Frankenstein foi inspirado em histórias reais (e arrepiantes)

Lançado em 1818 e escrito por Mary Shelley, Frankenstein completa 200 anos. A história do monstro foi inspirada pelos acontecimentos da época. Ciência, cultura, energia, saúde e ciência: tudo interligado para explicar a origem de um dos personagens mais assustadores de todos os tempos.

No dia 17 de janeiro de 1803, George Forster foi enforcado, por assassinato, na prisão de Newgate, em Londres. Depois da morte, seu corpo foi transportado cerimoniosamente pela cidade até o Royal College of Surgeons, onde seria publicamente dissecado.

No entanto, sabe-se agora o que realmente aconteceu: foi mais chocante do que a simples dissecação, pois Forster teria sido eletrocutado.

A descoberta foi feita pelo filósofo italiano Giovanni Aldini, sobrinho de Luigi Galvani, que descobriu a “eletricidade animal” em 1780, ou campo de galvanismo.

Segundo o The Times, na primeira aplicação desse processo no rosto de Forster, a mandíbula do falecido tremeu, os músculos adjacentes estavam terrivelmente contorcidos e um dos olhos abriu. Na fase subsequente do processo, a mão direita levantou, pernas e coxas mexeram.

Quando Aldini realizou todas essas experiências no criminoso, analisando Forster com uma lupa, a ideia de que havia uma relação peculiar entre a eletricidade e os processos da vida já era conhecida há, pelo menos, um século. Aliás, Isaac Newton especulou sobre o assunto no início dos anos 1700 e, em 1730, o astrônomo inglês Stephen Gray demonstrou o princípio da condutividade elétrica.

Mas havia também vários opositores da teoria. Alessandro Volta, por exemplo, alegava que a eletricidade animal era produzida através do contato com metais, em vez de ser uma propriedade do tecido vivo. Para defender a teoria, Aldini realizou experiências em Forster.

A ideia de que a eletricidade era um material da vida e que poderia ser usada para trazer de volta os mortos captou desde cedo a atenção de Mary Wollstonecraft Shelley, autora de Frankenstein.

Mas, voltando às experiências de Aldini, podemos afirmar que eram capazes de captar a atenção de todos – tanto positiva quanto negativamente. Se uns tiravam sarro de Aldini, que defendia que a eletricidade era capaz de ressuscitar os mortos, outros levaram a ideia muito a sério.

Foi o caso do professor Charles Wilkinson, que auxiliou Aldini nas experiências, argumentando que o galvanismo era “um princípio energizante, que forma a linha de distinção entre matéria e espírito, constituindo-se na grande cadeia da criação, o elo interveniente entre a substância corpórea e a essência da vitalidade”.

Em 1814, o cirurgião inglês John Abernethy fez uma alegação muito parecida na conferência anual Hunteriana no Royal College of Surgeons. No encontro, Abernethy afirmou que a eletricidade era uma força vital. Por outro lado, seu colega cirurgião William Lawrence defendeu que não era necessário invocar uma força vital para explicar os processos da vida, iniciando um debate intenso.

Mary e Percy Shelley, marido da autora, sabiam certamente os pormenores de todo esse  debate – até porque Lawrence era seu médico de família, escreve o Popular Science.

Frankenstein foi publicado em 1818 e, na época, os leitores já estavam familiarizados com a noção de que a vida poderia ser criada ou restaurada com eletricidade.

Apenas alguns meses após o lançamento do famigerado livro, o químico escocês Andrew Ure realizou as próprias experiências elétricas no corpo de Matthew Clydesdale, um indivíduo que tinha sido executado por assassinato.

Segundo Ure, quando o homem foi eletrocutado, “cada músculo reagiu como se tivesse sido uma ação de medo, raiva, horror, desespero e angústia”.

A verdade é que se Frankenstein parece fantasia aos olhos modernos, a autora e seus leitores originais sabiam que não havia nenhuma fantasia por trás da misteriosa obra. A ciência por trás de Frankenstein noa lembra que os debates atuais têm uma longa história e que, em muitos aspectos, os temas dos nossos debates são determinados pelo passado.

Foi durante o século XIX que as pessoas começaram a olhar para o futuro com outros olhos, através da ciência e da tecnologia. Novelas como Frankenstein, em que os autores faziam do seu futuro o ingrediente principal do seu presente, eram um elemento importante nessa nova forma de pensar sobre o amanhã.

Assim, analisar a ciência que fez Frankenstein parecer tão real em 1818 poderia nos ajudar a considerar com mais cuidado as formas como pensamos atualmente sobre as possibilidades – e dos perigos – do nosso futuro.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

COVID-19: produção de vacina pode causar morte de meio milhão de tubarões, alertam especialistas

Óleo natural feito a partir do fígado dos tubarões é um componente-chave entre os ingredientes utilizados por vários candidatos a vacina contra a COVID-19. A Shark Allies, uma organização de defesa aos tubarões, da Califórnia, EUA, …

Quem é Amy Barrett, a indicada de Trump para Suprema Corte?

Se aprovada pelo Senado, atual juíza federal e católica devota poderá influenciar a vida pública dos EUA por décadas e mover de vez a composição da Corte para uma orientação conservadora. Se no Brasil o presidente …

Uber ganha 18 meses de licença para atuar em Londres

Após uma longa batalha jurídica, a Uber ganhou uma licença para restabelecer suas operações em Londres pelos próximos 18 meses. Em novembro de 2019, a empresa havia sido impedida de atuar na capital inglesa, depois que …

Testes de DNA da moda não identificam indígenas brasileiros

Testes de DNA estão na moda. Se você pensou em exames para comprovar paternidade ou algo nesse sentido: não é disso que estamos falando (embora pudéssemos). A nova tendência — entre aqueles que têm condições para …

EUA e Brasil querem barrar governo Maduro na Organização Pan-Americana da Saúde

Os Estados Unidos, o Brasil e outros 11 países rejeitaram nesta segunda-feira (28) a legitimidade do governo de Nicolás Maduro na Venezuela para participar do Conselho Diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). A …

Água líquida em Marte: descobertas mais reservas no polo sul do Planeta Vermelho

Em 2018, pesquisadores italianos anunciaram que haviam encontrado evidências da existência de água líquida em Marte, abaixo da calota polar sul. Agora, a equipe voltou em mais uma série de informações que não apenas sustentam essa …

Cientistas russos encontram nova forma de tratamento para covid-19

Uma equipe de cientistas russos sugeriu tratar os pacientes gravemente afetados pelo coronavírus SARS-CoV-2 da mesma maneira que são tratados alguns casos de intoxicação. De acordo com os especialistas do Instituto de Pesquisa de Medicina de …

Covid-19 já causou a morte de um milhão de pessoas no mundo

Nove meses após seu surgimento na China, a pandemia de Covid-19 superou, neste domingo (27), o número simbólico de um milhão de mortos no mundo. No total, o coronavírus causou 1.000.009 mortes e 33.018.877 casos …

Homem que comia alcaçuz todos os dias morre e médicos alertam sobre riscos à saúde

Um homem de 54 anos morreu após consumir alcaçuz em excesso. Segundo os médicos do Hospital Geral de Massachussets (EUA), após duas semanas ingerindo alcaçuz preto em excesso, o homem teve uma overdose de uma …

Conflito armado se acirra na fronteira entre Armênia e Azerbaijão

A Armênia e o Azerbaijão se acusaram mutuamente neste domingo (27/09) de iniciar confrontos mortais na região separatista de Nagorno-Karabakh, na fronteira entre os dois países, em meio a uma disputa territorial de décadas. Ao …