Agência da UE aprova vacina de Oxford contra covid-19

Osnei Restio / Prefeitura de Nova Odessa

Órgão regulador dá luz verde para uso condicional do imunizante em maiores de 18 anos. Falta aval da Comissão Europeia. Decisão se dá em meio a disputa entre a fabricante AstraZeneca e a UE sobre entrega de doses.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA), órgão da União Europeia que avalia pedidos de registro de medicamentos e vacinas, deu luz verde nesta sexta-feira (29/01) para o uso do imunizante contra a covid-19 desenvolvido pela farmacêutica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford.

A Comissão Europeia deve agora conceder a aprovação formal para a vacina nas próximas horas, o que fará do imunizante de AstraZeneca-Oxford o terceiro certificado pelo bloco, ao lado das vacinas criadas pela Pfizer-Biontech e pela Moderna.

A aprovação da EMA é condicional e autoriza o seu uso em todas as pessoas com 18 anos ou mais, apesar de preocupações levantadas sobre a falta de dados que comprovassem a sua eficácia em idosos.

Na quinta-feira (28/01), a Comissão Permanente de Vacinação da Alemanha (Stiko, em alemão) afirmou que não recomendava o uso da vacina de AstraZeneca-Oxford em pessoas com 65 anos ou mais por esse motivo.

Disputa sobre entrega de doses

A aprovação pela EMA ocorre em maio a um crescente embate entre a AstraZeneca e a União Europeia a respeito do volume e do ritmo de entrega de doses ao bloco. Na semana passada, a AstraZeneca informou que reduziria o fornecimento de doses para a UE previsto para o primeiro trimestre do ano, citando problemas de produção em uma fábrica na Bélgica. A estimativa passou a ser entregar 31 milhões de doses, 60% a menos do que o esperado.

Nesta quarta-feira, a UE tornou pública suas frustrações com a AstraZeneca e sugeriu que a farmacêutica estaria descumprindo sua parte no acordo. No dia seguinte, o bloco afirmou que poderia utilizar os meios legais para bloquear exportações dos imunizantes produzidos no continente.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, afirmou nesta sexta que Bruxelas ainda aguardava uma “explicação plausível” da AstraZeneca sobre o atraso na entrega de sua vacina, e o bloco divulgou os termos e condições do contrato com a farmacêutica.

A distribuição de vacinas na UE ocorre em ritmo mais lento do que nos Estados Unidos, Reino Unido ou Israel, enquanto os países do bloco correm para garantir os estoques. O anúncio da AstraZeneca aumentou o risco de maiores atrasos, e centros de vacinação na Alemanha, França e Espanha já cancelaram ou adiaram o agendamento de pacientes.

A empresa afirmou nesta sexta que poderia oferecer mais 8 milhões de doses para a UE, e o bloco respondeu que a oferta ainda era inferior à quantidade prometida.

Vacina no Brasil

Há também muita expectativa em relação à vacina de AstraZeneca-Oxford no Brasil. O governo federal fechou um acordo em julho do ano passado com os produtores, tornando a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) parceira no preparo e produção do imunizante no país.

O acordo envolve a entrega de 100,4 milhões de doses até o meio do ano, preparadas e envasadas pela Fiocruz partir do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) importado, feito por uma empresa parceira da AstraZeneca na China. O contrato também transfere a tecnologia de produção do IFA ao Brasil para que, no segundo semestre, a Fiocruz produza mais 100 milhões de doses.

O primeiro lote da vacina envasada pela Fiocruz era esperado para o dia 8 de fevereiro, mas houve atrasos na importação do IFA, e agora a fundação diz que entregará o primeiro lote na segunda quinzena de março, se o envio do IFA for normalizado.

Para evitar maiores atrasos no início do programa de vacinação federal, e pressionado pelo início da aplicação da Coronavac pelo governo de São Paulo com doses importadas da China, o governo federal decidiu importar 2 milhões de doses prontas da vacina de AstraZeneca-Oxford feitas na Índia, que chegaram ao Brasil em 22 de janeiro.

O governo de São Paulo iniciou a vacinação no dia 19 de janeiro, e o governo federal, no dia 23. Tanto a vacina de AstraZeneca-Oxford como a Coronavac receberam autorização para uso emergencial em 17 de janeiro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A relevância da vacina de AstraZeneca-Oxford para o Brasil se deve também a uma decisão do Ministério de Saúde de se comprometer inicialmente com apenas uma vacina, e não com um leque diversificado como ocorreu, por exemplo, na União Europeia. Contatos com a americana Pfizer no segundo semestre inicialmente não despertaram o interesse do governo.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Covid: saúde mental piorou para 53% dos brasileiros sob pandemia, aponta pesquisa

Mais da metade dos brasileiros entrevistados por uma pesquisa declararam que sua saúde emocional e mental piorou desde o início da pandemia, em índice superior à média dos 30 países e territórios pesquisados. Segundo pesquisa do …

Senado oficializa criação da CPI da Pandemia

Presidente do Senado diz que foco deve estar nas ações e omissões do governo federal e no repasse de recursos da União para estados e municípios. STF julgará determinação do ministro Barroso que ordenou abertura …

Bernie Madoff, maior golpista da história, morre em prisão norte-americana, diz relato

Bernard Madoff, o ex-financista que realizou a maior fraude de investimento na história dos Estados Unidos, morreu aos 82 anos de idade, de acordo com relatos da mídia. Em 2009, o notório financista recebeu uma sentença …

Salvator Mundi, obra mais cara de Da Vinci avaliada em R$2,6 bi, é vista em iate de príncipe

A obra de arte mais cara do mundo é ‘Salvator Mundi’, atribuída a Leonardo da Vinci. Com valor estimado em mais de 400 milhões de dólares ou superior aos 2,6 bilhões de reais, seu paradeiro …

Variante indiana da Covid-19 se propaga mais rápido e é menos detectada por testes PCR

A Índia enfrenta a pior onda de contaminações da Covid-19 desde o início da pandemia, com mais de 165 mil casos registrados nas últimas 24 horas: duas vezes mais do que no último pico, em …

Tipo sanguíneo não afeta risco de contrair COVID-19, diz novo estudo

Um estudo buscou entender se determinados tipos sanguíneos trazem mais riscos de contrair a COVID-19, e concluiu que não é o caso. Com a pandemia, muito se questiona em relação ao comportamento da COVID-19 em nosso …

Buracos negros são famintos, mas possuem boas maneiras à 'mesa', aponta estudo

Todos os buracos negros supermassivos nos centros das galáxias possuem períodos nos quais devoram a matéria situada de seus arredores. De acordo com um estudo publicado na revista científica Astronomy & Astrophysics, as galáxias ativas têm …

Pnad e Caged: No auge do desemprego, Brasil enfrenta falhas nas estatísticas do mercado de trabalho que confundem e desorientam

Num momento em que o país tem registrado números diários de mortes por covid-19 que ultrapassam 4 mil e diversos Estados e municípios reforçam medidas de distanciamento social, na tentativa de conter a propagação do …

Jovem negro de Minnesota morreu por “disparo acidental”, afirma polícia

Policial teria confundido arma de descarga elétrica com arma de fogo. Incidente em meio a julgamento da morte de George Floyd acirra tensões e agrava protestos. Mineápolis e outras cidades ampliam toque de recolher. A policial …

Bia, assistente de voz do Bradesco, vai responder mensagens de assédio

O Bradesco precisou tomar providências para proteger uma mulher de assédio. No caso, uma mulher que nem existe fisicamente. A mulher que dá voz ao sistema de inteligência artificial do aplicativo, a Bia (sigla para Bradesco …