Estudo mostra que tubarões brancos têm medo dessa outra criatura do oceano

Nós costumamos pensar no grande tubarão branco como um animal que vive no topo da cadeia alimentar, sem predadores naturais, e, portanto, sem medo de viver em nenhum território.

Do que um tubarão branco teria medo, afinal de contas? Pois um novo estudo resolveu responder essa pergunta, e descobriu que há sim um animal de quem até mesmo os tubarões brancos têm medo: as orcas.

As novas evidências encontradas no estudo mostram que essas baleias são realmente boas em espantar a fera mais temida do mar. As orcas retiram do grande tubarão branco o trono de “predador supremo”. A equipe de cientistas marinhos, formada por pesquisadores do Aquário Monterey Bay, nos EUA, e da Universidade de Stanford, descobriu que grandes tubarões brancos (Carcharodon carcharias) se tornam extremamente escassos sempre que detectam a presença de orcas (Orcinus orca).

“Quando confrontados por orcas, os tubarões brancos desocupam imediatamente seu local de caça preferido e não retornam por até um ano, mesmo que as orcas estejam apenas passando”, conta Salvador Jorgensen, cientista sênior do Aquário Monterey Bay, nos EUA, e líder do estudo, em matéria publicada no site da instituição.

A equipe de pesquisa documentou quatro encontros entre os predadores no sudeste das Ilhas Farallon, no Santuário Marinho Nacional de Farallon, em São Francisco, na Califórnia. Os cientistas analisaram as interações usando dados de 165 tubarões brancos marcados entre 2006 e 2013 e compilaram 27 anos de pesquisas.

“Esta pesquisa combina duas fontes de dados realmente robustas. Complementando os novos dados de identificação de tubarões do Aquário com o monitoramento a longo prazo da vida selvagem no Refúgio Nacional de Vida Selvagem das Ilhas Farallon, nós pudemos mostrar conclusivamente como os tubarões brancos saem da área quando as orcas aparecem”, reafirma Jim Tietz, co-autor do estudo e biólogo do Programa Farallon, da Point Blue Conservation Science.

Em todos os casos examinados pelos pesquisadores, os tubarões brancos fugiram da ilha quando as orcas chegaram e não voltaram para lá até a estação seguinte. Isso teve um efeito nas colônias de elefantes-marinhos nos Farallones, que se beneficiaram indiretamente desse efeito.

Os dados revelaram de quatro a sete vezes menos eventos de predação em elefantes-marinhos nos anos em que os tubarões brancos foram embora da região.

“Em média, documentamos cerca de 40 eventos de predação de elefantes-marinhos por tubarões brancos no sudeste da Ilha Farallon a cada temporada. Depois que as orcas aparecem, não vemos um único tubarão e não há mais mortes”, diz Anderson

A cada outono, entre setembro e dezembro, os tubarões brancos se reúnem nos Farallones para caçar jovens elefantes-marinhos, tipicamente passando mais de um mês circulando na região sudeste das Ilhas Farallon. As orcas que passam por ali também se alimentam de elefantes-marinhos, mas só aparecem ocasionalmente na ilha.

Para determinar quando as orcas e os tubarões coexistiram na área, os pesquisadores compararam os dados das marcas eletrônicas dos tubarões com as observações de campo dos avistamentos de orcas. Isso permitiu demonstrar o resultado nos raros casos em que os predadores se encontravam.

Etiquetas eletrônicas mostraram que todos os tubarões brancos começaram a desocupar a área em poucos minutos após breves visitas de orcas – às vezes as orcas estavam presentes na área apenas por menos de uma hora e isso já era suficiente para a debandada. As marcas então mostraram os tubarões aglomerados em outras colônias de elefantes-marinhos mais distantes ao longo da costa ou dirigidas para fora da costa.

“Estes são tubarões brancos enormes. Alguns têm mais de 5 metros e meio de comprimento, e eles geralmente dominam o poleiro aqui. Temos observado alguns desses tubarões nos últimos 15 a 20 anos – e alguns deles até mais do que isso”, aponta.

O fato do tamanho dos tubarões não intimidar as orcas não é uma surpresa, entretanto – elas podem atacar baleias muito maiores do que isso. Orcas já foram observadas atacando grandes tubarões brancos ao redor do mundo, inclusive em regiões perto das Ilhas Farallon. Ainda não se sabe ao certo o motivo, mas os tubarões mortos por orcas são encontrados sem seus fígados, órgãos ricos em óleo e cheios de vitaminas.

As descobertas do estudo destacam a importância das interações entre os principais predadores na natureza, algo que é pouco documentado – ainda mais no oceano.

“Nós normalmente não pensamos sobre como o medo e a aversão ao risco podem ter um papel importante na formação de grandes predadores que caçam e como isso influencia os ecossistemas oceânicos. Acontece que esses efeitos de risco são muito fortes mesmo para grandes predadores como os tubarões brancos – fortes o suficiente para redirecionar sua atividade de caça para áreas menos preferidas, mas mais seguras”, relaciona Jorgensen.

Os pesquisadores não sabem se as orcas estão atacando os tubarões brancos como presas ou se estão intimidando eles em nome da competição pelos elefantes-marinhos, presas ricas em calorias, mas acreditam que essa interação tem uma grande importância na formação e na dinâmica da cadeia alimentar.

“Eu acho que isso demonstra como as cadeias alimentares nem sempre são lineares. As chamadas interações laterais entre os predadores de topo são bastante conhecidas em terra, mas são muito mais difíceis de documentar no oceano. E como esta acontece com pouca frequência, pode demorar um pouco mais para entendermos completamente a dinâmica”, define Jorgensen

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mensagem na areia salva marinheiros desaparecidos no Oceano Pacífico

Trio de marinheiros que havia se desviado de rota e ficado sem combustível foi localizado numa pequena ilha da Micronésia após três dias. Aeronaves avistaram sinal gigante de SOS escrito na areia da praia. Três homens …

Problemas cardíacos duradouros se apresentam em 78% dos pacientes de coronavírus

O entusiastas do retorno da economia para a normalidade defendem suas opiniões geralmente com base no fato da maioria dos pacientes exibirem sintomas leves ou sequer ter qualquer sintoma de coronavírus, comparando negligentemente o Covid-19 …

Governo britânico vai pagar parte da conta de consumo em pubs e restaurantes

Incentivos não vão faltar para quem estava com saudades de frequentar bares, pubs e restaurantes no Reino Unido. Durante o mês de agosto, o governo britânico vai bancar parte da conta de quem sair …

Cientistas revelam origem de estranhos meteoritos encontrados na Terra

Uma equipe de cientistas norte-americanos teoriza que alguns dos meteoritos, que não se encaixam nas duas categorias principais, têm uma origem até hoje desconhecida por astrônomos. Um grupo significante de meteoritos, que existem hoje na Terra, …

Twitter pode ser multado em US$ 250 milhões por abuso de dados dos usuários

O Twitter confessou que, possivelmente, será multado em até US$ 250 milhões pela Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC, no original em inglês) por ter desrespeitado um acordo firmado em 2011 com a agência …

OMS afirma que não há solução milagrosa para lutar contra Covid-19

A Organização Mundial de Saúde avisou na segunda-feira que não há, nem haverá uma solução milagre contra a pandemis de Covid-19, não obstante a corrida que se verifica actualmente de forma a descobrir uma vacina …

Alemanha quer exigir de viajantes teste de covid-19 feito antes de embarque

Ministro da Saúde alemão defende que passageiros vindos de territórios de risco, incluindo o Brasil, apresentem exame negativo realizado em país de origem para entrar na Alemanha. O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, defendeu nesta …

Uma poção medieval provou ser eficaz contra bactérias

Uma fórmula de mil anos de idade para o tratamento infecções nos olhos talvez leve os cientistas a um novo caminho para lutar contra a resistência aos antibióticos. A poção parece mesmo bruxaria: cebola, vinho, alho …

Microsoft confirma intenção de comprar o TikTok

Em um final de semana conturbado para o aplicativo TikTok, o presidente norte-americano Donald Trump deu um prazo de 45 dias para a Microsoft concretizar a aquisição da rede social chinesa. A notícia divulgada pela agência …

Com 200.000 mortes, América Latina é segunda região do mundo mais afetada pela Covid-19

A região da América Latina e do Caribe alcançou a fúnebre marca de 200.212 mortes pelo novo coronavírus e é a segunda no mundo mais afetada pela pandemia, depois da Europa (210.435 óbitos para …