Estação Espacial Internacional lança satélite construído por estudantes brasileiros

JAXA

Lançamento do Tancredo-1 a partir da Estação Espacial Internacional

Lançamento do Tancredo-1 a partir da Estação Espacial Internacional

A Estação Espacial Internacional (EEI) lançou na segunda-feira um satélite desenvolvido por estudantes de uma escola pública de ensino fundamental em Ubatuba (SP). Com nove centímetros de diâmeto, 13 de altura e pesando 700 gramas, projeto do Tancredo-1 surpreendeu cientistas americanos e japoneses.

O picosatélite brasileiro Tancredo-1 ficará na órbita da Terra a 400 quilômetros de altitude e vai servir de ferramenta de pesquisa para estudar a formação de bolhas de plasma na atmosfera, fenômeno que interfere no funcionamento dos sinais de satélites e de antenas parabólicas em países próximos à Linha do Equador.

O projeto, desenvolvido pelos alunos da Escola Municipal Presidente Tancredo de Almeida Neves, recebeu apoio da Agência Espacial Brasileira (AEB) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O lançamento foi transmitido no canal do YouTube da JAXA, a agência espacial do Japão.

A Sputnik News conversou com Cândido Osvaldo Moura, professor responsável pela coordenação do projeto desde que ele começou, em 2010.

Moura conta que a ideia de construção do satélite começou a partir da leitura de uma pequena nota em uma revista científica que informava que uma empresa americana estava vendendo kits de satélites e serviço de lançamento.

A empresa é uma das muitas companhias americanas que estão desenvolvendo foguetes para explorar o turismo espacial. Eles foram contatados pelos professores brasileiros que então iniciaram com os alunos os trabalhos de pesquisa para o projeto.

Em 2013 já tinham o satélite pronto para ser lançado, mas o foguete americano ainda não estava concluído. A equipe começou então a procurar outras alternativas de lançamento e acabou ganhando um voo da Agência Espacial Brasileira, AEB, que criara um programa para incentivar as universidades brasileiras a construir esse tipo de satélite.

Essa concepção foi desenvolvida por dois professores americanos no final dos anos 90 para servir de ferramenta pedagógica nas universidades. Trinta equipes ao redor do mundo já construíram esse tipo de satélite, que levam cargas úteis para experimentos científicos no espaço.

Moura conta que a mudança da base de lançamento obrigou a mudanças. “Foi preciso redesenhar todo o satélite porque o lançamento seria via Estação Espacial Internacional, em que há uma série de normas de segurança muito mais rígidas do que num foguete comum. O processo de lançamento acontece em várias etapas”.

“Primeiro o foguete saiu da base no Japão e foi até a Estação Internacional em um voo de cinco minutos. A acoplagem do foguete à estação, porém, leva três dias. Só depois o satélite foi ejetado no espaço. O Tancredo-1 ficará quatro meses em órbita”, diz o professor.

O coordenador lembra um fato pitoresco quando da apresentação do projeto do UbatubaSat no Japão. “Quando tinham 14 anos de idade, (os alunos) foram ao Japão participar de um congresso de cientistas da área espacial que acontece a cada dois anos. Eles escreveram um artigo científico e o submeteram ao Congresso que o aceitou.

“A Bruna, que apresentou o paper, colocou uma foto dela com dez anos nos slides de apresentação, e disse: ‘Quando eu iniciei no projeto, eu era ainda muito jovem'”, recorda o coordenador.

Para Moura, o aluno de escola pública no Brasil é muito desvalorizado, as pessoas não acreditam nele. “A gente provou para o Brasil e o mundo que essas pessoas, que não têm merecido muita fé, podem fazer coisas supreendentes. É só dar oportunidade”.

“É lógico que dar orientação, treinamento, como nós professores também fomos treinados pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) para fazer isso. A gente não teve nenhum tipo de dificuldade nessa área”, diz o professor.

Segundo o coordenador, a escola trabalha com uma faixa de 60 alunos por ano, e o UbatubaSat é a cereja dentro do bolo.

“O aluno faz vários cursos de eletrônica, passa por uma série de treinamentos para poder construir algo que está no espaço. Esse próprio paper que eles escreveram foi um subprojeto dentro do projeto, pois eles aprenderam a escrever um artigo científico”, explica.

“É sempre a coisa real de botar a mão na massa e fazer e não ouvir falar que alguém fez. A escola tem que ter muito essa vertente, de preparação para a vida”, conclui Moura.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Os pássaros estão encolhendo, e você nunca vai adivinhar por quê

De acordo com um novo estudo americano, devido a mudança climática, os pássaros estão encolhendo em tamanho, embora a envergadura de suas asas esteja ficando maior. “Descobrimos que quase todas as espécies estavam ficando menores. As …

Navio de combate alemão da 1ª Guerra Mundial é encontrado nas Malvinas

Um cruzador alemão, afundado pelos britânicos durante a Primeira Guerra Mundial em 8 de dezembro de 1914, foi achado perto da costa das ilhas Malvinas. Trata-se do SMS Scharnhorst, principal navio da esquadra do almirante Maximilian …

Impeachment de Trump avança nos EUA: entenda o caso em poucas palavras

Você já deve ter ouvido falar que a reação a um polêmico telefonema com um líder estrangeiro ameaça o futuro da Presidência de Donald Trump. O presidente americano enfrenta um inquérito de impeachment sob a acusação …

Twitter vai ser mais rígido com conteúdo adulto na internet e preocupa criadores

Desde o ano passado tem sido mais difícil para os criadores de páginas com o perfil NSFW (Not Safe for Work ou não seguro para ver no trabalho — impróprio, em tradução livre) ter seus …

Otan tenta exibir união, enquanto líderes são flagrados falando de Trump

Chefes de Estado e de Governo de 29 países participaram nesta quarta-feira (4) do segundo dia da cúpula de aniversário de 70 anos da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), em Watford, nos arredores …

Radar aéreo descobre um navio viking em uma fazenda

Um estudo do Instituto Norueguês de Pesquisa do Patrimônio Cultural (NIKU) descobriu um navio viking em uma fazenda usando radar aéreo. O achado foi uma surpresa e um golpe de sorte, uma vez que este local …

Casamentos entre pessoas do mesmo sexo saltam 61,7% no Brasil

O número de casamentos realizados entre pessoas do mesmo sexo em 2018 aumentou 61,7% em relação ao ano anterior, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (04/12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com …

Uber do entulho te ajuda a descartar resíduos corretamente

O lixo é definitivamente um problema contemporâneo de dimensões globais – e não só a qualidade, o material ou o destino desse lixo, mas também a forma de descarta-lo. Dos 387 quilos de resíduos que o …

Asteroide passará perto da Terra a 27.000 km/h na sexta-feira, alerta NASA

Um grande corpo celeste está se movendo na direção da Terra e chegará ao ponto mais próximo do nosso planeta nesta sexta-feira (6). De acordo com as estimativas da NASA, o asteroide 2019 WR3 mede entre …

Mensagem misteriosa pintada em urso polar na Rússia alarma pesquisadores

Imagens compartilhadas por perfis russos nas redes sociais com um urso polar pintado em spray com o símbolo "T-34" ter alarmado especialistas. Eles advertem que a pintura — cujas circunstâncias ainda não foram identificadas — pode …