Empresas querem substituir trabalhadores humanos e isso já está acontecendo

“O objetivo da indústria é remover a mão de obra humana da economia”. A frase é do CEO da empresa de robótica Ametek Inc, David Zapico, durante uma entrevista sobre a substituição de trabalhadores de carne e osso por máquinas especializadas diante da escassez de profissionais qualificados.

Executivos de companhias como a Hormel Foods Corp e a Domino’s Pizza também compartilham o mesmo pensamento. Segundo eles, as empresas estão investindo em robôs e sistemas de automação para reduzir os custos trabalhistas e por causa da baixa oferta de operários dispostos a realizar tarefas menos rentáveis.

“Se essa tendência continuar crescendo, a demanda por trabalho crescerá lentamente, a desigualdade aumentará e as perspectivas para muitos trabalhadores de baixa escolaridade não serão muito boas a longo prazo”, prevê o economista do MIT Daron Acemoglu, durante uma entrevista ao site Bloomberg.

Mais baratos, sem direitos

A substituição da mão de obra humana por robôs já é uma realidade viável em vários setores da economia. Androides da empresa Knightscope, por exemplo, patrulham locais como perímetros de fábricas com um custo de US$ 3,50 (cerca de R$ 20 na contação atual) por hora. Nos Estados Unidos, o salário mínimo é de US$ 7,25 (aproximadamente R$ 40) por hora trabalhada.

Uma empresa chamada Brain Corp, que fabrica tecnologia central para robôs, anunciou recentemente que de outubro de 2020 a outubro de 2021, o uso de robótica automatizada aumentou drasticamente em vários setores da indústria, especialmente em hospitais com um crescimento de 2.500%, e na educação, com um acréscimo de 426%.

“Nossos robôs autônomos já cobrem todo o espaço comercial dos Estados Unidos e isso equivale a 6,8 milhões de horas trabalhadas por seres humanos. Esse marco representa um claro sucesso da implantação de sistemas automatizados em vários setores econômicos do país”, afirma o CEO da Brain Corp, Eugene Izhikevich.

Futuro distópico

Segundo especialistas, essa mudança na classe trabalhadora representa um caminho sem volta na economia como a conhecemos, combinando transformações nas relações de trabalhos, pressões geradas pela pandemia global e a oportunidade proporcionada pelo desenvolvimento tecnológico dos últimos anos.

A substituição de trabalhadores braçais por máquinas avançadas é apenas o primeiro passo para um futuro em que o serviço pesado e mal remunerado será feito por robôs operários. Esse progresso inevitável traz consigo dilemas éticos e humanitários sobre qual será o destino das pessoas com pouca escolaridade.

“Quanto mais tempo milhões de pessoas ficarem à margem do mercado de trabalho, maior será o risco de que a automação possa piorar as disparidades de renda e riqueza, criando uma classe de trabalhadores desempregados e sem perspectivas. Esse é um sinal de que a revolução dos robôs não está chegando, ela já está aqui”, encerra o economista do MIT Daron Acemoglu.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …