Arábia Saudita condena cinco à morte por execução de Khashoggi

Ali Haider / EPA

Jamal Khashoggi foi assassinado dentro de consulado do país na Turquia. Três acusados próximos do príncipe herdeiro Mohamed bin Salman foram inocentados. Procuradoria diz que crime não foi premeditado.

Um tribunal na Arábia Saudita condenou nesta segunda-feira (23/12) à morte cinco acusados de participar do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado do país em Istambul, na Turquia, em outubro de 2018. A execução gerou fortes críticas internacionais contra o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, que foi acusado pela ONU de envolvimento no caso.

O porta-voz da Procuradoria-Geral saudita, Shalaan al Shalaan, disse em entrevista coletiva que Saoud al Qahtani, conselheiro do príncipe Mohamed; o vice-diretor do serviço secreto do país, Ahmed Asiri; e o cônsul Mohamed al Otaibi foram liberados por falta de provas. Os três eram as principais personalidades processadas no caso.

Outras três pessoas foram condenadas por encobrirem o crime, mas al Shalaan limitou-se a informar que a soma das penas dos três é de 24 anos de prisão, sem especificar quanto tempo corresponde a cada uma e nem revelar suas identidades. Todos os vereditos são em primeira instâncias e condenados podem ainda recorrer do julgamento.

O porta-voz também declarou que as investigações mostraram que o crime não foi premeditado e que não havia intenção de matar Khashoggi, já que os réus e a vítima não eram “inimigos”. Alguns diplomatas trucos e familiares do jornalista puderam assistir às audiências do caso. A imprensa não teve acesso ao julgamento.

Khashoggi, colunista do jornal americano The Washington Post abertamente crítico à monarquia do seu país, foi assassinado e esquartejado por agentes sauditas no consulado da Arábia Saudita em Istambul, onde estava para tratar trâmites de seu casamento, em 2 de outubro de 2018.

Segundo um inquérito independente realizado pela ONU, uma equipe de 15 agentes sauditas viajou para a Turquia para encontrar Khashoggi. No grupo estavam indivíduos que trabalhavam diretamente com Salman. Os investigadores sustentaram que o assassinato do jornalista dissidente foi “planejado e perpetrado por funcionários do Estado da Arábia Saudita”.

Em uma entrevista à emissora americana CBS, Salman assumiu, como líder saudita, a “responsabilidade total” pelo crime, porém, negou ter ordenado o atentado contra Khashoggi, o que foi descrito como “desonesto” por autoridades do país.

Embora as Nações Unidas e o Congresso dos Estados Unidos tenham responsabilizado diretamente Salman pelo crime, o homem forte do reino não foi processado.

A relatora da ONU para execuções extrajudiciais, Agnes Callamard, criticou o julgamento o qual considerou um “escárnio” da justiça. “Os assassinos são culpados e condenados à morte. Os mandantes não apenas andam livremente, como sequer foram atingidos pela investigação e pelo processo”, afirmou.

A ONG de direitos humanos Anistia Internacional afirmou que o veredito não passou de uma “lavagem”, ao ignorar autoridades sauditas envolvidas no caso e não esclarecer a localização dos restos mortais do jornalista.

A Repórteres Sem Fronteiras considerou a sentença uma forma de silenciar testemunhas. O julgamento não respeitou “princípios de justiça internacionalmente reconhecidos”, pontuou o secretário-geral da organização, Christophe Deloire.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

MDZhB: a misteriosa rádio soviética que segue emitindo sinais e ruídos há quase 50 anos

Uma misteriosa estação de rádio segue ininterruptamente transmitindo somente ruídos estáticos interrompidos por sons robóticos há mais de quatro décadas. Conhecida como UVB-76 ou MDZhB, os sinais da rádio são transmitidos de dois diferentes pontos da …

Atmosfera da Terra primitiva pode ter sido tão tóxica quanto a de Vênus hoje

Pesquisadores tentaram reproduzir o equilíbrio delicado entre os gases que evaporaram do oceano de magma e a atmosfera que eles podem ter criado, e descobriram que esta seria fina e composta por dióxido de carbono …

Enorme monolito misterioso descoberto no deserto de Utah

Uma ocorrência totalmente comum. Você está em um helicóptero sobrevoando uma região remota do sul de Utah contanto cabras e bodes selvagens, quando de repente avista um monolito inexplicável saindo do solo. A KSL TV, relatou …

Funcionário de funerária é demitido após tirar selfie com corpo de Maradona

Foi demitido o funcionário da funerária responsável pelo velório do ex-jogador Diego Armando Maradona que tirou uma foto ao lado do caixão com o corpo do astro, enterrado nesta quinta-feira, dia 26, na Grande Buenos …

Museu de Londres reunirá relatos de sonhos de britânicos na pandemia

Projeto visa documentar mudanças no sono causadas pelo confinamento e pela crise gerada com a covid-19, além de coletar narrativas sobre o período para gerações futuras. Mudanças no sono aparentemente têm sido comuns durante a pandemia …

'O Gambito da Rainha': série da Netflix ignora sexismo no xadrez, diz ex-campeã

Existem várias cenas comoventes em O Gambito da Rainha, a série da Netflix que conta a história fictícia de Beth Harman, uma jovem prodígio do xadrez da década de 1960. Em uma delas, um jogador experiente …

Detectada "partícula fantasma" no Sol que confirma teoria da década de 1930

Uma equipe internacional de cientistas conseguiu, pela primeira vez, detectar diretamente a presença do ciclo carbono-nitrogênio-oxigênio (CNO) na fusão nuclear do Sol. Este ciclo representa uma das reações de fusão pelas quais as estrelas convertem hidrogênio …

Musk acertou? Tesla se aproxima dos US$ 500 bilhões de valor de mercado

Nesta segunda-feira (23), a Tesla atingiu o valor de mercado de US$ 498 bilhões. E isso em um momento em que não se sabe se a empresa vai conseguir atingir a sua meta de entregar …

Papai Noel é considerado 'trabalhador essencial' na Irlanda

Na mesma semana em que novas restrições de viagem foram colocadas em prática no Reino Unido e na Irlanda diante dos estragos causados pela segunda onda da pandemia de covid-19 na Europa, a Irlanda fez …

Especialistas da ONU advertem sobre viés racista em algoritmos

Os países devem fazer mais para combater o racismo, principalmente nos algoritmos de inteligência artificial utilizados para reconhecimento facial e controles policiais. Essas ferramentas podem reforçar discriminações, alertam especialistas da ONU. Segundo a especialista jamaicana …