Por que cientistas querem tanto provar que Einstein e Galileu estavam errados

Belem.marvilla / Wikimedia

Albert Einstein

Ano entra, ano sai, e tanto a lei dos corpos em queda de Galileu Galilei quanto a teoria da relatividade de Albert Einstein são testadas novamente apenas para os pesquisadores confirmarem pela enésima vez que os gênios estavam corretos.

Foi o que aconteceu com um novo experimento superpreciso conduzido por um grupo internacional de pesquisadores, incluindo cientistas do Centro Nacional de Estudos Espaciais da França e da Agência Espacial Europeia.

Por que os cientistas estão tão determinados a provar que Einstein e Galileu estavam errados? Por causa das inconsistências na nossa compreensão do universo.

“A mecânica quântica e a relatividade geral, que são as duas teorias básicas a partir das quais toda a física é construída hoje, ainda não estão unificadas”, explicou o principal autor do estudo, Peter Wolf, diretor do Centro Nacional de Pesquisa Científica de Paris, ao Live Science.

Além disso, enquanto os pesquisadores pensam que o universo é composto principalmente de matéria escura e energia escura, não conseguimos detectar essas substâncias até hoje.

“Se vivemos em um mundo onde há matéria escura ao redor que não podemos ver, isso pode ter uma influência no movimento dos objetos. Essa influência seria muito pequena, mas estaria lá mesmo assim. Portanto, se os cientistas vissem objetos caírem em taxas diferentes, isso poderia ser uma indicação de que estamos realmente observando o efeito da matéria escura”, acrescentou Wolf.

Dita a história que, no século XVII, Galileu subiu na Torre de Pisa e derrubou duas balas de canhão de tamanhos diferentes do alto do monumento a fim de provar sua teoria de que os objetos cairiam a mesma taxa de velocidade, não importa a sua massa. Esse entendimento mais tarde foi atualizado por Einstein em sua teoria da relatividade.

Agora, depois de passar dois anos derrubando dois objetos de massa diferente em queda livre a partir de um satélite, os pesquisadores confirmaram que eles caem a uma taxa dentro de somente dois trilionésimos de 1% um do outro.

Ambos os objetos eram cilíndricos, um feito de titânio e o outro de platina, e estavam suspensos em um campo magnético. Eles “caíram” por 100 a 200 horas a cada experimento, e sua velocidade foi deduzida a partir das forças que os pesquisadores precisavam aplicar para mantê-los no lugar dentro do satélite.

A equipe de cientistas concluiu que os objetos caíram a quase exatamente na mesma taxa toda vez (o que prova que Galileu estava certo), mesmo tendo sido derrubados em momentos diferentes (o que prova que Einstein estava certo).

Conforme já comentamos, esta não é a primeira que pesquisadores desafiam Galileu e Einstein. O novo teste, no entanto, foi uma ordem de magnitude mais sensível do que os anteriores. Isso não significa que desistiram.

Por enquanto, a equipe só divulgou 10% dos dados coletados durante estes dois anos. Eles planejam fazer novas análises no restante. Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista científica Physical Review Letters.

Além disso, já estão formulando experimentos similares duas ordens de magnitude mais sensíveis, bem como em escalas minúsculas, por exemplo, com átomos individuais de tipos diferentes.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Antártida: geleira está se tornando o cânion mais profundo do mundo e isso é péssimo

Recentemente cientistas anunciaram a descoberta de algo absolutamente desconhecido e sem precedentes: um cânion de gelo com 3,5 quilômetros abaixo do nível do mar, confirmado como nada menos que o ponto mais profundo da superfície …

OMC prevê cenário sombrio para o comércio global e Brasil será bastante atingido

Sob o impacto da pandemia do novo coronavírus, a Organização Mundial de Comércio (OMC) prevê um cenário sombrio para o comércio global este ano. A expectativa é de uma queda vertiginosa que pode chegar …

COVID-19 deve ter pico no Brasil em abril e maio, dizem Mandetta e especialistas

A previsão de disseminação do novo coronavírus (SARS-CoV-2) no país não é nada animadora para os próximos meses. Isso porque ainda estamos em uma fase intermediária da infecção, que deve ter seus momentos de pico em …

Esse novo tratamento alivia a depressão em 90% dos pacientes

De acordo com uma nova pesquisa americana, um tratamento com estimulação magnética transcraniana pode ser muito eficaz para pessoas com depressão severa: em um experimento, foi capaz de aliviar os sintomas em 90% dos pacientes. Normalmente, …

Israel: ministro que definiu Covid-19 como ‘castigo divino a gays’ está com coronavírus

Aos 71 anos, Yaakov Litzman, ministro da Saúde de Israel e também líder do partido ultra-ortodoxo “Judaísmo Unido da Torá”, testou positivo para Covid-19. O diagnóstico foi divulgado nesta terça-feira (7) pela imprensa local e chamou …

Saúde de Boris Johnson preocupa britânicos, mas governo garante que premiê passa bem

O Reino Unido acompanha com preocupação a degradação do estado de saúde do primeiro-ministro Boris Johnson, que anunciou publicamente ter sido contaminado pelo novo coronavírus há dez dias. Depois de ser hospitalizado no domingo (5), …

Cortes na ciência comprometem resposta à covid-19 no Brasil

A fila de 16 mil testes para covid-19 no Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, expõe a vulnerabilidade de um país que escolheu não investir em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) nos últimos anos. A …

Organismo marinho de 47 metros de comprimento descoberto na Austrália

Pesquisadores conseguiram captar imagens de vídeo fascinantes de um organismo "de outro mundo" nas águas ao largo da costa ocidental da Austrália. Segundo comunica a Newsweek, uma equipe a bordo do RV Falkor, o principal navio …

Detectadas pela 1º vez estrelas binárias capazes de produzir ondas gravitacionais

Astrônomos do Centro de Astrofísica de Harvard & Smithsonian detectaram pela primeira vez anãs brancas compostas por duas estrelas binárias. As anãs brancas compostas por duas estrelas binárias possuem um núcleo orbital capaz de gerar uma …

Epidemia do coronavírus ainda não chegou ao pico e se agrava na França, diz ministro

O pico da epidemia do novo coronavírus ainda não foi atingido na França, disse nesta terça-feira (7) o ministro da Saúde, Olivier Véran. Devido ao número significativo de pacientes que ainda são hospitalizados diariamente …