Índios da Amazônia têm as melhores artérias coronárias do mundo

Flickr

-

Os índios da amazônia boliviana têm cinco vezes menos aterosclerose coronária (endurecimento das artérias) do que os norte-americanos e são o povo com os menores níveis de envelhecimento vascular do mundo.

De acordo com o trabalho publicado na revista científica The Lancet, o grupo indígena Tsimane tem as artérias mais saudáveis de todas as populações já estudadas e estima-se que um homem de 80 anos do grupo tenha a mesma idade vascular que um norte-americano com cerca de 50 anos.

No estudo os investigadores sugerem que o abandono das dietas de subsistência e a opção por estilos de vida da sociedade contemporânea podem ser um fator de risco para as doenças cardíacas associadas à idade, tabagismo, colesterol alto, hipertensão arterial, inatividade física, obesidade e diabetes.

O estudo mostrou que os Tsimane têm “a menor prevalência de aterosclerose coronária de qualquer população alguma vez estudada”, disse o antropólogo Hillard Kaplan, da Universidade do Novo México, nos Estados Unidos.

“O seu estilo de vida sugere que uma dieta pobre em gorduras saturadas e rica em hidratos de carbono ricos em fibras não processados, em conjunto com o consumo de peixe (selvagem), não fumar e prática de atividade física ao longo do dia pode ajudar a prevenir o endurecimento das artérias do coração”, comentou.

“Acreditamos que componentes deste modo de vida podiam beneficiar as populações sedentárias contemporâneas”, acrescentou.

Os Tsimane têm um estilo de vida que envolve caça, pesca e agricultura, passando apenas 10% do seu dia em inatividade, ao contrário das populações dos países desenvolvidos, que são sedentárias mais de metade das horas.

A dieta deste povo consiste basicamente em hidratos de carbono não processados e ricos em fibras, como arroz, banana, mandioca, milho, nozes e frutas. A proteína constitui 14% da dieta e provém da carne animal e a gordura representa outros 14%.

O estudo de campo foi feito em 85 aldeias dos Tsimane entre 2014 e 2015. Foram feitos exames de tomografia computorizada em 705 adultos entre os 40 e os 94 anos e, além de se verificar o endurecimento das artérias coronárias, foram feitos outros exames que incluíram a frequência cardíaca, a pressão arterial, o colesterol ou a glicose.

Com os exames concluiu-se que 85% dos indígenas estudados não tinham risco de doenças cardíacas, incluindo os mais velhos (65% dos avaliados com mais de 75 anos). Os níveis de pressão arterial, colesterol e glicose também foram baixos.

Por comparação, um estudo com 6.814 americanos entre 45 e 84 anos indicou que apenas 14% não tinha risco de doença cardíaca.

Os pesquisadores sugerem que os resultados se devam essencialmente a um estilo de vida e não à genética, já que se registrou um aumento gradual dos níveis de colesterol quando o estilo de vida teve uma mudança, provocada por maiores contatos dos Tsimane com cidades vizinhas.

// ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Governo italiano vende casas a 2 euros na região da Sicília

Mais uma vez o governo italiano está vendendo casas em áreas rurais da Itália, após o sucesso da campanha para repovoamento de áreas abandonadas. Além de promover a ocupação por meio de incentivos para jovens e …

Bolsonaro admite não ter provas de fraudes eleitorais

Em live para a qual convocou veículos de imprensa, Bolsonaro exibiu uma série de teorias falsas, cálculos equivocados e vídeos antigos, já verificados e desmentidos, mas que ainda circulam na internet, como supostas evidências de …

A incrível civilização antiga que mumificava os mortos 2 mil anos antes dos egípcios

"As mais antigas evidências arqueológicas conhecidas de mumificação artificial de corpos", segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), estão presentes na América do Sul, na costa árida …

Delta pode causar covid-19 mais grave, alerta agência americana

Documento interno do órgão de prevenção de doenças dos EUA indica que a variante delta do coronavírus é tão contagiosa quanto a catapora e pode ser transmitida mesmo por indivíduos vacinados. "A guerra mudou", diz …

Vendas de vacinas anticovid impulsionam lucros de laboratórios

A empresa farmacêutica AstraZeneca anunciou nesta quinta-feira (28) que as vendas de sua vacina contra a Covid-19 alcançaram US $ 1,17 bilhão no primeiro semestre do ano. Este número corresponde à entrega de aproximadamente …

Cientistas transformaram água pura em metal pela primeira vez

Cientistas transformaram, pela primeira vez, água pura em metal. A pesquisa poderia permitir um estudo detalhado das condições de extrema alta pressão dentro de grandes planetas. A água pura é um isolante quase perfeito. Sim, a …

Imagens do satélite Amazonia-1 já estão disponíveis — e qualquer um pode acessar

O Ministério da Ciência e Tecnologia comunicou, nesta semana, que as imagens do Amazonia-1 já podem ser acessadas pelo público. O satélite Amazonia-1 foi lançado em fevereiro de 2021 e, desde então, já avançou por etapas importantes, …

Alemanha acusa médico sírio de crimes contra a humanidade

Promotores federais da Alemanha acusaram nesta quarta-feira (28/07) um médico sírio de assassinato e crimes contra a humanidade. O suspeito enfrenta 18 acusações de tortura contra pacientes de hospitais militares nas cidades sírias de Homs e …

Suposto 'padrão' citado por Bolsonaro não indica fraude eleitoral; presidente admite não ter provas

O presidente Jair Bolsonaro usou sua live semanal desta quinta-feira (29/07) para fazer uma apresentação questionando a lisura das últimas eleições e apontando o que considera ser "fortíssimos indícios" de fraudes nas urnas eletrônicas. No entanto, …

Cientistas revelam novos dados sobre neandertais e denisovanos após analise sanguínea

Cientistas, que analisaram os genes de três neandertais e um denisovano, descobriram que ambas as espécies de pessoas ancestrais provêm da África. Os autores também encontraram uma ligação genética entre os neandertais e os aborígines …