Estados africanos estão “um passo à frente” na questão dos refugiados

Convenção de Genebra sobre o Estatuto dos Refugiados completa 70 anos esta quarta-feira. Analistas consideram que países africanos estariam mais avançados na implementação dos direitos dos refugiados.

Desde que deixou a sua terra natal, o Burnika Faso, o jovem Hamado Dipama, que fugiu da violência, empenha-se na defesa dos direitos humanos. Há vinte anos, o estudante, juntamente com muitos outros, opôs-se à ditadura de Blaise Compaoré, que governou o país com punho de ferro durante 27 anos até ser derrubado durante uma revolta popular em 2014.

Graças à Convenção de Genebra, Dipama encontrou refúgio em Munique, na Alemanha, onde vive até hoje. A Convenção de Genebra é uma base indispensável para a proteção dos refugiados em todo o mundo. Define quem é refugiado e quais são os seus direitos e obrigações.

As pessoas que fugiram dos seus países e podem “justificar o medo de serem perseguidas por razões de raça, religião, nacionalidade, pertença a um determinado grupo social ou opinião política” têm direito a este estatuto.

“Quando estava em fuga, não sabia da Convenção de Genebra sobre os Refugiados. Nos nossos países, as pessoas têm pouca informação sobre o assunto. É uma lacuna. Foi quando vim para a Alemanha que tive de aprender e lidar com isso, pois fui rejeitado no início”, lembra Dipama.

Como surgiu o estatuto

Quando Dipama chegou à Europa, teve de lutar para obter a sua autorização de residência. “Porque é que algumas pessoas estão protegidas e eu não? Embora pudesse explicar tudo sobre a minha situação no Burkina Faso, que fui perseguido como estudante no movimento contra o ditador, isso não ajudou”.

No rescaldo da Segunda Guerra Mundial e face às crescentes tensões políticas entre o Ocidente e Oriente, as Nações Unidas adotaram esta Convenção em Genebra, em 1951, para proteger os refugiados. No entanto, no início limitava-se a proteger principalmente os refugiados europeus após a Segunda Guerra Mundial.

Na medida que a situação no mundo mudava, um novo protocolo alargou o âmbito da Convenção em 1967, e 149 Estados assinaram um ou ambos os documentos.A convenção desempenha ainda hoje um papel importante, uma vez que é o único documento que obriga os Estados a oferecer proteção aos refugiados”, explica Susan Fratzke. A analista do Migration Policy Institute em Bruxelas lembra que se trata da base das leis internacionais sobre refugiados e asilo em todo o mundo.

“Os autores do estatuto tinham em mente que as pessoas tinham sido expulsas das suas casas pela Segunda Guerra Mundial e pelos preparativos para a Guerra Fria. Mas hoje em dia as pessoas estão a fugir por muitas razões diferentes”, lembra.

Africanos avançaram mais

A Convenção de Genebra sobre o Estatuto dos Refugiados não está à altura do seu potencial, dizem alguns analistas que apontam para a falta de cooperação internacional e obrigações vinculativas para os Estados signatários. Atualmente, alguns estados africanos estão entre os maiores países de acolhimento de refugiados do mundo. Quase todos os países do continente assinaram a Convenção de Genebra.

Muitos Estados africanos deram “um passo à frente”, explicou Fratzke, ao adoptar a Convenção sobre Refugiados da Organização da Unidade Africana (OUA) – a organização antecessora da União Africana. Ao fazê-lo, os signatários conferem aos refugiados direitos legais que não estão cobertos pela Convenção de Genebra sobre os Refugiados.

Abiy Ashenafi, que dirige a Unidade de Migração do Centro de Direitos Humanos da Universidade de Pretória, na África do Sul, também pensa que o acordo da OUA abordou algumas das deficiências da definição demasiado restrita de “refugiado” na Convenção de Genebra.

Ambos os peritos, contudo, veem um problema de implementação: muitos dos países africanos que albergam refugiados carecem de recursos e são eles próprios nações frágeis com dificuldades económicas.

// DW

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Por que as drogas psicodélicas estão mais perto do mercado convencional

O aumento da permissão de uso de psicodélicos como terapia promete transformar a forma como vemos o extraordinário. Foi em 1971 que Rick Doblin usou LSD pela primeira vez. Era uma tarde de sábado na Flórida, em …

Covid-19: EUA autorizam 3ª dose da vacina da Pfizer para idosos e grupos de risco

Os Estados Unidos autorizaram nesta quarta-feira a aplicação de uma terceira dose da vacina contra a covid-19 da Pfizer para maiores de 65 anos, pessoas com alto risco de contrair uma forma grave da …

Ministério da Saúde recua e volta a recomendar vacinação de adolescentes

O Ministério da Saúde recuou nesta quarta-feira (22/09) e voltou a recomendar a vacinação de adolescentes sem comorbidades contra a covid-19, uma semana após ter recomendado a suspensão. "Concluímos que os benefícios da vacinação de adolescentes …

Queiroga testa positivo para covid-19 e fica em Nova York

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, testou positivo para covid-19 durante a viagem a Nova York, na comitiva do presidente Jair Bolsonaro, e ficará em isolamento na cidade, comunicou nesta quarta-feira (21/09) a Presidência da …

Vulcão em erupção nas Canárias: o cenário 'desolador' enfrentado por moradores afetados pelo Cumbre Vieja

Juan Vicente Rodríguez ainda não chegou às lágrimas, mas ele garante que no final "todos vão acabar chorando". Morador da ilha canária La Palma, Rodríguez observa nas redondezas os rios de lava do vulcão Cumbre Vieja …

Anistia Internacional acusa empresas farmacêuticas de deixar países pobres sem vacinas anticovid

A ONG Anistia Internacional divulgou um relatório nesta quarta-feira acusando os grandes grupos farmacêuticos que produzem vacinas contra a Covid-19 de alimentar uma crise de direitos humanos sem precedentes. Por essa razão, a entidade …

Descobrem na Espanha dezenas de pegadas de espécie extinta de elefantes

Paleontólogos descobriram em Huevla, na Espanha, em um sítio da época do Pleistoceno Superior, trilhas e rastros de elefantes recém-nascidos e juvenis atribuídos a elefantes de presas retas (Palaeoloxodon antiquus). Os elefantes de presas retas são …

Na ONU, Bolsonaro defende ineficaz "tratamento precoce"

O presidente Jair Bolsonaro usou nesta terça-feira (21/09) seu discurso de abertura da 76ª Assembleia-Geral das Nações Unidas para defender o desacreditado "tratamento precoce" promovido pelo seu governo, que consiste num coquetel de drogas ineficazes …

Turismo em reservas naturais federais no Brasil triplica em 13 anos

Cerca de 15 milhões de turistas visitaram reservas ambientais federais no Brasil em 2019, uma alta de 300% nos últimos 13 anos. Se por um lado esse aumento reflete um maior interesse dos brasileiros em …

Presidente do Conselho da UE acusa EUA de "falta de lealdade" após ruptura de contrato com a França

O presidente do Conselho da União Europeia, Charles Michel, acusou nesta segunda-feira (20) os Estados Unidos de falta de lealdade depois que a Austrália cancelou um amplo contrato com a França para comprar submarinos …