De escola pública, Beatriz tirou nota 1000 na redação do Enem: “Filha de pobre também pode ser médica”

O dia mais importante na vida de um jovem talvez seja quando ele descobre que entrou na tão sonhada universidade. Pode-se multiplicar essa felicidade por mil se a faculdade for pública e se o curso for medicina, um dos mais difíceis.

Beatriz Albino Servilha, de 19 anos, passou 3 anos estudando para entrar em medicina, mas graças a nota máxima que tirou na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), ela não somente conseguiu, como foi aprovada em uma das melhores universidades públicas do país, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O pai de Beatriz é pedreiro. A mãe, telefonista. Mas mesmo sem condições para bancarem seus estudos, a jovem nunca desistiu. O que a impulsionou a continuar tentando foi a vontade de mostrar para eles, que mesmo sendo filha de pobre, ela conseguiria um dia, ser médica.

E o esforço não foi pouco: “era meu 3º ano tentando entrar na faculdade. Eu sabia que minha família não teria condições de manter meus estudos. Mas, mesmo assim, nunca me direcionaram para outra área. Nossa situação financeira não me impediu de correr atrás do que eu queria”.

Apenas 53 candidatos do Brasil inteiro tiraram nota 1000 na redação e ela foi um deles. O tema “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil” ajudou a jovem falar com propriedade e garantir a nota máxima, já que fazia dois anos que ela estudava Libras para poder se comunicar com uma amiga surda.

A emoção foi tanta quando recebeu a folha da redação, que ela começou a chorar. “Não achei tão difícil, porque tenho contato direto com a comunidade surda, que me impulsionou a continuar”, afirmou.

Ela, que é intérprete da língua de sinais na igreja em que frequenta, argumentou na redação dizendo que o Brasil carece de profissionais capacitados. “Não basta formar qualquer tipo de profissional. Existem aqueles que têm capacidade de trabalhar em tribunal, em teatro, em igreja ou em escolas. A sociedade é muito ignorante e não vê Libras como algo importante e oficial”, disse ao G1.

Depois de 2 anos de cursinho preparatório para vestibular, ela comemora sua conquista, que é apenas o começo de uma grande carreira na medicina. Sempre aluna aplicada, ela conta que conseguiu bolsa integral nos 2 anos em que fez cursinho, no primeiro, porque a prima já havia estudado lá e, no segundo, por causa da boa nota na redação do Enem.

Aprovada pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), na cota de estudantes de escola pública, autodeclarados pretos, pardos ou indígenas, com renda familiar per capita inferior a 1,5 salário mínimo, Beatriz mostra que não é apenas de redação que ela entende e diz que o sistema de cotas não é um benefício, mas sim uma maneira do governo consertar um erro.

“Isso não é sistema de benefício a ninguém. É a forma de o governo corrigir um erro que é deixar o negro de lado, negligenciar a educação do pobre. Por anos, não tive matemática nem biologia”, conclui.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Bomba-H da Coreia do Norte seria 17 vezes mais poderosa que a de Hiroshima

Dados de satélite japonês forneceram detalhes do teste de uma arma termonuclear, realizado em 2017, indicando que sua explosão teria sido 17 vezes mais poderosa do que a bomba de Hiroshima. A Coreia do Norte estimou …

Aquecimento global afetará saúde das novas gerações, diz relatório

Um relatório publicado nesta quinta-feira na revista científica The Lancet, a poucas semanas da conferência internacional para o clima (COP25), alerta para os riscos sanitários relacionados ao aquecimento global e às emissões de gás carbônico. O …

Estudante abre fogo em escola na Califórnia

Ao menos duas pessoas morreram e outras três ficaram feridas depois que um aluno abriu fogo nesta quinta-feira (14/11) numa escola secundária no sul da Califórnia, nos Estados Unidos, causando pânico entre estudantes e funcionários. …

Governo italiano deve decretar estado de catástrofe natural em Veneza

Metade da cidade está debaixo d’água, atingida pela pior cheia em 53 anos. O nível subiu 187 cm na terça-feira (12), o segundo mais alto desde 1966. A situação levou o governo a decidir decretar …

Oxigênio descoberto em Marte intriga cientistas da NASA

Padrão de comportamento do oxigênio recém-descoberto pelo rover Curiosity, da NASA, é tão diferente que os cientistas não conseguem desvendá-lo através dos processos químicos conhecidos pela ciência. A agência espacial norte-americana divulgou os resultados da análise …

O misterioso "Monstro Tully" acaba de ficar ainda mais esquisito

Um fóssil de 300 mil anos descoberto na década de 1950 no estado de Illinois (EUA) tem gerado muitas discussões entre cientistas. Batizado de Tullimonstrum, ou Monstro Tully, ele se parece com uma lesma. Mas …

Com asilo a Evo Morales, diplomacia mexicana dá passo à esquerda

México assume liderança esquerdista na América Latina ao receber o ex-presidente boliviano. Para analistas, medida desvia atenção de problemas internos, mas é jogo perigoso diante da dependência econômica dos EUA. A viagem de Evo Morales ao …

Incêndios florestais matam quatro pessoas e centenas de cangurus na Austrália

O número de vítimas pelos incêndios no leste da Austrália, onde 140 focos ainda continuam ativos, subiu para quatro nesta quinta-feira (14), com a descoberta de um cadáver perto da cidade de Kempsey, em Nova …

Holanda reduzirá limite de velocidade para combater poluição

O governo da Holanda reduzirá o limite máximo de velocidade nas rodovias do país como parte de uma série de medidas para combater as emissões de óxido de nitrogênio, geradas em grande parte por veículos …

A polêmica sobre campos de extermínio nazistas que opôs a Polônia ao Netflix

O primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki, enviou uma carta ao Netflix insistindo em mudanças no documentário The Devil Next Door (o diabo ao lado), sobre campos de extermínio nazistas. Na carta enviada no domingo, 10, e …