Sinônimo de morte no passado, HIV é usado para curar “meninos da bolha”

Michelle Goebel / Wikimedia

David Vetter e John Montgomery.

Cientistas americanos afirmam ter usado o vírus do HIV, causador da Aids, em uma terapia genética que curou oito crianças com imunodeficiência combinada grave (SCID, na sigla em inglês), também conhecida como síndrome da bolha.

Os bebês, que nasceram com pouca ou nenhuma proteção imunológica, agora apresentam sistemas imunológicos totalmente funcionais. Os resultados da pesquisa, desenvolvida nos EUA, foram publicados na revista científica New England Journal of Medicine.

As crianças que apresentam este distúrbio precisam viver em ambientes completamente esterilizados para se proteger de infecções — e, sem tratamento, costumam morrer ainda bebês. A terapia genética envolveu a coleta de células-tronco da medula óssea dos bebês e a correção do defeito genético em seu DNA logo após o nascimento.

Os cientistas usaram uma versão modificada do vírus HIV, que foi usado como vetor para entrar nas células e alterar seu código genético, inserindo o gene “corrigido”. Como o vírus é geneticamente modificado, ele não é capaz de atacar o organismo.

De acordo com os pesquisadores, a maioria dos bebês recebeu alta do hospital um mês depois.

“Esses pacientes estão respondendo à vacinação e têm sistema imunológico capaz de produzir todas as células imunológicas que eles precisam para se proteger contra infecções enquanto exploram o mundo e levam vidas normais “, destacou Ewelina Mamcarz, autora do estudo, em comunicado divulgado pelo hospital St. Jude Children’s Hospital, no Tennessee.

Isso é inédito para pacientes com SCID-X1“, acrescentou, se referindo ao tipo mais comum da doença. Os pacientes foram tratados no St. Jude Children’s Hospital, no Tennessee, e no Hospital Infantil da UCSF Benioff, em San Francisco.

O que é a síndrome?

O caso de David Vetter talvez seja o mais famoso de imunodeficiência combinada grave. Apelidado de “Bubble Boy” (menino da bolha, em tradução livre), Vetter nasceu em 1971 com a doença e morreu aos 12 anos após um transplante de medula óssea malsucedido.

Vinte segundos após seu nascimento, ele foi colocado em uma câmara de isolamento de plástico para se proteger de infecções, onde viveu até os seis anos, quando recebeu um traje especial desenvolvido pela NASA, agência espacial americana. Seus pais já haviam perdido um filho para a doença antes dele nascer.

NASA / Wikimedia

David Vetter, o menino da bolha

Atualmente, o melhor tratamento para a SCID-XI é o transplante de medula óssea de um irmão ou irmã que seja compatível. Mas de acordo com o hospital St. Jude, mais de 80% dos pacientes não contam com esse tipo de doador e dependem das células-tronco de terceiros.

É menos provável nestes casos que o procedimento cure a doença — e há mais chance de causar efeitos colaterais sérios como resultado do tratamento.

Os avanços na terapia genética ofereceram outras alternativas ao transplante de medula óssea, mas muitos tratamentos envolviam quimioterapia e tinham implicações em uma série de outras doenças, incluindo alterações sanguíneas, como anemia falciforme, talassemia e síndrome metabólica.

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Oceano de magma revela que a Lua surgiu milhões de anos antes do imaginado, diz estudo

O magma fundido que cobria a Lua ao se formar levou "quase 200 milhões de anos" para se solidificar em rocha de manto, 85 milhões de anos depois da data de consenso, mostra estudo alemão. Uma …

Vacina da Moderna mostra resultado e vai para fase final de testes

Candidata a vacina gera anticorpos e é bem tolerada por participantes, afirma empresa americana. A partir de 27 de julho, 30 mil pessoas vão participar da fase final e decisiva dos ensaios clínicos nos Estados …

Maior educação feminina e controle da natalidade farão população mundial crescer menos

A população mundial deve começar a encolher na segunda metade do século 21, atingindo 8,8 bilhões em 2100, cerca de 2 bilhões a menos do que previa a ONU. O estudo foi publicado nesta …

Museu da Língua Portuguesa lança projeto que usa a palavra para lidar com as dores da pandemia

A palavra não é somente nossa maior ferramenta de comunicação e um dos principais instrumentos para a criação humana – ela pode ser também um remédio. Usar a palavra para curar nossos males e dores é …

Estudo indica que imunidade ao coronavírus é temporária

Pesquisadores britânicos monitoraram os níveis de anticorpos contra a covid-19 em 90 pacientes recuperados. Resultados sugerem que o contato com o vírus só fornece imunidade por alguns meses, como no caso da gripe. Pacientes que se …

Essa é a explosão mais forte na história do universo e acabou de ser detectada

A maior explosão no Universo desde o Big Bang foi descoberta, localizada no aglomerado de galáxias Ophiuchus a milhões de anos-luz de distância de nós. O evento liberou cinco vezes mais energia do que a …

Encontradas espécies que vivem em 'deserto marinho' no oceano Pacífico

Cientistas usaram a oportunidade de visitar o sul do oceano Pacífico para retirar amostras de uma área oceânica particularmente pobre em vida, lançando luz sobre uma região marinha inóspita. Pesquisadores alemães do Instituto Max Planck de …

Polícia alemã tenta capturar "Rambo da Floresta Negra"

As autoridades de segurança do estado alemão de Baden-Württemberg estão conduzindo nesta segunda-feira (13/07) uma megaoperação para capturar um fugitivo armado com pistolas e um arco e flecha que se esconde na Floresta Negra, no …

Rio começa a implementar sistema de iluminação inteligente

O conceito de smart cities está por aí há anos e nas últimas temporadas tem se tornado cada vez mais uma realidade no Brasil, graças aos avanços tecnológicos. O Rio de Janeiro é mais uma …

Coágulos sanguíneos em “quase todos os órgãos” de pacientes que morrem de Covid-19

Pesquisas de autópsias em pacientes com Covid-19 mostraram coágulos sanguíneos presentes não exclusivamente nos pulmões, mas sim em “quase todos os órgãos”, afirmou uma patologista da Universidade de Nova York à CNN na última semana. A …