Em São Paulo, os livros e a escrita estão ajudando presos a reduzir suas penas

No Centro de Detenção Provisória de Hortolândia, em São Paulo, os presos escrevem resumos sobre livros que leem para conseguir uma redução da pena. 

Em 2013, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) publicou uma portaria que autoriza juízes a diminuir as penas dos presos que escrevam sobre os livros que leem na cadeia.

De acordo com os dados do Ministério da Justiça, já foram escritos mais de 6 mil resumos literários e 5.700 presos já participaram da iniciativa. Por cada texto, que depois é entregue a um juiz para ser analisado, um preso pode se livrar de quatro dias da pena, sendo que é permitido escrever um por mês e 12 em um ano.

Para conhecer mais de perto esta realidade, a BBC visitou o Centro de Detenção Provisória de Hortolândia, no interior de São Paulo, onde cerca de 30 presos visitam a sala de leitura duas vezes por semana.

“Na sala de leitura frequentam todo o tipo de presos. Desde aquele que roubou uma coisa simples até aquele que pode ter cometido um assassinato. Mas, a maioria das pessoas, é o envolvimento com o tráfico”, afirma Elisande Quintino, coordenadora pedagógica do centro de detenção.

“Os livros que mais procuram são de autoajuda, ficção, romance, espiritismo. Eles procuram esses livros para entender o porquê da sua situação atual”, acrescenta.

Na oficina, o grupo fala sobre os livros que estão lendo e aprendem como escrever um resumo das obras. “Eu encontro presos que mal sabem escrever e presos que já concluíram a universidade”, disse.

Segundo a BBC, cerca de 60% dos presos no Brasil não completaram o ensino fundamental. “Primeiro, ensino o que é uma personagem, um protagonista, uma narrativa. Depois, o que é o narrador na primeira pessoa”, explica a coordenadora.

“A escrita é uma desconstrução do medo, porque todos nós temos medo de escrever. O primeiro auxílio que dou serve para quebrar essa barreira”, completa.

Segundo Quintino, a literatura tem ajudado os presos a refletir sobre os erros que cometeram, assim como melhorar seu nível educacional e intelectual.

“Quanto mais se lê, se vê tanto o crescimento intelectual, como a mudança de visão de mundo, o se colocar no lugar do outro e muda até a postura diante da unidade prisional. Não se envolvem em tantas conversas que não levam a nada, têm o que falar, têm vocabulário, têm conteúdo”, disse a coordenadora.

À BBC, Geraldo Batista, um dos presos envolvidos na iniciativa, considera que é importante um juiz conseguir ver que estão interessados em se desenvolver. “Qualquer pessoa que leia duas páginas, com certeza que alguma coisa ganhou na vida. Todas as vezes que um preso está lendo um livro, é como se estivesse fora da cadeia“, avaliou.

Ciberia // BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mistura inusitada de amônia e água cria raios superficiais e granizos em Júpiter

Júpiter, o maior gigante gasoso do Sistema Solar, é um lugar coberto por tempestades estranhas. O que os cientistas ainda não sabiam é que no meio dessas tormentas, existem raios de natureza bem diferente dos …

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …

Japão lembra 75 anos de bomba de Hiroshima e pede união contra armas nucleares

Esta quinta-feira (6) marca o 75º aniversário do primeiro ataque com bomba atômica do mundo. Cerca de 140 mil pessoas morreram no bombardeio à cidade japonesa, realizado pelo Estados Unidos no fim da Segunda Guerra …

Donald Trump determina bloqueio do TikTok e WeChat nos EUA em 45 dias

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump assinou na noite de ontem (6) uma ordem executiva determinando o fim de relações com as empresas responsáveis pelos apps TikTok e WeChat no país norte-americano. Em comunicado emitido …

Brasil caminha para ter 200 mil mortes pelo coronavírus até outubro, diz especialista

Na semana em que o Brasil deverá registrar 100 mil mortes pelo novo coronavírus, um especialista brasileiro indica que o país caminha para dobrar esse número em dois meses, atingindo 200 mil óbitos pela pandemia …

Petição defende que França assuma controle do Líbano

Suspeita de que desastre em Beirute foi causado por negligência eleva indignação dos libaneses, que pedem mandato francês pelos próximos dez anos no país. Apelo recebe mais de 50 mil assinaturas após visita de Macron. Quase …