Editora da BBC se demite por ganhar muito menos que os colegas homens

A editora e correspondente para China da BBC News, Carrie Gracie, afirmou nesta segunda-feira que deixará seu posto em Pequim e justificou a decisão pela desigualdade salarial em relação a colegas homens que exerciam a mesma função que ela.

Em uma carta aberta, Gracie – que trabalha na BBC há mais de 30 anos – acusou a empresa de uma “cultura de pagamento secreta e ilegal”.

Segundo ela, a BBC está enfrentando uma “crise de credibilidade”, depois de uma lista ter sido divulgada mostrando que dois terços de suas principais estrelas cujos salários são superiores a 150 mil libras por ano são homens.

A BBC, por sua vez, disse que “não há qualquer discriminação sistêmica contra mulheres” na empresa. Gracie explicou que deixará seu posto como editora do escritório em Pequim, mas que não pretende sair da BBC. Ela espera voltar à sua função na redação da TV da BBC News, “onde espera ser remunerada igualmente”.

Carta aberta

Na carta que divulgou em seu blog, Gracie – uma especialista em China que é fluente em Mandarim – afirmou que “a BBC pertence a todos vocês, que pagam os impostos”.

“Acredito que vocês tenham o direito de saber que a empresa está quebrando a lei de igualdade e resistindo à pressão por uma estrutura de remuneração mais justa e transparente”, escreveu.

Em julho do ano passado, a BBC foi forçada a revelar os salários de todos os seus empregados que ganhavam mais que 150 mil libras por ano.

Gracie afirmou que se sentiu decepcionada ao descobrir que seus dois companheiros de trabalho que desempenhavam função similar como editores internacionais ganham “pelo menos 50% mais” do que suas duas colegas mulheres.

O editor de Estados Unidos, Jon Sopel, ganha entre 200 mil e 249,9 mil libras por ano, segundo a lista divulgada, enquanto o editor de Oriente Médio, Jeremy Bowen, ganha entre 150 mil e 199,9 mil libras por ano.

O nome de Gracie não aparecia na lista, o que mostrava que seu salário era inferior a 150 mil libras por ano. Nesta segunda-feira, ela revelou que recebia 92 mil libras por ano como editora na China.

A carta pedindo igualdade de salários foi publicada no jornal The Telegraph e foi assinada tanto por Gracie, quanto pela editora de Europa, Katya Adler.

“O Ato pela Igualdade de 2010 (uma lei contra discriminação britânica) diz que homens e mulheres que exercem a mesma função devem receber o mesmo por ela. Mas, em julho passado, eu descobri que, no último ano financeiro, dois homens ganharam 50% a mais do que duas mulheres”, explicou Gracie na carta.

“Apesar da insistência pública da BBC de que minha nomeação (para o cargo de editora internacional) demonstrou seu compromisso com a igualdade de gênero e, apesar da minha própria insistência de que a igualdade fosse uma condição para assumir o cargo, meus chefes avaliaram novamente que o trabalho feminino valia muito menos do que o dos homens”.

“Em vez disso, a BBC me ofereceu um grande aumento – que ficou muito aquém da igualdade. Acho que já sou muito bem paga, especialmente como alguém que trabalha para uma organização financiada por recursos públicos. Mas quero simplesmente que a BBC respeite a lei e valorize homens e mulheres igualmente.”

Apoio

A editora de mídia da BBC, Amol Rajan, disse que a saída de Gracie seria uma grande “dor de cabeça” para a empresa. Michelle Stanistreet, secretária-geral da União Nacional de Jornalistas, disse que não era “surpresa” que Gracie não ficasse em silêncio sobre o “pagamento desigual” na BBC.

“[A carta] deixa claro como é difícil a decisão de falar sobre o que ela chama de crise de credibilidade na BBC. Mas mostra também por que é vital que o público britânico seja esclarecido sobre por que ela foi forçada a renunciar ao seu cargo. ”

Outras jornalistas da emissora se manifestaram publicamente em apoio à decisão dela. No Twitter, elas usavam a hashtag #IstandWithCarrie (Eu apoio Carrie, em tradução livre) para manifestar solidariedade.

“Não há discriminação sistêmica”

Uma porta-voz da BBC se manifestou sobre a situação e disse que “os pagamentos justos” são essenciais para a empresa.

“Um número significativo de organizações já publicaram seus números de remuneração de gênero mostrando que estamos com um desempenho consideravelmente melhor que muitos, que estão bem abaixo da média nacional”, afirmou.

“Além disso, já conduzimos uma auditoria independente de ranking de remuneração que mostrou que não há ‘nenhuma discriminação sistêmica contra mulheres'”, pontuou.

“Um outro relatório está sendo produzido sobre pessoas que trabalham aparecendo na TV e será divulgado em um futuro não muito distante.”

No ano passado, um relatório divulgado pela BBC mostrou que havia uma diferença salarial de gênero de 10,7% em relação aos homens quando os valores de remuneração por hora foram comparados.

O diretor geral da BBC, Tony Hall, se comprometeu a acabar com essa diferença até 2020 e reforçou que a empresa deveria ser “um exemplo daquilo que deveria ser alcançado em termos de renuneração, justiça, gênero e representação.”

Ciberia // BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …