Estudo descobre 1,8 bilhão de árvores no deserto do Saara e no Sahel

Um estudo publicado na revista Nature descobriu que na região do Saara Ocidental e no Sahel, há mais de um bilhão de árvores. No meio da aridez do local, a surpreendente descoberta colocou um novo olhar sobre a região.

Os autores não esperavam nem um número tão grande para o Sahel e, além disso, altas densidades de plantas foram encontradas no Saara também.

Através de machine-learning (inteligência artificial), as árvores foram identificadas com imagens de satélite combinadas: desde o nosso querido amigo Google Maps até registros do Departamento de Inteligência dos EUA. Foram dezenas de cientistas envolvidos, da NASA até a Universidade de Copenhague. É de lá, inclusive, que Martin Brandt, líder do estudo, veio.

A contagem de Brandt exclui arbustos e pequenas árvores, começando com plantas de 3 metros quadrados de copa. Uma grande densidade foi encontrada no Sahel, faixa que fica abaixo do Saara e serve de região habitável para boa parte da população em países como Mauritânia, Senegal, Burkina Faso e Mali. Com esse olhar, é possível compreender melhor a biodiversidade da região.

Por isso, Brandt atenta para a necessidade de mais estudos sobre essas árvores e como podemos expandir essa quantidade, já que o número encontrado mostra a receptibilidade do terreno a novos investimentos verdes, como programas de florestamento.

“Essas árvores não-florestais tem um papel crucial na biodiversidade e são importantes para os ecossistema porque servem de armazenamento para o gás carbônico, além de serem fontes de alimento e abrigo para animais e seres humanos. Entretanto, o interesse público está mais relacionada às florestas e há pouca documentação sobre essa vegetação no Saara e no Sahel”, descreve Brandt.

Eu cataloguei manualmente a área da copa de quase 90 mil árvores. Eu registrei muitas porque o nível de detalhe nas imagens é muito alto e as árvores não parecem iguais, e queríamos uma medida relativamente precisa das áreas de suas copas”, explicou o principal autor do estudo, Martin Brandt, da Universidade de Copenhagen, à BBC.

Árvores em zonas áridas sempre estiveram lá. Saber seu número e localização é importante, mas não é equivalente ao plantio de novas árvores. Elas são fundamentais para a subsistência, fertilizam o solo, proporcionam maior produtividade e fornecem sombra e abrigo para humanos e animais. Geram renda e são fundamentais para a nutrição”, afirmou Brandt.

A descoberta de Brandt pode servir pra programas nacionais e internacionais de estudo e desenvolvimento da região, com programas de reflorestamento avançando para dentro do Saara e subindo ao norte, expandindo a área verde dentro do próprio deserto.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

"Tesouro" espetacular de antigos artefatos de caça na Noruega é descoberto sob gelo derretido

Arqueólogos descobriram um “tesouro” de artefatos enquanto outra grande mancha de gelo derrete nas montanhas norueguesas, revelando um total de 68 flechas e muitos outros itens de um antigo local de caça de renas. As primeiras …

Não é mais 90%? AstraZeneca assume erro de eficácia da vacina da COVID-19

A AstraZeneca e a Universidade de Oxford, que estão desenvolvendo juntas uma vacina contra a COVID-19, revelaram na última quarta-feira (25) que houve um erro no momento da divulgação dos resultados dos testes da vacina …

6G colocaria China em posição de liderança 'inatacável' sobre EUA, diz analista

Enquanto os padrões de tecnologia 5G para redes celulares de banda larga ainda estão sendo implementados em vários países, a China recentemente lançou um satélite 6G em órbita. Descrito como o primeiro satélite 6G do mundo, …

Sri Lanka escava fosso para manter elefantes longe de lixão

Um fosso está sendo cavado ao redor de um lixão no Sri Lanka para impedir que elefantes invadam o local à procura de comida entre montes de resíduos plásticos. Os animais vão regularmente até o …

Pela primeira vez, Trump admite deixar a Casa Branca

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou pela primeira vez que deixará a Casa Branca caso o Colégio Eleitoral vote no democrata Joe Biden, embora mantenha sua tese de que houve fraude na eleição …

Mutação da Covid-19: Premiê da Dinamarca chora e se desculpa por massacre de visons

A primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen, 43 anos, se desculpou pessoalmente nesta quinta-feira por sua gestão da pandemia. Enxugando as lágrimas, ela reconheceu que seu governo errou ao determinar o massacre de milhares de …

Herdeira da Disney diz que "tinha vergonha do sobrenome" ao falar de doação milionária

Abigail Edna Disney cresceu com muita vergonha do sobrenome que ostentava. Desde pequena, mais precisamente depois que completou dez anos, percebeu que o tamanho do patrimônio da família não condizia com a realidade da maioria …

Arqueólogos revelam restos mortais de cachorro de 8.400 anos descoberto na Suécia

Após vários meses de meticulosos trabalhos de escavação, foram finalmente revelados os restos mortais de um cachorro, de uma raça há muito tempo desaparecida, enterrado há mais de 8.400 anos na Suécia ao lado de …

“Cogumelos mágicos” são 4x melhores do que antidepressivos, descobre estudo

Quando a psilocibina, a molécula psicodélica descoberta nos cogumelos mágicos (Psilocybe cubensis), é usada durante a psicoterapia, parece possuir efeitos antidepressivos rápidos, substanciais e duradouros contra a depressão maior, de acordo com um novo ensaio …

Sem Trump, Putin e Bolsonaro ensaiam aproximação

Moscou sabe que a troca de poder na Casa Branca abre brecha na política externa brasileira. O elogio do presidente russo às "qualidades masculinas" de Bolsonaro pode ser apenas o primeiro sinal de uma aproximação. "O …