com ratos infectados com o coronavírus MERS que permitiriam obter solução eficiente no combate à COVID-19. Até o momento não existe uma vacina que possa proteger as pessoas de infecções provocadas …

Bernie Sanders desiste de concorrer à presidência dos EUA

Senador abandona disputa pela indicação democrata à Casa Branca após série de derrotas nas primárias. Decisão abre caminho para que o ex-vice-presidente Joe Biden seja adversário de Trump nas eleições de novembro. O senador Bernie Sanders …

Antártida: geleira está se tornando o cânion mais profundo do mundo e isso é péssimo

Recentemente cientistas anunciaram a descoberta de algo absolutamente desconhecido e sem precedentes: um cânion de gelo com 3,5 quilômetros abaixo do nível do mar, confirmado como nada menos que o ponto mais profundo da superfície …

OMC prevê cenário sombrio para o comércio global e Brasil será bastante atingido

Sob o impacto da pandemia do novo coronavírus, a Organização Mundial de Comércio (OMC) prevê um cenário sombrio para o comércio global este ano. A expectativa é de uma queda vertiginosa que pode chegar …

COVID-19 deve ter pico no Brasil em abril e maio, dizem Mandetta e especialistas

A previsão de disseminação do novo coronavírus (SARS-CoV-2) no país não é nada animadora para os próximos meses. Isso porque ainda estamos em uma fase intermediária da infecção, que deve ter seus momentos de pico em …

Esse novo tratamento alivia a depressão em 90% dos pacientes

De acordo com uma nova pesquisa americana, um tratamento com estimulação magnética transcraniana pode ser muito eficaz para pessoas com depressão severa: em um experimento, foi capaz de aliviar os sintomas em 90% dos pacientes. Normalmente, …

Israel: ministro que definiu Covid-19 como ‘castigo divino a gays’ está com coronavírus

Aos 71 anos, Yaakov Litzman, ministro da Saúde de Israel e também líder do partido ultra-ortodoxo “Judaísmo Unido da Torá”, testou positivo para Covid-19. O diagnóstico foi divulgado nesta terça-feira (7) pela imprensa local e chamou …

Saúde de Boris Johnson preocupa britânicos, mas governo garante que premiê passa bem

O Reino Unido acompanha com preocupação a degradação do estado de saúde do primeiro-ministro Boris Johnson, que anunciou publicamente ter sido contaminado pelo novo coronavírus há dez dias. Depois de ser hospitalizado no domingo (5), …

Cortes na ciência comprometem resposta à covid-19 no Brasil

A fila de 16 mil testes para covid-19 no Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, expõe a vulnerabilidade de um país que escolheu não investir em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) nos últimos anos. A …