Arábia Saudita condena cinco à morte por execução de Khashoggi

Ali Haider / EPA

Jamal Khashoggi foi assassinado dentro de consulado do país na Turquia. Três acusados próximos do príncipe herdeiro Mohamed bin Salman foram inocentados. Procuradoria diz que crime não foi premeditado.

Um tribunal na Arábia Saudita condenou nesta segunda-feira (23/12) à morte cinco acusados de participar do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado do país em Istambul, na Turquia, em outubro de 2018. A execução gerou fortes críticas internacionais contra o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, que foi acusado pela ONU de envolvimento no caso.

O porta-voz da Procuradoria-Geral saudita, Shalaan al Shalaan, disse em entrevista coletiva que Saoud al Qahtani, conselheiro do príncipe Mohamed; o vice-diretor do serviço secreto do país, Ahmed Asiri; e o cônsul Mohamed al Otaibi foram liberados por falta de provas. Os três eram as principais personalidades processadas no caso.

Outras três pessoas foram condenadas por encobrirem o crime, mas al Shalaan limitou-se a informar que a soma das penas dos três é de 24 anos de prisão, sem especificar quanto tempo corresponde a cada uma e nem revelar suas identidades. Todos os vereditos são em primeira instâncias e condenados podem ainda recorrer do julgamento.

O porta-voz também declarou que as investigações mostraram que o crime não foi premeditado e que não havia intenção de matar Khashoggi, já que os réus e a vítima não eram “inimigos”. Alguns diplomatas trucos e familiares do jornalista puderam assistir às audiências do caso. A imprensa não teve acesso ao julgamento.

Khashoggi, colunista do jornal americano The Washington Post abertamente crítico à monarquia do seu país, foi assassinado e esquartejado por agentes sauditas no consulado da Arábia Saudita em Istambul, onde estava para tratar trâmites de seu casamento, em 2 de outubro de 2018.

Segundo um inquérito independente realizado pela ONU, uma equipe de 15 agentes sauditas viajou para a Turquia para encontrar Khashoggi. No grupo estavam indivíduos que trabalhavam diretamente com Salman. Os investigadores sustentaram que o assassinato do jornalista dissidente foi “planejado e perpetrado por funcionários do Estado da Arábia Saudita”.

Em uma entrevista à emissora americana CBS, Salman assumiu, como líder saudita, a “responsabilidade total” pelo crime, porém, negou ter ordenado o atentado contra Khashoggi, o que foi descrito como “desonesto” por autoridades do país.

Embora as Nações Unidas e o Congresso dos Estados Unidos tenham responsabilizado diretamente Salman pelo crime, o homem forte do reino não foi processado.

A relatora da ONU para execuções extrajudiciais, Agnes Callamard, criticou o julgamento o qual considerou um “escárnio” da justiça. “Os assassinos são culpados e condenados à morte. Os mandantes não apenas andam livremente, como sequer foram atingidos pela investigação e pelo processo”, afirmou.

A ONG de direitos humanos Anistia Internacional afirmou que o veredito não passou de uma “lavagem”, ao ignorar autoridades sauditas envolvidas no caso e não esclarecer a localização dos restos mortais do jornalista.

A Repórteres Sem Fronteiras considerou a sentença uma forma de silenciar testemunhas. O julgamento não respeitou “princípios de justiça internacionalmente reconhecidos”, pontuou o secretário-geral da organização, Christophe Deloire.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

China consegue pousar veículo não tripulado em Marte

A China conseguiu neste sábado pousar um veículo autônomo não tripulado em Marte. A fase final da operação Tianwen-1 aconteceu sem falhas, informou a TV estatal chinesa, que transmitiu um programa especial chamado Alo …

Lewandowski permite que Pazuello fique em silêncio na CPI

Ex-ministro da Saúde será obrigado a comparecer ao depoimento, mas não precisará responder perguntas que possam incriminá-lo. No entanto, será obrigado a falar a verdade em fatos e questões relacionados a terceiros. O ministro do Supremo …

Como o coronavírus afeta o fígado

O SARS-CoV-2, vírus causador da covid-19, mudou completamente a cara do mundo que conhecíamos até então. Ele afetou praticamente todos os aspectos da vida cotidiana e causou mudanças substanciais nas ciências da saúde e, portanto, na …

'Síndrome de Havana': lesão cerebral atinge ao menos 130 diplomatas e oficiais americanos, dizem EUA

Diplomatas, agentes da CIA e oficiais de defesa dos EUA relataram sintomas graves da perturbação conhecida como "síndrome de Havana" nas últimas semanas. O elevado número de casos causa espanto. Nas últimas semanas, foram relatados mais …

RJ comunica 1º caso de raiva em cachorro em quase três décadas

Pela primeira vez desde 1995, o Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp) do Rio de Janeiro diagnosticou um caso de raiva animal. A descoberta parte do resultado de perícia no corpo de um cão morto …

O que dizem cientistas sobre isenção de máscaras para vacinados nos EUA

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira (13/05) o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção na maioria das situações para pessoas que já foram completamente vacinadas contra a covid-19. Segundo a nova orientação do …

Putin: Rússia reagirá de maneira devida às ameaças perto de suas fronteiras

Durante reunião com membros do Conselho de Segurança da Rússia nesta sexta-feira (14), o presidente da Rússia pediu que lhe fosse reportado sobre o agravamento do conflito israelo-palestino, que toca diretamente os interesses de segurança …

Covid: 16 mil pessoas foram imunizadas com doses de vacina trocadas no Brasil

Um levantamento de dados da Folha de São Paulo com informações do DataSUS, base de dados do Ministério da Saúde, mostrou que pelo menos 16 mil pessoas receberam doses de vacinas diferentes em seu processo …

Covid-19: diretor do Butantan prevê vacinação lenta até setembro no Brasil

Como diretor do Instituto Butantan desde 2017, Dimas Covas sempre precisou aliar o conhecimento técnico e científico com as particularidades do mundo político que, na visão dele, não parecem seguir uma lógica. E essa necessidade se …

Escalada de violência entre israelitas e palestinianos já fez mais de 100 mortos

O conflito entre israelitas e palestinianos subiu de tom na madrugada de hoje, com o Exército israelita a bombardear a faixa de Gaza. Desde segunda-feira já morreram 119 palestinianos nestes ataques, entre eles 31 …