Guerra com o Irã devastaria economia global, diz príncipe saudita

secdef / Flickr

O príncipe saudita Mohammed bin Salman

Mohammed bin Salman defende solução pacífica para crise com Teerã e pede “ação forte e firme” de países. Ele ainda nega ter ordenado assassinato de Jamal Khashoggi, mas, como líder saudita, se diz responsável pelo crime.

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, afirmou que uma eventual guerra contra o Irã teria potencial para devastar a economia mundial e disse preferir uma solução pacífica e não militar para as tensões contra seu rival regional.

“Se o mundo não tomar uma ação forte e firme para dissuadir o Irã, veremos mais escaladas, que ameaçarão os interesses mundiais“, disse o príncipe em entrevista ao programa 60 Minutes, da rede americana CBS, transmitida neste domingo.

“O fornecimento de petróleo será afetado, e os preços do petróleo subirão aos níveis mais altos que vimos em nossas vidas”, alertou, prevendo consequências catastróficas para a economia mundial.

“A região é responsável por aproximadamente 30% do suprimento de energia do mundo, 20% do trânsito comercial e cerca de 4% do PIB mundial. Imagine se essas três coisas pararem. Isso levaria a um colapso total da economia planetária, e não somente da Arábia Saudita ou dos países do Oriente Médio”, acrescentou Salman.

Ele disse não ver sentido no ataque de 14 de setembro a instalações petrolíferas sauditas, cuja responsabilidade foi atribuída ao Irã por seu país e pelos Estados Unidos. “Não há um objetivo estratégico. Apenas um tolo atacaria 5% dos suprimentos mundiais. O único objetivo estratégico foi demonstrar que eles são estúpidos, e foi o que fizeram”, afirmou.

O príncipe também comentou a morte do jornalista Jamal Khashoggi, que completa um ano nesta semana. Ele negou ter ordenado o assassinato, ocorrido em outubro do ano passado, mas, como líder da Arábia Saudita, assumiu a responsabilidade pelo crime.

Absolutamente, não. Aquele foi um crime hediondo. Mas assumo total responsabilidade como líder da Arábia Saudita, principalmente porque foi cometido por indivíduos que trabalham para o governo saudita”, afirmou. “Quando um crime é cometido contra um cidadão saudita por funcionários, trabalhando para o governo saudita, como líder, devo assumir a responsabilidade. Foi meu erro.”

Salman enfrentou grande pressão internacional depois que o jornalista saudita foi morto e esquartejado no consulado da Arábia Saudita em Istambul. O corpo de Khashoggi nunca foi encontrado. O príncipe disse que o assassinato foi realizado sem seu conhecimento.

Riad negou repetidamente que Salman tenha estado por trás do assassinato de Khashoggi, um membro da família real que se tornou crítico do regime saudita, passando a viver nos Estados Unidos. Ele foi morto no que as autoridades sauditas descreveram como uma operação clandestina.

O relatório de uma especialista em direitos humanos da ONU que conduziu uma investigação independente afirma haver “evidências críveis” ligando o príncipe herdeiro ao assassinato e a uma tentativa de encobrimento do crime.

Mas promotores sauditas absolveram o príncipe. Onze pessoas são acusadas de participação no assassinato, mas o processo corre em sigilo. Até agora, nenhum dos suspeitos foi condenado. No início do processo, a procuradoria saudita pediu pena de morte para cinco dos réus.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Lewandowski permite que Pazuello fique em silêncio na CPI

Ex-ministro da Saúde será obrigado a comparecer ao depoimento, mas não precisará responder perguntas que possam incriminá-lo. No entanto, será obrigado a falar a verdade em fatos e questões relacionados a terceiros. O ministro do Supremo …

Como o coronavírus afeta o fígado

O SARS-CoV-2, vírus causador da covid-19, mudou completamente a cara do mundo que conhecíamos até então. Ele afetou praticamente todos os aspectos da vida cotidiana e causou mudanças substanciais nas ciências da saúde e, portanto, na …

'Síndrome de Havana': lesão cerebral atinge ao menos 130 diplomatas e oficiais americanos, dizem EUA

Diplomatas, agentes da CIA e oficiais de defesa dos EUA relataram sintomas graves da perturbação conhecida como "síndrome de Havana" nas últimas semanas. O elevado número de casos causa espanto. Nas últimas semanas, foram relatados mais …

RJ comunica 1º caso de raiva em cachorro em quase três décadas

Pela primeira vez desde 1995, o Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp) do Rio de Janeiro diagnosticou um caso de raiva animal. A descoberta parte do resultado de perícia no corpo de um cão morto …

O que dizem cientistas sobre isenção de máscaras para vacinados nos EUA

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira (13/05) o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção na maioria das situações para pessoas que já foram completamente vacinadas contra a covid-19. Segundo a nova orientação do …

Putin: Rússia reagirá de maneira devida às ameaças perto de suas fronteiras

Durante reunião com membros do Conselho de Segurança da Rússia nesta sexta-feira (14), o presidente da Rússia pediu que lhe fosse reportado sobre o agravamento do conflito israelo-palestino, que toca diretamente os interesses de segurança …

Covid: 16 mil pessoas foram imunizadas com doses de vacina trocadas no Brasil

Um levantamento de dados da Folha de São Paulo com informações do DataSUS, base de dados do Ministério da Saúde, mostrou que pelo menos 16 mil pessoas receberam doses de vacinas diferentes em seu processo …

Covid-19: diretor do Butantan prevê vacinação lenta até setembro no Brasil

Como diretor do Instituto Butantan desde 2017, Dimas Covas sempre precisou aliar o conhecimento técnico e científico com as particularidades do mundo político que, na visão dele, não parecem seguir uma lógica. E essa necessidade se …

Escalada de violência entre israelitas e palestinianos já fez mais de 100 mortos

O conflito entre israelitas e palestinianos subiu de tom na madrugada de hoje, com o Exército israelita a bombardear a faixa de Gaza. Desde segunda-feira já morreram 119 palestinianos nestes ataques, entre eles 31 …

Maduro diz estar disposto a negociar com oposição

Declaração é feita após líder oposicionista Juan Guaidó propor diálogo mediado por comunidade internacional. Noruega já estaria em contato com regime e oposição. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta quarta-feira (12/05) que está disposto …