Indianas não bebem água por medo de serem estupradas

Segundo a ONU, cerca de 524 milhões de indianos não têm banheiro em casa, sendo obrigados a defecar ao ar livre todos os dias. Mas, para as mulheres, há um nível de vulnerabilidade superior, devido ao risco de estupro e outros tipos de violência sexual.

Uma pesquisa da Fundação Thomson Reuters, divulgada esta semana, dá conta de que a Índia é o país mais perigoso do mundo para as mulheres, devido ao elevado risco de sofrerem violência sexual e de serem forçadas a trabalho escravo.

Mona (nome fictício) contou à BBC que evita deliberadamente beber água por ter medo de ser estuprada. “Bebo menos água do que deveria porque estimula a produção de fezes e o local que usamos para defecar está sempre cheio de rapazes. Tenho medo de ir lá.” Cada vez que se desloca a esse local, Mona vai acompanhada de outras mulheres.

Savita, que vive em uma favela urbana em Nova Deli, relata o calvário que muitas mulheres são forçadas a enfrentar diariamente. “Várias mulheres sofrem com comentários obscenos, perseguições e olhares de rapazes quando saem para defecar nessas áreas. É por isso que temos medo de ir”, explica.

As mulheres são assim forçadas a escolher entre a saúde e a segurança, fazendo com que, muitas vezes, a saúde seja a principal prejudicada. “Essas mulheres se desidratam intencionalmente, o que pode levar a sérias consequências, principalmente se houver uma onda de calor”, diz Gulrez Shah Azhar, pesquisador da RAND Corporation.

Enquanto estudava a onda de calor de 2010, na cidade de Ahmedabad, no oeste do país, Gulrez descobriu que as mulheres tinham um risco de morte muito maior do que os homens indianos.

Além disso, acredita-se que as mulheres que ficam restringidas a ambientes fechados não enfrentam risco durante uma onda de calor, mas é mentira. Em muitas casas, um ventilador de teto é a única fonte de refrigeração, que pode, porém, não ser tão confiável devido ao fornecimento inconsistente de eletricidade.

Na hora do preparo das refeições, o calor aumenta dentro de casa. O traje típico do país – o sari – também dificulta.

Temperaturas chegam aos 47ºC

Bhuni Shelukar vive em uma aldeia chamada Makhla, na região de Vidarbha, no estado de Maharashtra. Nessa área, as temperaturas são extremamente quentes e os termômetros podem mesmo chegar aos 47ºC. Bhuni e outras mulheres são obrigadas a caminhar no calor intenso para ir buscar água, que carregam em jarros nas cabeças.

Andamos de dois a três quilômetros para conseguir água e, muitas vezes, não é suficiente. Temos que fazer várias viagens, já que só podemos carregar um pote de cada vez”, explica Bhuni. Nessa cidade, as mulheres são encarregadas das tarefas domésticas e não podem dar prioridade à sua própria saúde ou necessidades básicas.

“É difícil usar o banheiro. Temos que esperar os homens irem primeiro.” Gulrez diz que há uma espécie de cultura de silêncio que envolve questões sanitárias das mulheres que levam à morte. A longo prazo, a solução envolveria lidar com questões de igualdade e direitos das mulheres, aponta o pesquisador.

As ondas de calor no país não têm recebido a atenção necessária, e Gulrez ressalta que é importante encontrar soluções adequadas ao ambiente local. As soluções podem incluir o acesso a celulares para que as pessoas possam receber alertas de ondas de calor ou para pedir ajuda.

“Além disso, podiam ser tomadas outras medidas práticas como a pintura de telhados com tinta reflexiva branca, que proporcionaria algum alívio para quem fica dentro de casa”. Ainda assim, o acesso a um banheiro interno e a água potável continua primordial.

Ciberia // BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas revelam nova razão que explica dependência do álcool

De acordo com um novo estudo, a dependência do álcool tem uma relação direta com as mudanças climáticas: quanto mais frio é o clima e menos incidência de sol, mais as pessoas tendem a consumir …

Cientistas encontraram pássaro que é três espécies em uma só

Cientistas encontraram um pássaro incomum na Pensilvânia, que guarda um incrível segredo genético: a toutinegra é o híbrido de três espécies diferentes de pássaros. Uma equipe de cientistas encontrou um pássaro incomum na Pensilvânia, cuja mãe …

Hitler abraçou uma menina judia; 85 anos depois, a foto foi a leilão

Uma foto de 1933 mostra o ditador nazista ao lado de uma menina de seis anos de idade cuja avó era judia. A imagem, com uma dedicatória assinada por Hitler, foi arrematada em leilão por …

No deserto mais seco do mundo, a chuva mata

No deserto mais seco e mais antigo da Terra, as coisas não funcionam da mesma maneira que em outros lugares. A água, por exemplo, não é uma bênção. No deserto do Atacama, no Chile, as …

CIA pensou em usar “soro da verdade” nos interrogatórios do 11 de setembro

O “Projeto Medicação” foi posto de lado em 2003, mas, até lá, os médicos da CIA estudaram a hipótese de substituir as violentas técnicas de interrogatório pelo uso de um “soro da verdade” que fizesse …

Distração de professora provoca ferimentos em 40 crianças na China

A distração de uma professora que se esqueceu de apagar uma luz ultravioleta em uma escola de Tianjin, perto de Pequim, causou ferimentos e queimaduras em mais de 40 crianças, informou nesta sexta-feira a imprensa …

Hábito diário pode ajudar a prever morte prematura

A velocidade com que caminhamos fornece muitas pistas sobre o nosso estado de saúde e pode mesmo ajudar a prever uma morte prematura.  Segundo um novo estudo, realizado o por cientistas da Universidade do Sul …

Assassino de John Lennon sente “mais vergonha” a cada dia que passa

Mark David Chapman, que assassinou John Lennon em 1980, disse a um conselho de condicional que se sente “mais e mais envergonhado” a cada ano que passa por ter assassinado o ex-Beatle. “Há 30 anos, eu …

Submarino argentino ARA San Juan é achado um ano após ter desaparecido com 44 tripulantes

A carcaça do submarino argentino Ara San Juan, desaparecido desde 15 de novembro de 2017 com 44 tripulantes a bordo, foi localizada no fundo do oceano Atlântico, a 800 metros de profundidade, a leste da …

Cientistas determinam qual foi o pior período na história da humanidade

Cientistas americanos chegaram à conclusão de que em 536 d.C., "um dos períodos mais terríveis" começou na história da humanidade. Segundo o historiador medieval Michael McCormick, arqueólogo da Universidade de Harvard, um "nevoeiro misterioso" caiu sobre a …