O deserto do Saara já foi lar dos dinossauros mais agressivos do mundo

Ao invés de um deserto, a região do Saara há 95 milhões de anos era coberta por um enorme sistema hidrográfico que ia do Marrocos até a Argélia. Um estudo publicado no dia 21 de abril na revista ZooKeys aponta a pequena presença de animais herbívoros na região. Fósseis de dinossauros carnívoros, por outro lado, foram encontrados aos montes.

“Esse rio de gigantes é diferente de qualquer ecossistema atual, e na verdade ele é bastante único comparado com outros ecossistemas da época dos dinossauros”, explica Nizar Ibrahim, paleontólogo da Universidade de Detroit Mercy (EUA).

Ibrahim e seus colegas estudaram as formações rochosas Kem Kem no leste do Marrocos durante duas décadas de expedições, além da análise de acervo de fósseis em museus ao redor do mundo.

A região Kem Kem consiste de camadas de rochas sedimentares expostas em uma longa e sinuosa escarpa na fronteira entre Marrocos e Argélia. Os fósseis encontrados lá são bastante heterogêneos, incluindo anfíbios, plantinhas delicadas e dinossauros enormes como saurópodes e pterossauros com assas de cinco metros de envergadura.

Outros fósseis encontrados ali não são nada comuns. Um deles pertence a um grupo chamado abelisaurídeos, animais com focinho curto e dentes pequenos que sugerem que ele tenha sido um carniceiro. Outro é um espinossauro com focinho estreito e dentes especializados em capturar peixes. Havia também criaturas parecidas com os nossos crocodilos atuais, mas com o comprimento de um ônibus.

“Se você visitasse esse lugar como um humano, haveria muitas formas diferentes de morrer. Você não estaria seguro em lugar nenhum”, diz Ibrahim.

O objetivo dos pesquisadores nesta investigação foi reunir novas informações sobre a relação de coexistência entre predadores daquela região há 95 milhões de anos. Os crânios encontrados são bastante diversificados, o que sugere que eles tinham alimentações diferentes, sem competir pelo mesmo alimento. Em vários casos, esses alimentos eram frutos do mar gigantescos.

Os predadores atuais como lobos e leões existem em bem menor número que suas presas. No ambiente marinho, por outro lado, há muito mais predadores do que presas. Os pesquisadores acreditam que o ambiente no Período Cretáceo, quando o norte da África era coberto por sistemas hídricos, também havia mais predadores do que presas.

Esta dinâmica provavelmente acontecia porque a região alagada não suportava vegetação volumosa suficiente para alimentar grandes herbívoros.

“O Saara é um lugar de tirar o fôlego da forma que é, mas quando você está lá naquele lugar seco e inóspito e recolhe escamas de peixe gigantes e dentes de crocodilos, isso te dá uma sensação do que chamamos de tempo profundo”, diz ele. “É quando você realmente compreende o quanto o nosso planeta mudou e pode mudar através dos tempos”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

'Síndrome de Havana': lesão cerebral atinge ao menos 130 diplomatas e oficiais americanos, dizem EUA

Diplomatas, agentes da CIA e oficiais de defesa dos EUA relataram sintomas graves da perturbação conhecida como "síndrome de Havana" nas últimas semanas. O elevado número de casos causa espanto. Nas últimas semanas, foram relatados mais …

RJ comunica 1º caso de raiva em cachorro em quase três décadas

Pela primeira vez desde 1995, o Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp) do Rio de Janeiro diagnosticou um caso de raiva animal. A descoberta parte do resultado de perícia no corpo de um cão morto …

O que dizem cientistas sobre isenção de máscaras para vacinados nos EUA

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira (13/05) o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção na maioria das situações para pessoas que já foram completamente vacinadas contra a covid-19. Segundo a nova orientação do …

Putin: Rússia reagirá de maneira devida às ameaças perto de suas fronteiras

Durante reunião com membros do Conselho de Segurança da Rússia nesta sexta-feira (14), o presidente da Rússia pediu que lhe fosse reportado sobre o agravamento do conflito israelo-palestino, que toca diretamente os interesses de segurança …

Covid: 16 mil pessoas foram imunizadas com doses de vacina trocadas no Brasil

Um levantamento de dados da Folha de São Paulo com informações do DataSUS, base de dados do Ministério da Saúde, mostrou que pelo menos 16 mil pessoas receberam doses de vacinas diferentes em seu processo …

Covid-19: diretor do Butantan prevê vacinação lenta até setembro no Brasil

Como diretor do Instituto Butantan desde 2017, Dimas Covas sempre precisou aliar o conhecimento técnico e científico com as particularidades do mundo político que, na visão dele, não parecem seguir uma lógica. E essa necessidade se …

Escalada de violência entre israelitas e palestinianos já fez mais de 100 mortos

O conflito entre israelitas e palestinianos subiu de tom na madrugada de hoje, com o Exército israelita a bombardear a faixa de Gaza. Desde segunda-feira já morreram 119 palestinianos nestes ataques, entre eles 31 …

Maduro diz estar disposto a negociar com oposição

Declaração é feita após líder oposicionista Juan Guaidó propor diálogo mediado por comunidade internacional. Noruega já estaria em contato com regime e oposição. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta quarta-feira (12/05) que está disposto …

CPI da Covid ouve Pfizer para entender como Brasil foi para o 'fim da fila' das vacinas

O depoimento do comando da farmacêutica Pfizer na sessão desta quinta-feira (13/5) da CPI da Covid tem o objetivo de esclarecer as circunstâncias da recusa do governo Bolsonaro à compra de vacinas da empresa, ainda …

Google é multado pela Itália em mais de € 100 milhões

A Autoridade Garantidora da Concorrência e do Mercado da Itália multou a Google por abuso de posição dominante no mercado, acusando-a de restrições do aplicativo Enel X no sistema Android Auto. A Autoridade Garantidora da Concorrência …